Cidadeverde.com

Governo anuncia OS que administrará hospital de Picos e garante direitos

O governador Wellington Dias reuniu-se, na noite dessa quarta-feira (30), com deputados estaduais do Piauí para apresentar o novo modelo de gestão de Organização Social sem fins lucrativos(OS) que será implantado no Hospital Regional Justino Luz, em Picos. Os direitos dos servidores efetivos, a oferta de serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e a ampliação dos procedimentos foram garantidos pelo Governo, descartando qualquer possibilidade de terceirização dos serviços.

“Todos os direitos que os servidores têm serão garantidos. O atendimento no hospital continua 100% público. O que muda? Hoje, fazemos 77 cirurgias por mês e vamos passar a fazer mais de 350 cirurgias (mês). O que vai mudar é que ampliaremos o número de exames e de atendimentos clínicos. Vamos multiplicar os resultados, os serviços prestados”, garantiu o governador.

Exemplos bem-sucedidos em outros estados, inclusive no Piauí, como no Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), que tem excelência no atendimento, também foram apresentados. Em Goiânia (GO), onde o Estado adotou este novo modelo no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), os resultados impressionam. Somente em atendimentos ambulatoriais, o hospital saltou de 61.286 para quase 71 mil. O número de leitos praticamente dobrou, de 235 para 407, e o número de cirurgias passou de 9.136 para 14.331.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa, a expectativa é que os atendimentos no Hospital Regional sejam triplicados. Atualmente, a taxa de cumprimento de metas chega a 39%. Em seis meses, pelas cláusulas contratuais, a meta é que alcance 90% de produtividade.

“O aumento na capacidade resolutiva, no melhor acolhimento à população, melhor oferta de exames e internações clínicas e cirurgias, de modo a diminuir a grande fila de espera, que existe naquela região, é nosso objetivo, sempre olhando para quem precisa dos serviços no hospital”, afirma o gestor.

Francisco Costa esclarece ainda que "a mudança será apenas ne modelo de gerenciamento, pois é mais dinâmico, mais eficaz e que consegue dar respostas mais rápidas que a população tanto almeja".

Todos os 16 deputados estaduais que participaram da reunião aprovaram a proposta. “A situação do hospital é realmente caótica, com uma fila muito grande de pacientes que necessitam de exames e cirurgias”, comentou o deputado estadual João Madison.

Participaram da reunião os parlamentares estaduais Temístocles Filho, Francis Lopes, Dr. Hélio, Joel Rodrigues, Fernando Monteiro, Nerinho, Georgiano Neto, Severo Eulálio, Hélio Isaías, Júlio Arcoverde, Evaldo Gomes, João de Deus, Zé Santana e João Mádison.

O secretário de Governo, Merlong Solano; o presidente da Associação Piauiense de Prefeitos (APPM), Arinaldo Leal; o e prefeito de Picos, Padre Valmir, também participaram do encontro.

Implantação da OS

De acordo com o secretário Francisco Costa, a organização social vencedora do processo de chamamento, Instituto de Gestão e Humanização (IGH), deve iniciar as atividades na próxima semana. O processo de transição será acompanhado por uma equipe da Secretaria da Saúde, que também fará análise patrimonial do Hospital.

O lançamento do chamamento foi publicado no dia 24 de agosto no Diário Oficial do Estado.

O novo modelo de gestão já havia sido apresentado no Conselho Regional de Medicina (CRM/PI), ao Ministério Público do Estado (MPE) e também em audiência pública realizada na Câmara de Vereadores do Município de Picos.

Hospital de Picos

Com uma demanda de aproximadamente 500 mil habitantes, de 59 municípios circunvizinhos, tanto do Piauí como do Ceará e Pernambuco, o Justino Luz funciona 24 horas, com atendimento ambulatorial, urgência e emergência, internações, centros cirúrgicos, realização de exames, sendo referência de média e alta complexidade para aquela região.

Apesar do alto custo mensal, de cerca de R$ 3,4 milhões, o quadro situacional do hospital apresenta uma série de deficiências que limita a oferta de um serviço resolutivo e de qualidade, elevando as reclamações e as transferências para Teresina.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com