Cidadeverde.com

Hospital Justino Luz recebe equipamentos para realização de cirurgias menos invasivas

Foto: Sesapi

O Hospital Regional Justino Luz recebeu, por meio do programa PRO-Piauí do Governo do Estado, a primeira Torre de Videolaparoscopia, equipamento utilizado para realizar cirurgias minimamente invasivas, sem cortes e com um pós-operatório mais rápido do que de uma cirurgia aberta.

A diretora geral do Justino Luz, Samara Sá, comemorou a chegada do novo equipamento. “Esse equipamento vai melhorar a qualidade e agilizar as cirurgias aqui no hospital. Sem dúvidas, é um marco na saúde de Picos e macrorregião. Temos uma equipe qualificada e que não deixa a desejar a nenhum grande centro. Agradecemos ao governador Wellington Dias, ao secretário de Fazenda e Coordenador do Pro-Piauí, Rafael Fonteles, ao secretário Florentino Neto e ao presidente da Fundação Hospitalar, Pablo Santos.”

A videolaparoscopia pode ser usada em várias cirurgias, como por exemplo, na remoção de órgãos inflamados como vesícula, baço ou apêndice; no tratamento de hérnias do abdômen; na remoção de tumores, como do reto ou pólipos do cólon; na cirurgia ginecológica, como histerectomia, dentre outras.

“Mais uma grande conquista para a população de Picos, em especial, para aqueles que buscam atendimento na nossa unidade de saúde, pois temos cirurgiões especializados em laparoscopia dentro do Justino Luz. Além de minimamente invasivas, as cirurgias por laparoscopia representam outros benefícios quando comparadas às cirurgias convencionais, dentre elas, uma recuperação pós-operatória mais rápida, menor risco de infecção, cicatrizes menos evidentes. Enfim, é mais segurança, conforto e praticidade para o paciente”, diz Pablo Santos, presidente da Fundação Piauiense de Serviços Hospitalares (FEPISERH), lembrando que, além do Justino Luz, o Hospital Getúlio Vargas, em Teresina, também foi beneficiado, recentemente, com cinco torres laparoscópicas pelo Programa Pro-Piauí.

Sobre a Videolaparoscopia
Laparoscopia – olhar para dentro da cavidade abdominal. Na medicina moderna, no entanto, o termo se refere à cirurgia pouco invasiva de maneira geral, feito com a ajuda de uma microcâmera e utilizando-se de pequenas incisões.

O paciente fica sob efeito de anestesia geral. O cirurgião insere no paciente o laparoscópio, um cabo de fibra óptica, por meio do qual ele poderá visualizar as estruturas internas do corpo humano. O médico se guiará pelas imagens trazidas pela câmera para conduzir a cirurgia.

Da Redação
[email protected]