Cidadeverde.com

Após morte de criança, Vigilância Sanitária retira achocolatado das prateleiras

Após a morte de uma criança no Mato Grosso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) determinou a interdição em todo Brasil, do lote nº 21:18, com validade de 21 de novembro de 2016, do produto bebida láctea UHT sabor chocolate, 200ml, marca: ITAMBEZINHO, fabricado por ITambém Alimentos S/A. A Vigilância Sanitária municipal de Oeiras já retirou mais de 900 unidades do produto dos supermercados da cidade.

Uma criança de 2 anos morreu uma hora após ingerir o achocolatado em Cuibá/MT e duas pessoas da mesma residência também foram afetadas.

No Piauí, a Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado (Divisa) está orientando os municípios para que façam a interdição cautelar do lote indicado nos estabelecimentos comerciais. “É uma medida de precaução, uma vez que as investigações ainda estão sendo realizadas”, explicou a diretora da Divisa, Tatiana Chaves.

Em Oeiras, foram retiradas mais de 900 unidades do produto em apenas dois supermercados do município. “Os fiscais lacraram os produtos e foram segregados em depósitos dos próprios supermercados”, disse a coordenadora da Visa de Oeiras, Lívia Rego.

Cabe esclarecer que a interdição cautelar é uma atividade de praxe e utilizada rotineiramente pelas Vigilâncias Sanitárias quando existe a suspeita de contaminação ou desvio de qualidade de qualquer tipo de produto de interesse à saúde.

Em caso de dúvida, os consumidores poderão entrar em contato com as vigilâncias sanitárias municipais ou através do e-mail visapiaui@yahoo.com.br.

Morte da criança 

A mãe da criança, D.C.S, 28 anos, informou que seu filho R.C.S.S, 02 anos, tomou a bebida, por volta das 9 horas, na residência da família, no bairro Parque Cuiabá, em Cuibá-MT. Ela contou que o filho estava há dois dias resfriado, soltando coriza pelo nariz, mas sem febre.

Conforme a mãe, o menino pediu algo para comer e, então, deu uma caixinha do achocolatado. Minutos após ingerir o líquido, o menino teria apresentado falta de ar, ficando com o “corpo mole e com princípio de desmaio”. A criança foi levada para atendimento na Policlínica do Coxipó, onde por cerca de uma hora os médicos tentaram reanimá-lo. A criança não resistiu e morreu no local.

A mãe relatou que bebeu um pouco do achocolatado e também passou mal, sentindo tonturas e náuseas, assim como o tio da criança, que chegou a ser encaminhado a uma unidade hospitalar.

redacao@cidadeverde.com