Cidadeverde.com

Câncer ocular afeta mais piauienses por causa da luz do sol

Por: Katya D'Angeles (especial para o blog VIDA)

A região Nordeste, devido à alta incidência de luz solar, tem mais casos de câncer de superfície ocular. Publicação da revista científica Internacional Journal of Cancer mostrou que a incidência do retinoblastoma no Brasil é o dobro da registrada nos Estados Unidos e na Europa. Enquanto algumas cidades brasileiras registram entre 21,5 e 27 casos desse câncer por milhão, nos EUA, esse valor varia entre 10 e 12 casos por milhão. As pesquisas sobre o tema ainda são iniciais, mas os estudiosos do Inca (Instituto Nacional do Câncer) acreditam que fatores geográficos e ambientais também estejam envolvidos. Segundo a oftalmologista Mônica Muller a falta de conhecimento em relação ao retinoblastoma, câncer ocular, ainda é um grande problema enfrentado.

Em relação ao Piauí, segundo Mônica Müller há ainda outro fator que é a muito burocratização para o acesso ao tratamento especializado. "O que observamos, em relação a todos os tipos de lesões oculares oncológicas, é a existência de doentes com tumores muito avançados, algumas vezes já com metástases disseminadas. Isso se dá por uma série de problemas sociais, como o desconhecimento da sociedade em geral sobre o assunto; a dificuldade de diagnóstico dos tumores iniciais por médicos generalistas, além da demora e burocratização que existe ao encaminhar pacientes oncológicos aos serviços de alta complexidade".

O câncer ocular é uma doença de prognóstico desfavorável quando detectado em fases avançadas, mas a detecção precoce e o progresso da Medicina têm possibilitado tratamentos com resultados cada vez melhores.  "A incidência de lesões oncológicas da superfície ocular na região Nordeste como um todo é elevada, principalmente por conta da alta taxa de incidência de luz solar nesta região. O segundo principal fator de predisposição é a infecção pelo vírus HPV (Papiloma Vírus Humano), que, infelizmente, tem alta taxa de prevalência entre as classes sociais menos prevalecidas.", explica. Porém muitas vidas têm sido salvas com o diagnóstico precoce.

Dra. Mônica Müller, médica oftalmologista

O retinoblastoma é originado das células da retina, que é a camada neural do olho sensível a luz. Em 90% dos casos não apresenta causas conhecidas e caracteriza-se pelo desenvolvimento anormal das células da retina na infância, acometendo, de forma mais comum, apenas um olho. Cerca de 10% dos casos é transmitido por hereditariedade, podendo comprometer ambos os olhos. Quando não diagnosticado e tratado precocemente, pode levar à perda de visão e até mesmo ao óbito, devido à disseminação de lesões neoplásicas para outros órgãos (metástases). A retirada do globo ocular é necessária em alguns casos como tratamento, evitando-se assim, que a doença se espalhe para órgãos vitais. 

A melhor prevenção ao câncer ocular ainda é a realização de consultas e exames oftalmológicos periódicos, aumentando as chances de um diagnóstico precoce e de cura. "Alguns tipos de tumores estão sendo constantemente estudados na tentativa de melhorar a taxa de cura e sobrevida dos doentes, como é o caso do melanoma de coróide. O objetivo maior do tratamento dos pacientes oncológicos com tumores oculares será sempre preservar a vida em primeiro lugar. Porém devemos também tentar preservar o globo ocular, como órgão, evitando ao máximo as deformidades faciais e poupar a visão, que é o mais difícil devido às próprias sequelas ocasionadas pela patologia", reforça a especialista, orientando a população sobre a importância do diagnóstico precoce.

ENTREVISTA: Saiba como retardar o envelhecimento da pele

Os cuidados com a pele vêm recebendo cada vez mais atenção das pessoas, isso em qualquer idade. Mas com a chegada dos 30 anos, esses cuidados devem ser redobrados, aconselha a dermatologista Kamilla Santos. O motivo é que com o avanço da idade há redução na produção de colágeno e elastina, que são proteínas responsáveis pela formação dos ligamentos do corpo e pela elasticidade da pele.  Em um Estado com alta incidência solar como o Piauí, o impacto do envelhecimento na pele é ainda maior, pois o sol é considerado o grande vilão do envelhecimento precoce. A entrevista do blog VIDA é especialista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia(SBD). ela dá dicas para manter a pele jovem ou retardar o envelhecimento. Confira:  

Dra. Kamilla Santos, médica dermatologista

 

MARCELO FONTENELE - À medida que vamos envelhecendo nossa pele vai mudando. Eu gostaria que a sra explicasse por que isso acontece? 

DRA. KAMILLA SANTOS - À medida que vamos envelhecendo a pele vai perdendo a proporção de água, então, a pele vai ficando mais desidratada e também vai diminuindo a produção de colágeno e elastina que é o que deixa a pele mais firme, Dessa forma, vai aparecendo a flacidez de pele com prejuízo nos contornos faciais. Isso acaba sendo uma das queixa mais frequentes nessa faixa etária. 


MARCELO FONTENELE - Quais são as diferenças de uma pele de 30, 40 e 50 anos?
DRA. KAMILLA SANTOS - A pele de 30 já apresenta uma perda de colágeno e elastina, mas é ainda uma pele viçosa,  firme, claro que isso também vai depender de cada tipo de pele e da individualidade  da pessoa. Mas, em geral, é uma pele que é mais firme, apresenta mais viço. A partir daí, começa a acelerar a redução na produção de colágeno e a pele apresenta-se mais opaca e com menos firmeza. Começa, então, a aparecer também as ruguinhas. As rugas de expressão não têm idade, é muito individual, mas, normalmente, elas aumentam a partir dos 30 anos. E se não houver os cuidados preventivos, elas poderão marcar a pele, o que chamamos de rugas fixas. 

 

MARCELO FONTENELE - E no caso dos 40 e 50 anos, quais os indícios mais evidentes de envelhecimento?

DRA. KAMILLA SANTOS - A partir dos 40 e 50 anos, se acentua ainda mais essa flacidez, vai se perdendo os contornos faciais, como, por exemplo, o contorno da mandíbula, os sulcos tornam-se mais evidentes (bigode chinês/ marionete), o canto da boca fica mais caidinho, sendo também muito comum o surgimento de algumas gordurinhas chamadas popularmente de buldogue, em associação às bochechas dos cachorros dessa raça que tem as bochechas caídas. E a partir daí as "famosas" rugas de expressão vão se acentuando e se tornando rugas fixas( marcadas na pele mesmo sem expressão facial). 


MARCELO FONTENELE - Quais, então, os cuidados preventivos que as pessoas que estão nessa faixa etária, dos 30 aos 50, devem ter?
DRA. KAMILLA SANTOS -  Aos 30 anos a gente já indica começar com os tratamentos preventivos. Os cuidados básicos que todo mundo deve ter como hidratação, o uso de alguns cremes antioxidantes adequados para cada tipo de pele, o uso de "ácido" para promover uma esfoliação maior e proporcionar um rejuvenescimento e o mais importante, o protetor solar. Dependendo de cada caso, já indico também tratamentos por via oral com colágeno, antioxidantes, protetores endógenos, dentre outros.

 

MARCELO FONTENELE - Quais outras medidas ajudam a combater ou retardar o envelhecimento?
DRA. KAMILLA SANTOS -  A pele é o maior órgão do corpo, então, ela também é o maior reflexo de  tudo que acontece com o nosso corpo. Assim, a alimentação é importante, principalmente, preferir a ingestão de frutas antioxidantes (frutas vermelhas), alimentos ricos em vitaminas, oligoelementos (íons fundamentais para célula), beber bastante água. A prática de atividade física não é diferente, é muito importante para a saúde de forma geral e para saúde da pele também porque somos um conjunto. 

 

MARCELO FONTENELE - Que cuidados os piauienses devem ter com o sol para evitar a repercussão negativa na pele?
DRA. KAMILLA SANTOS - O sol pode causar manchas, que é uma queixa muito frequente. Passados muitos anos esse sol acumulado da vida toda causa alteração estéticas, tanto as manchas escuras quantas as manchas claras (branquinhas). Essas são, algumas vezes, difícil de recuperar, então, o melhor mesmo é a prevenção com uso do protetor solar. E aqui, como é muito quente, eu sempre indico associar uma barreira física(sombrinha, roupas mais cobertas, uso de luvas com fator de proteção). Além das alterações estéticas os raios solares podem contribuir para o aparecimento de algumas doenças, como o câncer de pele.

Alimentos que influenciam na qualidade do sono

Aveia
É um dos poucos cereais com melatonina. “Para potencializar seu efeito, é importante escurecer o quarto, uma vez que os níveis desse hormônio do corpo aumentam na ausência de luz, causando sono”, explica a especialista.

Leite
Um copo de leite quente, servido antes de dormir, ajuda a ter uma noite tranquila. Esse recurso usado por mães e avós é comprovado cientificamente: a bebida é rica em triptofano, e por isso ajuda a relaxar e ter uma noite mais tranquila. O ideal é um copo 30 minutos antes de deitar.

Mel
Aumentar o açúcar no sangue pode reduzir a produção de orexina no cérebro. Orexina é um neurotransmissor que recentemente tem sido ligado à insônia. “Para potencializar o efeito do leite morno basta acrescentar uma colher de mel”, explica Dr. Gláucia Berreta Ruggeri, médica do Centro de Saúde Ocupacional do Hospital Albert Einstein, de São Paulo. De acordo com a especialista, o mel é um carboidrato simples e, por isso, facilita também a absorção do triptofano.

Chá de camomila
A bebida não contém a cafeína encontrada nos chás tradicionais e tem um efeito calmante sobre o corpo. Além disso, um líquido quente antes de dormir pode aumentar o calor do corpo e deixá-lo sonolento.

Cereja
A saborosa frutinha é outra fonte de melatonina. Pode ser consumida fresca como sobremesa ou em forma de suco junto com o jantar.

Couve
Composta por magnésio, trabalha o relaxamento muscular e ajuda o corpo a deixar de lado as tensões do dia para descansar.

Alface
Também constituída de triptofano, a verdura pode ser consumida na última refeição do dia em saladas, na forma de chá ou até suco.

Chocolate amargo
Além de delicioso, o doce contém serotonina, que relaxa a mente e o corpo. Mas apenas sua versão amarga tem esse efeito.

Usuários temem a reforma na lei dos planos de saúde

Uma proposta de mudança na lei dos planos de saúde, de 1998, pode afetar a vida de 47,6 milhões de usuários. Criticada por entidades de defesa do consumidor, a reforma pode liberar o livre reajuste dos planos individuais e acabar com o rol mínimo de coberturas obrigatórias, entre outras alterações importantes. A proposta tramita em regime de urgência no Congresso, por meio de uma comissão especial, que pretende reunir as mudanças sugeridas por 140 projetos de lei desde 2006. A mudança na lei dos planos de saúde também pode autorizar a venda dos chamados planos “populares ou “acessíveis”. Segundo entidades de defesa do consumidor, esses planos teriam imensas restrições de coberturas. A reforma também pode acabar com o ressarcimento ao SUS, que, segundo a lei de 1998, deve ser feito toda vez que um cliente de plano de saúde é atendido na rede pública.

 

Especial Teresina: Polo de Saúde é referência Norte/Nordeste

Como homenagear Teresina num blog de saúde? A resposta é fácil quando se trata da capital do Piauí! Escrevendo sobre um dos setores mais fortes da capital, que gera emprego e renda, além de ajudar muitas pessoas com tratamentos especializados e tecnologia de ponta. Essa reportagem especial foi redigida pela nossa colega jornalista Samanta Petersen, com registros fotográficos de Carlos Pacheco - especialmente para o blog VIDA. Tudo com muito profissionalismo e com informações embasadas nas instituições de pesquisas. 

A principal vocação econômica de Teresina é para o setor terciário, especialmente o comércio e a prestação de serviços. O setor é responsável tanto na composição do Produto Interno Bruto (PIB) de Teresina, como na participação da população ocupada e da massa salarial. O setor de serviços representou, em 2011, 78,1% do PIB da capital piauiense, segundo dados da Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí (Cepro). Dentre as áreas de prestação de serviço as que mais se destacam são saúde e educação. Teresina tem sua vocação econômica voltada para a área do comércio e da prestação de serviço.

Dados do PIB comprovam como essas são atividades importantes para a economia de Teresina, especialmente na geração de emprego. O destaque de Teresina na área da educação contribui diretamente na área da saúde, pois gera novos e preparados profissionais para atuarem na saúde da capital. Por situar-se num grande entroncamento rodoviário, com saídas para Belém, São Luís, Fortaleza, Recife, Salvador e Brasília, a localização geográfica de Teresina contribuiu de forma favorável para o fluxo das pessoas de outros Estados que buscam atendimento em saúde. A localização geográfica é um dos principais fatores de decisão para o paciente, considerando os custos com deslocamento e hospedagem, de acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae-PI, em 2010, no Polo Empresarial de Saúde de Teresina.


O chamado Polo Saúde é uma área localizada no Centro de Teresina que cresceu em torno do Hospital Getúlio Vargas, reunindo hospitais, clínicas, consultórios médicos e laboratórios, além de lojas de produtos ortopédicos e de materiais médico-hospitalar e óticas. A área começou a se desenvolver efetivamente na década de 90 quando foram inauguradas várias clínicas e hospitais particulares. E acabou se constituindo em um centro de referência regional na área da saúde, recebendo pacientes tanto do interior quanto de outros Estados como Maranhão, Pará e Ceará. Motivo da explosão do número de pensões no Centro de Teresina, em média, 600 empreendimentos que recebem pessoas enfermas de outras cidades. Muitas destas pensões oferecem o serviço de acompanhamento do paciente aos especialistas que le precisa. Números do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) apontam que até em casos de urgência, pacientes de outras cidades dão preferência ao atendimento em saúde de Teresina. Diariamente o hospital atende, em média, 300 pacientes, destes 30% são da própria capital, 50% do interior do Piauí e 20% de outros estados. Estes dados são similares ao apontados pela pesquisa realizada pelo Sebrae que mostrou que 21,2% dos pacientes atendidos no Polo Saúde são de outros Estados, especialmente Maranhão e Pará, e 68% são do Piauí, sendo 32% do interior. 

Outro motivo do destaque da capital na área da saúde é que Teresina apresenta-se como centro de referência em diversas áreas especializadas, desenvolvendo medicina avançada e procedimentos de alta complexidade. Concentrando um elevado número de equipamentos, clínicas e médicos. Em relação a equipamentos de ponta, Teresina possui, de acordo com a Coordenação de Gestão do Serviço Único de Saúde (CGSUS), 30 mamógrafos (18 na rede privada), sete aparelhos de ressonância magnética (quatro na rede privada) e 33 tomógrafos (16 na rede privada). Números superiores aos estipulados pelo Ministério da Saúde que determina, por exemplo, que haja um mamógrafo para cada 240 mil habitantes. Assim, Teresina precisaria de apenas quatro aparelhos. A capital ainda possui 77,88% do total de 3.876 médicos ativos no Estado e concentra 79,08% das 631 clínicas e hospitais do Estado registrados no Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI). A fisioterapia especializada também começa a ganhar força, por oferecer procedimentos diferenciados que tratam a causa do problema e não somente o local da dor. 

Atualmente outras regiões da cidade, como a zona Leste, começaram também a despontar como grande concentradora de clínicas e hospitais. Entretanto, a maior procura dos pacientes de fora do Estado é pelas localizadas no Centro. “Muitas clínicas estão abrindo também na zona Leste como uma estratégia de mercado porque nessa área não se atende paciente de fora, mas sim da própria região. E as empresas estão investindo porque estão vendo esse nicho de mercado e querem suprir essa demanda. Já outros estão investindo em outros bairros, o que é uma estratégia muito interessante porque se consegue ir para perto do paciente”, destaca o médico otorrinolaringologista, Flávio Santos, que possui um hospital no Centro e uma clínica na Zona Leste de Teresina.

Dr. Flávio Santos, otorrinolaringologista

Posts anteriores