Cidadeverde.com

Internas da Penitenciária Feminina se apresentam no Festival de Bandas de Teresina

  • unnamed.jpg Divulgação
  • unnamed_(4).jpg Divulgação
  • unnamed_(3).jpg Divulgação
  • unnamed_(2).jpg Divulgação
  • unnamed_(1).jpg Divulgação

Com apenas seis meses de criação, a banda de música Asacordes, composta por 20 internas da Penitenciária Feminina de Teresina, é um dos projetos que mais têm chamado atenção no sistema penitenciário do Piauí. A banda fará sua segunda apresentação fora da unidade prisional nesta sexta-feira (20), às 18h, no Teatro de Arena, na capital, durante a 20ª edição do Festival de Bandas da Fundação Cultural Monsenhor Chaves.
 
Esta é a primeira vez que um grupo musical formado por pessoas privadas de liberdade se apresenta em um festival. Para o regente da banda, Ronaldo Oliveira, a participação das reeducandas terá um efeito positivo na ressocialização. “Elas estão emocionadas, têm se dedicado com afinco nos ensaios e prometem fazer bonito. Estamos felizes e encaramos isto como um avanço social, que trará um efeito positivo quanto à ressocialização e valorização destas mulheres”, diz.
 
A gerente da Fundação Monsenhor Chaves, Marcela Aragão, explica que a ideia surgiu do interesse da Fundação em destacar a importância da música nos processos de ressocialização e apoio àqueles que mais necessitam. “A Asacordes é a única banda exclusivamente feminina que irá se apresentará no Festival e, por isso, estão quebrando o tabu duas vezes. Queremos que elas possam ter uma dimensão do trabalho delas e que se sintam valorizadas por ele”, pontua Marcela.
 
Segundo secretário de Justiça, Daniel Oliveira, a Secretaria tem criado agendas positivas de atividades culturais, resgatando e incentivando os talentos individuais nas unidades prisionais, através das oficinas de teatro, música e outras expressões artísticas. “Estamos planejando mais projetos culturais para 2016. É com a cultura que vamos avançar e integrar as pessoas. Com isso, queremos proporcionar uma nova possibilidade de vida a estas pessoas”, conclui.