Cidadeverde.com

Conselho de Fisioterapia do Piauí notifica hospitais

Pouca gente conhece a importância do fisioterapeuta numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Mas o assunto passou a gerar curiosidade depois que o Conselho Regional de Fisioterapia notificou unidades de saúde de Teresina que não possuem o profissional no plantão de 24 horas nas UTIs. A medida é obrigatória e determinada por meio de uma portaria do Ministério da Saúde desde o ano de 2010. Como o conselho da categoria foi criado no Piauí há seis meses, somente agora existe um órgão fiscalizador. Esses hospitais têm um prazo de 15 dias para regularizar a situação. Caso contrário, o Conselho Regional de Fisioterapia vai acionar os Ministérios Públicos Estadual e Federal.

O presidente do Conselho de Fisioterapia, Marcelino Martins, explica que os pacientes internados nas UTIs devem ser acompanhados por fisioterapeutas 24h por dia. Durante visita do conselho, foi constatado que apenas três hospitais obedecem a portaria: Hospital de Doenças Tropicais Nathan Portela, Hospital de Urgência de Teresina e Hospital Getúlio Vargas. Atualmente, os profissionais de outros hospitais só trabalham numa escala de 18 horas. "Nesse intervalo de 6 horas algum paciente pode apresentar intercorrências, piorar o estado de saúde e até mesmo vir a óbito", diz Marcelino Martins.

 


Qual o papel do fisioterapeuta na UTI?
A fisioterapia aplicada na UTI tem uma visão geral do paciente, pois atua de maneira complexa no amplo gerenciamento do funcionamento do sistema respiratório e de todas as atividades correlacionadas com a otimização da função ventilatória. É fundamental que as vias aéreas estejam sem secreção e os músculos respiratórios funcionem adequadamente. A fisioterapia auxilia na manutenção das funções vitais de diversos sistemas corporais, pois atua na prevenção e/ou no tratamento das doenças cardiopulmonares, circulatórias e musculares, reduzindo assim a chance de possíveis complicações clínicas. Ela também atua na otimização (melhora) do suporte ventilatório, através da monitorização contínua dos gases que entram e saem dos pulmões e dos aparelhos que são utilizados para que os pacientes respirem melhor. O fisioterapeuta também possui o objetivo de trabalhar a força dos músculos, diminuir a retração de tendões e evitar os vícios posturais que podem provocar contraturas e úlceras de pressão.