Cidadeverde.com

Estudantes de Picos fazem paródia em apoio à greve dos professores da UESPI

Professores e técnicos da Uespi estão em greve há mais de uma semana, e agora receberam um reforço virtual de alunos e estudantes não só da Universidade, mas também de outras instituições. Representantes da Assembleia Nacional dos Estudantes Livres, (ANEL) em Picos, fizeram uma paródia do funk "Baile de Favela" de MC João para criticar a situação em que se encontra a Universidade no município. Os versos do funk trocam a "ostentação" pelas denúncias que vão de cadeiras quebradas até o fechamento da universidade.

"Nós estudantes estamos mobilizados e a iniciativa é apoiar os professores para que seja feita alguma coisa pela entidade. A Anel está apoiando o movimento assim como quase todos os estudantes da UESPI estão mobilizados. Eu mesma sou aluna da UFPI  e sou uma das compositoras da letra da música que mostra a nossa luta", conta a estudante de direito Daniela, que compôs e participou da gravação da paródia.

A ideia foi inspirada em um protesto de estudantes secundaristas de São Paulo que lutaram contra o fechamento de escolas e parece ter funcionado. A paródia já ganhou imensa repercussão nas redes sociais especialmente no Whattsapp. "Não imaginava essa repercussão toda, agora estamos pensando até em gravar um clipe para a versão", completou a estudante.

Do outro lado, os professores recebem com alegria o apoio dos estudantes, para eles, a luta é importante, pois servirá para trazer melhores condições para todos. "Sem o apoio deles não conseguimos nada. Eles entendem que o que a gente está pedindo ao governador não é salário. A gente quer livros, estrutura nos laboratórios e muito mais", explica a professora Thaízis Helena, Coordenadora do Curso de Pedagogia do Campi.

A professora ressalta que a infraestrutura da Universidade no município é satisfatória, mas que enquanto não houverem maiores investimentos, os apelos devem continuar. "Eles entendem o nosso apelo e isso é muito importante a gente precisa exigir dos nossos organizadores", pontuou.

Em assembleia nesta quinta-feira (28) os professores decidiram permanecer em paralisação, segundo eles o governo ainda não abriu um canal de comunicação para negociar com a categoria.

 

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com