Cidadeverde.com

Conheça Myriam Eduardo, sucesso na década de 90 que dá voz ao hino de Teresina

  • 10615493_4516136757126_2345083058020736710_n.jpg Arquivo pessoal
  • 1422335_4516137277139_3910230073517186455_n.jpg Arquivo pessoal
  • 547460_461865627217343_1902317966_n.jpg Arquivo pessoal
  • myriameduardo.jpg Arquivo pessoal
  • myriamecaymmi.jpg Arquivo pessoal

Você pode não ter ouvido falar seu nome, mas certamente você já ouviu sua voz ao escutar o Hino de Teresina. Myriam Eduardo foi a Intérprete escolhida por Cinéas Santos e Erisvaldo Borges para dar vida a canção oficial e quase obrigatória em todos os eventos e solenidades da prefeitura e do governo do Estado na capital. Longe da capital, hoje a cantora sucesso na década de 90, trocou os palcos Congresso Nacional e é assessora parlamentar do senador Elmano Férrer (PTB).

Do começo

A carreira de Myriam começou em meados de 89 quando ela se apresentava no bar Pacatuba, no Centro da capital. "Na época era uma bar muito conceituado e muitos talentos da música se apresentavam lá", reforçou a artista. Aos 18 anos, Myriam fazia pequenos shows e se apresentava onde era convidada, mas diferente dos dias atuais, Teresina da época, não tinha tantos palcos para cantores e bandas.

Foi em 1993 que Myriam alcançaria seu período de maior sucesso. Depois de vencer a etapa piauiense do festival Canta Nordeste, organizado pela Rede Globo, Myriam chegou a concorrer a semifinal, mas não passou. Persistente, em 1994 ela voltou e ganhou novamente em Teresina, com a canção "Um Violeiro, Uma Viola e Um Luar", mas dessa vez chegava a hora de consolidar o estrelato. A cantora ficou em segundo lugar com sua música e venceu o concurso como intérprete, o que lhe deu projeção em todo o Nordeste do país.

"Foi uma época muito boa e o concurso me projetou para Fora. No ano seguinte eu gravei o CD Sentidos e foi aí que resolvi sair com ele debaixo do braço para tentar o sucesso no Rio de Janeiro", contou a cantora.

Biquini Cavadão

No Rio, Myriam foi contratada pela banda Biquini Cavadão e começou a viajar pelo país, menos por Teresina. "Engraçado que a banda esteve várias vezes no Piauí, mas enquanto eu estava não nos apresentamos", comentou.  Ao fim dos dois anos de trabalho com o Biquini, Myriam muda radicalmente de estilo e passa a companhar Danilo Caymmi, com quem trabalhou por dois anos.

"Enquanto isso eu tentava minha própria carreira, só que ao completar 30 anos eu não conseguia viver de música, foi aí que resolvi me voltar para minha atividade. Vim para Brasília e passei a trabalhar fora da música", explicou.

Casada com Fernando Conde, ex-integrante do grupo também piauiense, Ensaio Vocal, Myriam tem duas filhas uma de 12 e outra de sete anos e fala que não abandonou a música, apenas teve que deixa-la em segundo plano.

"Minha relação com a música é ótima. Eu canto onde chego e me apresento muito aqui em Brasília. Hoje não sou mais uma profissional da música mas ela nunca saiu de mim. Nunca parei de cantar. Não faço show com a mesma frequência, mas me apresento sempre que posso", enfatiza.

Saudosa, mira cita nomes de artistas contemporâneos ao seu sucesso como os "amigos queridos do ensaio vocal", como descreve. Paulo Aquino, Aurélio Melo, Luiza, Andréa, Cruz Melo, meu compositor querido, Carol Costa, Rosinha Amorim, Laurenice França, Zé Dantas, Júlio Medeiros e Geraldo Brito, estão entre os citados com carinho pela artista.

E em memória aos 163 anos de Teresina, Myriam completa afirmando que adotou Brasília para viver, mas leva consigo as marcas da capital piauiense. "Teresina é minha terra que levo por onde eu ando, assim como a terra da minha mãe, que é Pedro II. Brasília é a cidade que eu adotei como minha, mas Teresina é a cidade onde vivem minhas referências", pontuou.