Cidadeverde.com

Menino de dois anos morre após indícios de estupro e pai é suspeito


O menino teve o corpo periciado no IML de Parnaíba.

Um garoto de apenas dois anos morreu na última sexta-feira (21) na cidade de Parnaíba (318 km de Teresina), após apresentar fortes dores e ferimentos na região do ânus. O policial civil da cidade, Robson Castilho, disse que a suspeita é de que o menino tenha sido vítima de estupro e o pai, que já foi indiciado pelo mesmo crime, prestou depoimento à polícia.

Robson informou que o menino havia sido levado pela mãe por quatro vezes ao Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), de Parnaíba. A família e a criança são naturais e moram na cidade vizinha, Ilha Grande do Piauí. 

"Ele estava apresentando dores na região íntima e possuía ferimentos, deu entrada diversas vezes no hospital e na última, quando faleceu, uma pediatra colheu material da região machucada, constatou que o menino estava com sífilis. Ela então pediu que o IML fizesse uma perícia no corpo", disse. 

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível caracterizada por feridas nos órgãos genitais e no ânus e é transmitida por meio do contato com essas feridas. O resultado do exame feito pelo Instituto ainda não foi divulgado, informando com detalhes a causa da morte da criança. 

Segundo Robson, após a constatação de que a criança possuía uma DST e lesões compatíveis com estupro, o pai do menino foi ouvido. O policial disse que ele já respondeu por estupro depois que a enteada - que ainda mora com ele - informou que ele a havia assediado e observado ela tomando banho. 

"Ele foi indiciado por esse crime, então é o principal suspeito, mas ele nega. Foi ouvido na Central de Flagrantes de Parnaíba e chegou a pontar outras pessoas, como vizinhos da família, mas tudo isso ainda vai ser apurado e todos os possíveis autores do crime serão ouvidos", disse. 

O menino teve seu corpo velado na casa onde morava com a mãe, o pai e duas irmãs - as meninas são filhas de outro homem. Seu sepultamento aconteceu no cemitério da cidade de Ilha Grande.

 

Maria Romero
redacao@cidadeverde.com