Cidadeverde.com

No Piauí, ministra diz que mosquito não pode ser mais forte que o país inteiro

  • foto7ok.jpg Thiago Amaral
  • foto6ok.jpg Thiago Amaral
  • foto5ok.jpg Thiago Amaral
  • foto4ok.jpg Thiago Amaral
  • foto3ok.jpg Thiago Amaral
  • foto2ok.jpg Thiago Amaral
  • foto1ok.jpg Thiago Amaral

A ministra de Estado da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, pediu a união de toda a sociedade e governos para que os casos de Zika Vírus sejam zerados no país. A declaração foi dada durante o dia "D" de combate ao mosquito, que acontece em todo o país, neste sábado (13). 

"Nós temos um time imbatível, mas o mosquito não pode ser mais forte que o país inteiro", disse a ministra durante solenidade com a presença do governador Wellington Dias, no 25º Batalhão de Caçadores, onde a tropa de 1.800 homens do Exército se prepara para sair às ruas combater o mosquito Aedes aegypti. 

No Piauí, o dia "D" acontece nos municípios de Piripiri, Campo Maior, Picos, Bom Jesus, Canto do Buriti, Floriano e Parnaíba.

"Esse é um momento especial para o país e o governo federal. Hoje é um dia histórico de articulação dos governos estadual municipal e que o Exército irá orientar e informar a população sobre as formas de combater o mosquito", disse a ministra que, pela primeira vez, visita o Piauí. "Quero voltar outra vez para conhecer experiências exitosas de combate ao mosquito, além do trabalho desenvolvido na Educação", acrescenta. 

Nilma Lino ressalta que, para a campanha de combate ao mosquito transmissor de doenças também como a dengue e a chikungunya ter êxito, a população tem que participar ativamente eliminando os focos dentro das próprias residências. "Hoje as pessoas mais vulneráveis são idosos, mulheres, negros e pobres. Temos que estar unidos",disse. 

Do 25º BC, a ministra juntando com o governador acompanha a tropa do Exército que atuará distribuindo panfletos no Shooping da Cidade e em seguida na região do Grande Dirceu, Zona Sudeste de Teresina. 

Aborto

Durante entrevista, a ministra disse que- mesmo com o pedido da ONU para a liberação do aborto no Brasil para gestantes de bebês com microcefalia- no momento o foco principal é cuidar das crianças com má formação no cérebro e combater o mosquito. 

"Temos que pensar muito mais na saúde das pessoas, na vida das crianças e como vamos cuidar delas. Agora, nosso foco é esse.  Mais do que pensar se a mulher aborta ou não", frisa.

No Estado, o número de casos de microcefalia supostamente relacionados com infecções por zika vírus subiu de 103 para 112. Os casos referem-se até o dia 7 de fevereiro e foram notificados em 42 municípios.

Escolas

Após o dia "D", nas próximas semanas, o Exército integrará uma grande rede de mobilização nas escolas pública e privada orientando sobre a gravidade do problema e dos males causados pelo mosquito. 

 

Flash Yala Sena
Redação Graciane Sousa
redacao@cidadeverde.com