Cidadeverde.com

Saiba mais sobre o vírus Mayaro, transmitido pelo Aedes Aegypti

O ano começou cheio de notícias ruins para os piauiense e ela parecem não querer dar trégua. A novidade é com relação a saúde. A Fundação Municipal de Saúde de Teresina fez o alerta sobre a possibilidade de contaminação de um novo vírus pelo mesmo mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, o Aedes Aegypti. É o Mayaro, que causa sintomas parecidos com as dessas doenças. A febre do Mayaro é uma patologia infecciosa febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes), que pode causa uma doença de curso benigno semelhante a dengue. Normalmente, após uma ou duas semanas o paciente se recupera completamente. Entretanto, parte dos pacientes pode apresentar queixa de artralgia intensa, acompanhada ou não de edema nas articulações. A lesão pode ser limitante ou incapacitante e durar por meses, quando a recuperação é mais prolongada.

 
Mais recentemente no Brasil, entre dezembro de 2014 e janeiro de 2016 (semana epidemiológica 01), foram registrados 343 casos humanos suspeitos de doença pelo vírus Mayaro. Os casos suspeitos foram identificados em onze estados distribuídos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com destaque para o estado de Goiás com a maior frequência 183 (53,3%), seguido do Pará com 68 (19,8%) e Tocantins, com 25 (7,2%) casos suspeitos. Entre os casos notificados, 70 (20,4%) foram confirmados, 29 (8,4%) foram descartados e 244 (71,3%) permanecem em investigação, aguardando os resultados laboratoriais.

Tratamento

Não existe terapia específica ou vacina. Os pacientes devem permanecer em repouso, acompanhado de tratamento sintomático, com analgésicos e/ou drogas anti-inflamatórias, que podem proporcionar alívio da dor e febre. Estudos para desenvolvimento de vacina têm sido realizados, no entanto ainda é um desafio, pois seria necessária uma vacina de baixo custo uma vez que a maioria dos surtos ocorre em países em desenvolvimento. 

 

Como evitar

A Fundação Municipal de Saúde pede que a comunidade seja vigilante com relação a limpeza. Que não deixe água suja ou limpa acumulada em recipientes. Os cuidados são os mesmos de combate à dengue.