Cidadeverde.com

Praticar boas ações fortalece a saúde física e mental

Quem percebe essa onda de bem estar não é a pessoa que recebe a ação, mas sim quem a pratica. Essa sensação de prazer está comprovada cientificamente. As recompensas de ser solidário são inúmeras e valiosas, mesmo que o propósito não seja esse, já que os voluntários exercem suas funções para fazer o bem para alguém. Praticar boas ações fortalece a saúde física e mental. Melhora males como depressão, insônia, dores de cabeça, aumenta a autoestima e diminui a ansiedade. A explicação é bem simples: quando alguém pratica o bem, os níveis de hormônios associados ao estresse diminuem. Além disso, o corpo libera endorfina, substância responsável pela sensação de prazer. E a causa de todo esse processo está no cérebro.

Em uma pesquisa realizada nos EUA, o neurocientista Jorge Moll Neto e seu colega norte-americano Jordam Grafman analisaram o que aconteceria ao cérebro de 19 universitários ao receberem, cada um, US$ 128. Eles poderiam pegar a quantia para si ou doar para uma instituição de caridade que escolhessem. Ao mapearem a reação cerebral no momento em que decidiam o que fazer com o dinheiro, os dois neurocientistas descobriram que, em todos que optaram por doá-lo, du as importantes áreas ligadas ao prazer passavam a trabalhar significativamente. “Quando faziam doações para uma causa que consideravam justa, as pessoas tinham seu sistema de recompensa cerebral ativado. Como as doações eram anônimas, isso só pode ser explicado porque existem uma sensação retribuidora de fazer o bem”, explica Moll Neto.

O cientista explica que o sistema de recompensa cerebral é formado pelo núcleo acumbente e pelo tegmento ventral – áreas já conhecidas por associar prazer à comida. Também observaram que outra região bastante primitiva e importante para a evolução humana era estimulada durante o experimento. Chamada de córtex subgenual, ela é relacionada a sentimentos positivos básicos. “Embora a solidariedade seja normalmente associada a causas abstratas, ela envolve mecanismos muito primitivos no cérebro, relacionados ao apego e a sentimentos como o amor materno”, explica. A partir do estudo, a dupla con cluiu que essas duas sensações positivas (afeto e prazer), desencadeadas pela cooperação, foram fundamentais para a perpetuação da civilização humana. “O mecanismo foi selecionado por ser benéfico para o sucesso da evolução da espécie".

 

Fonte: Site Altos Estudos