Cidadeverde.com

Número de cirurgias plásticas reparadoras aumenta no Brasil

A cirurgia plástica vai além do benefício estético quando o objetivo é devolver a autoestima de quem possui regiões do corpo afetadas pelo câncer, acidentes domésticos ou urbanos, síndromes congênitas ou passaram por uma cirurgia bariátrica. No Brasil, a quantidade de cirurgias plásticas com fins reconstrutivos cresceu significativamente nos últimos anos. De acordo com os dados do último censo divulgado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 2014 foram realizadas 514.231 cirurgias reparadoras. Dois anos depois, em 2016, este número pulou para 633.147 cirurgias reconstrutivas. O censo também aponta que os tumores cutâneos, pós-bariátrica e reconstrução mamária são os procedimentos reparadores mais procurados.

O cirurgião plástico William Machado explica que as mulheres são as que mais procuram pelo procedimento, uma vez que, tendem a ser mais afetadas emocionalmente pelas mudanças que ocorrem no corpo após um trauma como o câncer, por exemplo. “Mulheres que foram submetidas à mastectomia, a remoção total da mama, têm a oportunidade de restaurar o seio por meio da reconstrução mamária, considerando a forma, a aparência e o tamanho após a mastectomia. A cirurgia pode devolver a autoestima da mulher que passou por este processo tão difícil, que é a retirada do seio”, explica. O cirurgião plástico destaca ainda a importância do monitoramento da saúde da mama após a cirurgia reconstrutiva da mama, por meio do autoexame, mamografia e demais exames de diagnóstico.

Outro procedimento cirúrgico reparador bastante procurado é o contorno corporal após grande perda de peso. A cirurgia remove o excesso de gordura e flacidez comuns após a cirurgia bariátrica. “A intervenção cirúrgica melhora a forma do tecido que sustenta gordura e pele, removendo a flacidez provocada pela perda de elasticidade da pele e dos tecidos após a cirurgia bariátrica ou qualquer perda significativa de peso, proporcionando uma aparência mais suave aos contornos do corpo”, pontua William Machado.