Cidadeverde.com

Com pouco mais de um ano de formação a dupla Voicebox está invadindo a noite de Teresina e conquistando cada vez mais espaço entre os amantes de música eletrônica da capital. Formado pelo casal Thales Matos e Camille Rio Lima, a banda leva para os palcos a sintonia dos dois, sim eles são namorados heart

Para estrear a nova fase do Playlist, apresentarei uma série de entrevistas e matérias com bandas piauienses que você conhece, ou que provavelmente ainda não ouviu, mas que vai adorar conhecer. Semanalmente prometo apresentar algo de novo e interessante para vocês, que fizeram do Playlist uma das páginas mais acessadas da internet no Piauí! MUITO OBRIGADO!laugh

Conheci o Voicebox no fim de 2014 e a entrevista também foi feita mais ou menos no mesmo período. O casal, sempre unido até nas respostas (hihihi), fala sobre suas influências e perspectivas para 2015, que já começa com uma agenda cheia para o grupo.

O duo teve início em Jericoacoara e aconteceu sem muito planejamento. Thales e Camille estavam curtindo o litoral do Ceará e com um violão, que levaram por pura diversão, acabaram se apresentando em alguns restaurantes. De volta para Teresina, a ideia amadureceu e nasceu o Voicebox. Com a proposta de mostrar para pessoas versões próprias das músicas que mais gostam, a dupla tem como público alvo, “todo mundo que gosta de música eletrônica e que acompanha o que tem de mais atual na cena internacional”, como eles próprios me contaram na entrevista.

Para saber um pouco mais sobre a Camille e o Thales, confira nosso bate-papo:

Camille Rio Lima, cantora desde pequena, fez aula de canto e violão na Escola de Música de Teresina, participou de diversos corais e foi integrante do grupo Newtime. 

Thales Matos, produtor das músicas eletrônicas do Voicebox, é também instrumentista e se apresenta tocando guitarra ou baixo, instrumentos aos quais se dedica desde os 13 anos de idade, tendo estudado este na Escola Música para Todos.

Playlist (PL): Voicebox é o único live de Teresina que...

Voicebox (VB): ... te deixa na dúvida: se continua dançando ou "se acaba" de dançar! A proposta é mostrar para as pessoas as nossas versões das músicas que mais gostamos, além das nossas autorais, que sairão do forno em breve.

PL: Quais as maiores referências musicais para vocês?

VB: Nossas influências são muitas e a maioria não vem do meio eletrônico, como soul, indie rock, country, folk. 

Thales: gosto de trance desde menino. Gosto muito de System of a Down e Arctic Monkeys. Mas meu interesse pelos sintetizadores começou com o industrial do Rammstein. Também gosto de Of Montreal. Sou louco pelas produções de Nicki Minaj, Lady Gaga: do pop em geral.

Camille: sempre fui apaixonada por música erudita e canto lírico. Desde criança ouço música popular brasileira, como Beth Carvalho e Nana Caymmi. Adoro Beyoncé, Joss Stone e Jessie J. pela qualidade e técnica vocal que elas têm.
PL: Quem é o público do Voicebox?

VB: Todo mundo que gosta de música eletrônica e que acompanha o que tem de mais atual na cena internacional, especialmente os top charts de pop e dance. Além disso, com a nossa proposta diferenciada, queremos trazer para o nosso mundo pessoas que até então não tinham contato com a música eletrônica. E temos muita satisfação em afirmar que estamos obtendo êxito nesse desafio!

PL: Como funciona o processo criativo de vocês, gravações, etc?

VB: Primeiro a gente cuida da melodia, harmonia e letra. Compomos sempre no mesmo lugar (quarto) e na mesma posição, só voz e violão! Depois criamos o arranjo e ritmo, no estúdio, adicionando percussão, sintetizadores e efeitos. Acreditamos que a música eletrônica, associada aos conhecimentos de teoria musical é muito mais atraente.
Temos nosso home studio e nós mesmos cuidamos de todo o processo: produção, gravação e mixagem.

PL: E serem namorados, ajuda ou atrapalha?

VB: Tudo que é feito com amor é percebido! Isso ajuda muito pois a proximidade nos proporciona uma maior liberdade para nos posicionar acerca do trabalho do outro, além de poder passar mais tempo juntos nos dedicando aos nossos projetos. E mais, é muito mais prazeroso trabalhar com quem a gente gosta. Atrapalha um pouco, porque, mesmo nos momentos de lazer, nos flagramos pensando ou conversando sobre o Voicebox.

Nós adoramos o que fazemos mas, assim como todo mundo, às vezes acordamos com o pé esquerdo. Já passamos horas e horas discutindo o timbre de um sintetizador.

PL: E sobre o ciúme... como lidar (blogueiro metido kkk)

VB: KKKK resolvemos dividir essa resposta!

Thales: Tira o olho da minha índia!

Camille: Não. Sou muito tranquila, inclusive ando com uma arma na bolsa, só por precaução...
Brincadeiras à parte: no nosso meio, temos que lidar com isso e aprendemos a separar as coisas. Procuramos manter por perto somente os sentimentos positivos, porque é isso que queremos dividir com o nosso público.


PL: E sobre as canções autorais, vocês compõem muito? Quando podemos conferir algo de vocês?

VB: A gente compõe todo dia. Tudo vira música na nossa vida. Tem muito material ficando pronto! Músicas agitadas, dançantes, baladinhas, outras com instrumental agressivo, e algumas que valorizam bastante o vocal. Essa etapa de produção é muito empolgante porque nossas músicas serão nosso cartão de visita: nossa identidade. Já estamos ansiosos para ver a reação do público!


PL: De Teresina, vocês tem alguma banda ou projeto favorito?

VB: Em Teresina tem muita gente boa na música, mas não citar Martine Cadillac, Josué Costa e Dam Bezerra seria um crime.

PL: Onde foi o melhor show de vocês até hoje?

VB: Eita! Essa é difícil! A gente se diverte muito nos shows. Dois momentos foram muito marcantes: a estreia no Reserva Pub e o aniversário da Brenda Ferraz em Parnaíba.

PL: O que vocês acham que não é legal na noite de Teresina?

VB: Teresina está crescendo bastante. E tem muita gente boa, independente do estilo musical, encontrando portas fechadas. O cenário de atrações está repetitivo, por falta de oportunidade para esses novos talentos. Uma vez abertas essas portas, não só o público, mas o estabelecimento e os artistas ganham.

PL: O que podemos esperar de vocês em 2015?

VB: Temos inúmeros projetos pra 2015: novas parcerias, lançamento de muitas músicas autorais e ótimas surpresas nos shows do Voicebox!

Gostaríamos de agradecer primeiramente ao Rayldo Pereira pelo convite para mostrar um pouco do Voicebox no seu blog super antenado! (Eu que agradeço a entrevista de vocês gente!!!). Agradecemos também aos nossos parceiros Base Zion, Atelier Giselle Pimentel, Foco Integrado, Via Personal e Tri Bijoux, que acreditaram na gente desde o começo. Aos nossos fãs, cada vez mais engajados, que sempre nos acompanham, curtem e compartilham nossas postagens. O nosso obrigado também aos estabelecimentos que confiaram no Voicebox para transformar suas noites!

Gostou? Então acompanhe o Voicebox  através do Instagram @voiceboxmusic e da fan page no facebook.com/duovoicebox e soundcloud.com/duovoicebox e deixa sua curtida na fan page do Playlist: facebook.comlaylistcidadeverde

Beijos!