Cidadeverde.com

Casa do Oleiro agora recebe mulheres dependentes químicas

A Casa de Oleiro funciona no sítio Paraíso, na estrada que vai para a Usina Santana. O nome faz jus ao local, pois o espaço é amplo e decorado pela natureza. O blog VIDA teve a oportunidade de conhecer a Casa de Oleiro na noite de ontem e trazemos aqui algumas informações úteis para quem tem algum familiar dependente das drogas. O projeto segue uma proposta cristã evangélica e é coordenado pelo pastor José Gouveia. Com cinco anos de funcionamento, pelo menos 600 pessoas já foram acolhidas. Segundo o coordenador da Casa de Oleiro, de cada 100 internos, pelo menos 85 conseguem deixar o vício. "Uma vez me disseram que se conseguirmos recuperar uma pessoa já seria muito bom. Mas graças a Deus temos a felicidade de termos resultados surpreendentes. Os poucos que não conseguem abandonar o vício, acabam retornando para cá, traçamos um novo plano de trabalho e aí eles conseguem concluir essa etapa ruim da vida deles", comemora Gouveia.

 

 

Para o acolhimento as famílias dos dependentes não pagam nada. O local recebe um repasse do Governo do Estado, mas a maioria da despesa é mantida por meio de doações da comunidade. "Nosso maior doador é a população. Gastamos, em média, 220 quilos de arroz por semana. Então não é nada fácil manter o projeto. Precisamos, principalmente, de alimentos não perecíveis", diz o coordenador. Hoje, a Casa de Oleiro está com 84 homens e com 24 vagas abertas. A novidade do espaço é que começou a funcionar nessa segunda-feira (05/10) o centro de acolhimento para as mulheres. O local também fica dentro do sítio Paraíso, mas numa área murada, totalmente isolada dos homens. De início, 8 dependentes químicas foram acolhidas e mais 10 vagas estão disponibilizadas. "Nossa meta é aumentar aos poucos a demanda de vagas. São poucos os locais que oferecem atendimento para mulheres viciadas em drogas. e sabemos que elas existem em grande quantidade. Basta percebermos nas ruas", complementa José Gouveia.

 

 

Durante o dia, todos os acolhidos tomam conta da manutenção do sítio, cuidam das hortaliças e da criação de porcos. Durante a semana, eles participam de aulas sobre caráter, amizade, lealdade, trabalho, família e fé. Como o projeto é uma iniciativa das igrejas evangélicas, eles também são evangelizados. Para conseguir uma vaga na Casa de Oleiro é preciso passar por uma triagem, realizada por profissionais de saúde. Na ocasião, exames médicos também são solicitados para ver o grau de dependência química. Sendo aprovado (ou agora aprovada) na triagem, o acolhido passa três meses no sítio sem ter contato com ninguém de fora. Caso ele responda bem ao tratamento, o paciente terá direito de visitar a família uma vez por semana depois do terceiro mês de internação. O tratamento completo tem duração de seis meses, por meio de uma equipe multiprofissional.

 

 

Quem tiver interesse na Casa de Oleiro deve fazer a triagem no seguinte endereço: Av. Senador Area Leão,4159. Teresina. O telefone de contato é o 86 3234-8284. Neste mesmo endereço a comunidade em geral pode deixar doações de alimentos não perecíveis (arroz, feijão, farinha, macarrão, óleo, biscoito, etc).