Cidadeverde.com

É melhor não torcer o nariz para o pequi

O pequi é um fruto muito conhecido no Piauí, cuja safra coincide com o período chuvoso, indo de outubro à março. O pequizeiro é uma árvore nativa do cerrado brasileiro e o fruto é muito apreciado na culinária regional, cozido com arroz ou feijão. Dele, extrai-se um óleo, denominado azeite de pequi. Algumas pessoas torcem o nariz para a iguaria por causa do cheiro forte que exala. Mas, o que pouca gente sabe, é que o pequi é altamente nutritivo e ajuda na prevenção de muitas doenças, como no retardamento da degradação óssea e combate ao envelhecimento precoce.

Quem confirma isso pra gente é o nutricionista Leonardo Negrão, pós graduando em fitoterapia. Ele chegou recentemente de Los Angeles, Estados Unidos, onde foi convidado para apresentar um estudo sobre frutos dos cerrados para os pesquisadores da Universidade da Califórnia. Ao ser questionado sobre as propriedades nutricionais do pequi, Leonardo foi bastante enfático: “É um fruto extremamente benéfico para a saúde. Ele é composto por lipídios, possui baixo teor de carboidratos e proteínas. Porém, é fonte de ferro e rico em fibra alimentar, zinco, magnésio, vitamina A. Seus nutrientes e compostos presentes auxiliam na prevenção do câncer, úlceras gástricas, sensibilidade a luz (fotossensibilização), aumento da resposta imunológica, ação antiinflamatória, anti-hipertensiva e ação antioxidante”, explica.

O nutricionista faz uma alerta com relação ao consumo do fruto, pois não é porque o pequi seja saudável, que ele deve ser consumido sem limites. “O ideal é consumir, no máximo, três unidades diárias para evitar ingestão de gordura acima do recomendado, que pode levar a malefícios”, pontua Leonardo Negrão. Mas, o que o excesso de pequi pode provocar para a saúde? O nutricionista afirma que é por causa da oleosidade. O consumo excessivo pode levar principalmente ao aumento do colesterol. E o excesso de vitamina A pode causar náuseas, tonturas, sonolência e até a diminuição do apetite. “É sempre ideal preferir o consumo do fruto in natura, pois se for utilizado de forma que seja exposto ao calor, oxigênio por tempo prolongado, acidez alta, luz e baixa atividade de água, pode ter seus benefícios reduzidos devido a instabilidade que os carotenoides possuem. O pequi possui de 200 a 350 calorias cada unidade da fruta e 84% do peso do fruto maduro corresponde a sua casca, que é rica em fibra alimenta e muitas vezes é descartada. Devido às boas quantidades de ácidos monoinsaturados em sua composição, o pequi pode ajudar a proteger o coração contra diversos tipos de doenças, entre elas, a hipertensão, AVC, aterosclerose, derrames e ataques cardíacos”, enfatiza Leonardo Negrão.

Nutricionista Leonardo Negrão

PEQUI COMBATE PROBLEMAS CARDÍACOS

Esse poderoso fruto do cerrado brasileiro possui os ácidos linoleico, oleico e esteárico, que podem melhorar a oxigenação do organismo, reduzindo as taxas de colesterol ruim (LDL) no sangue e evitando que este fique acumulado nas artérias e vasos sanguíneos, requisito essencial para evitar problemas cardíacos. Outro benefício importante do consumo de pequi que pode ajudar a proteger o coração de problemas é o controle da pressão sanguínea. Por conter minerais, como o potássio, em sua composição, que possuem efeitos antiinflamatórios, o fruto pode auxiliar no alívio da tensão sobre os vasos sanguíneos, ajudando-os a relaxar, o que resulta em um aumento do fluxo sanguíneo e melhora da pressão sobre o coração. Vários especialistas mostram que o consumo de pequi, também pode ajudar a combater inflamações nos músculos articulações, algo muito comum após treinos muito intensos. E mais! Pacientes que sofrem com artrite e outras condições inflamatórias também podem se beneficiar dos efeitos do fruto e aliviar as dores no corpo.

 

OUTROS BENEFÍCIOS DO PEQUI

- Possui atividade antibacteriana e antifúngica

- Rico em potássio, fonte de fibras, vitaminas B1, B2, B3 e minerais, como cobre, zinco, magnésio e ferro

- Rico em carotenoides, importantes para a visão e retarda a degeneração ocular

- Atua na prevenção de câncer

- Rico em boas gorduras e elevado potencial antioxidante (rico em compostos fenólicos)

Médico dá dicas para curtir o carnaval com saúde

O clínico geral Lucas Rêgo alerta para os cuidados que devemos ter durante a semana de carnaval. Alguns produtos, como o pó de guaraná e as bebidas energéticas, dão mais pique para curtir a folia, mas médico faz uma ressalva: "Essas substâncias são ricas em cafeína e, se consumidas em excesso, atrapalham o sono na hora de dormir, causam gastrite e sobrecarregam o organismo, podendo levar até à arritmia cardíaca”. Para quem deseja aproveitar o carnaval com saúde, o Dr. Lucas Rêgo dá mais dicas:

Clínico Geral, Dr. Lucas Rêgo

Modere no álcool
Além de moderar no consumo de álcool, intercale um copo de bebida alcoólica com um de água. Dessa forma, os efeitos negativos, e até a ressaca, ficam mais brandos.

Evite os remédios para ressaca
Remédios para ressaca têm uma combinação de substâncias que ajudam a evitar os sintomas, mas não reparam os danos ao corpo.

Descansar é preciso
O corpo precisa de seis a oito horas por dia para se regenerar.

Cuidados com a alimentação
Antes das festas, recomenda-se não ingerir alimentos ricos em gorduras, que tornam a digestão mais lenta e causam a sensação de estufamento. Durante a folia, não fique mais do que quatro horas sem se alimentar. Escolha alimentos leves e que favoreçam uma rápida digestão.

Use protetor solar

Se beber não dirija

Técnica fisioterápica de tratamento da coluna pode evitar cirurgias

As técnicas para o tratamento de coluna evoluíram de tal forma, que até mesmo um paciente em crise pode sentir alívio imediato da dor, sem medicamento e com uma pressão feita no local em que a dor está se desencadeando. Esta é a Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral (RMA). Muitas pessoas com indicação para cirurgia já se livraram do procedimento depois de passar por essa técnica. A Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral (RMA) é uma técnica criada em 2005 pelo fisioterapeuta Dr. Helder Montenegro, que utiliza conceitos de fisioterapia manual, mesa de tração eletrônica, mesa de descompressão dinâmica e estabilização vertebral.

No Brasil, a RMA é desenvolvida apenas pelo Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC). “As cinco mesas eletrônicas que o instituto possui para fazer a tração e descompressão muscular são um dos grandes diferenciais do tratamento”, diz  Dr. Giuliano Martins, diretor regional da Associação Brasileira de Reabilitação da Coluna – ABRCOLUNA. “Elas fazem a tração precisa no local em que o paciente está sentindo dor, promovendo alívio imediato e tratando o problema.” As mesas podem ser utilizadas para tração, flexão e descompressão muscular. Com elas, é possível fortalecer e alongar os músculos; melhorar a mobilidade dos ligamentos; promover a descompressão do eixo axial da coluna vertebral; melhorar o grau de estabilidade da coluna vertebral e sentir alívio rápido da dor. A RMA é indicada para o tratamento de hérnia de disco e outras lesões da coluna, como lombalgia, cervicalgia, dor ciática, protusão discal, espondilólise, artrose, entre outras.

Pesquisa: Cerveja faz bem para a saúde

A cerveja foi elevada ao status do vinho no que diz respeito aos benefícios à saúde. Um novo estudo espanhol comprovou que tomar uma caneca da bebida por dia combate diabetes, evita ganho de peso e previne contra hipertensão. Além de ter graduação alcoólica baixa, a cerveja contém ainda ácido fólico, vitaminas, ferro e cálcio – nutrientes que protegem o sistema cardiovascular.

“Nesse estudo, nós conseguimos banir alguns mitos. Sabemos que a cerveja não é a culpada pela obesidade, já que ela tem cerca de 200 calorias por caneca – o mesmo que um café com leite integral”, destaca a médica Rosa Lamuela, uma das responsáveis pela pesquisa feita em parceria entre a Universidade de Barcelona, o Hospital Clínico de Barcelona e o Instituto Carlos III de Madri. Os especialistas afirmam também que a cerveja não é a responsável pelo aumento da gordura abdominal. A culpa, na verdade, seria dos aperitivos gordurosos, como salgadinhos e frituras, que grande parte das pessoas consome junto à bebida.


QUAL A DOSAGEM IDEAL?
O estudo, realizado com 1.249 homens e mulheres acima de 57 anos, indica que mulheres podem tomar dois copos pequenos de cerveja por dia, enquanto para os homens estão liberados até três copos. Contudo, o hábito deve estar associado a uma dieta saudável e a exercícios físicos regulares.

 

 

Quase tudo pronto para o I Seminário N/NE de Medicina do Trabalho

O clínico geral, ginecologista e especialista em medicina do trabalho, Dr. Lucas Rêgo, participou da reunião da Associação Nacional de Medicina do Trabalho - ANAMT, onde foi discutida a organização do I Seminário Norte/Nordeste de Medicina do Trabalho. O evento será realizado em Teresina, no mês de maio.

Posts anteriores