Cidadeverde.com

ESPECIAL: Artemísia trata câncer de ovário e várias outras doenças

Texto e fotos: Marcelo Fontenele

 

O blog VIDA visitou o Núcleo de Plantas Aromáticas e Medicinais, que fica no Centro de Ciências Agrárias da UFPI. Fomos recebidos pelo professor Francisco Rodrigues Leal, que é pós-doutor em Horticultura e doutor em Agronomia. Ele nos apresentou a Artemísia, que tem inúmeras indicações para o tratamento de doenças. Historicamente, a artemísia é utilizada para o tratamento de uma variedade de doenças do trato digestivo. Reduz a inflamação dos tecidos intestinais e seu extrato é indicado para o tratamento da diarreia e prisão de ventre, aliviar dores de estômago e cólicas, além de auxiliar na digestão, aumentando o fornecimento de nutrientes para as células. Também pode melhorar a digestão e estimular o apetite. Algumas espécies de artemísia também são conhecidas por combaterem nematelmintos e vermes intestinais.

 

Francisco Rodrigues Leal, PHD em horticultura

 

Combinada com outras ervas, a artemísia-comum serve para prevenir a dirofilariose, uma doença parasitária dos cães, que também pode afetar os gatos. As larvas do parasita Dirofilaria imitis são depositados em cães por meio da picada de . Os cães são infetados por formas larvares do parasita, transmitidas pela picada de um mosquito. Ao entrarem por meio da pele e da musculatura, as lavras penetram nos vasos sanguíneos e se alojam em regiões vitais do corpo do animal, podendo provocar uma redução considerável da função cardíaca, dificuldades respiratórias e uma tosse crônica. O composto de artemísia para esses casos é dado ao animais para agir como um vermífugo geral cerca de uma vez por mês, misturando o composto na comida. É um purgante moderado. Usada em compressas ou cataplasmas para juntas artríticas, contusões e picadas de inseto. Unguento para inchaços. Lavagem para gota e infecção fungosa. Gargarejo para dor de garganta. A artemísia às vezes é defumada para aliviar a asma.

 

O nome de gênero, Artemisia, foi nomeado em homenagem a Artemis, deusa romana da caça e protetora das mulheres. O poder da erva é eficaz no tratamento de câncer do ovário. "Além de estudos na área, já recebemos aqui uma paciente de câncer de ovário que apresentava um quadro preocupante de sangramento. À partir do terceiro dia de consumo do chá de Artemísia, o sangramento parou e os demais sintomas desapareceram. Inclusive médicos de um grande hospital de referência do câncer já nos procurou para conhecer melhor a planta e prescrevê-la como parte do tratamento para as pacientes", explica o Dr. Francisco Leal. A literatura também revela que a Artemísia é excelente para tratar mulheres que possuem o ciclo menstrual irregular e ainda combate os desagradáveis sintomas da cólica.

 

O Dr. Francisco Leal explica que existem duas maneiras de consumir Artemísia: "Se a folha estiver verde, ela tem 78% de água em sua composição e os demais nutrientes ficam facilmente solúveis. Portanto, basta adicionar água quente para fazer o chá. Agora, se a folha estiver seca, é preciso fazer o chá por meio de cozimento pois esse processo facilitará a hidratação da erva", explica. O chá pode ser tomado até três vezes ao dia. Mas devido aos seus fortes efeitos no organismo, a erva não pode ser consumida em excesso e nem sem a orientação de um especialista na área, pois ela pode causar efeitos colaterais como palpitações, tremores e alucinações. A Artemísia não é indicada para pessoas saudáveis, nem mulheres grávidas.

 

"Falta divulgação sobre o poder da Artemísia e de outras ervas medicinais. Muitas doenças podem ser tratadas com plantas e com efeitos mais rápidos que os tratamentos convencionais. Mas creio que estamos evolindo neste sentido, à medida que percebemos o aumento da procura pelas plantas tanto por pacientes como por renomados profissionais da saúde", comenta o Dr. Francisco Leal.

 

 

Médica recebe o Prêmio Nobel de Medicina por causa da Artemísia

O irlandês William Campbell, o japonês Satoshi Omura e a chinesa Youyou Tu foram os vencedores do prêmio Nobel de Medicina pelo desenvolvimento de tratamentos contra infecções parasitárias e a malária. Youyou Tu, de 84 anos, que tinha o nome cogitado há vários anos na Academia, desenvolveu um tratamento particularmente eficaz contra a malária com um extrato da planta 'Artemisia annua'. Tu iniciou a pesquisa com a combinação de antigos textos médicos chineses e remédios populares. Ela coletou 2.000 "remédios" potenciais, a partir dos quais sua equipe produziu 380 extratos de plantas. Um dos extratos da planta do absinto ('Artemisia absinthium') mostrou que era promissor nos ratos. Inspirada em um texto antigo, Tu modificou o processo de extração da substância para que se tornasse mais efetiva antes de isolar, no início dos anos 70, o princípio ativo do absinto, o seja, a artemisinina.

A artemisinina é o tratamento mais eficaz e seguro contra a malária, uma doença que afeta quase 200 milhões de pessoas por ano e mata mais de 500.000, principalmente crianças africanas.