Geral

Vice-prefeito de São Julião presta novo depoimento na Greco

Imprimir
Atualizada às 8h53

O advogado Alan Barbosa acaba de chegar no Greco para acompanhar o depoimento de Francimar Pereira, vice-prefeito de São Julião. Ele defende Genivaldo Santos, cunhado do gestor, e reforça a tese de que seu cliente não sabia que o dinheiro por ele emprestado era para matar o ex-vereador Emídio Reis. 

Fabiano Silva
Movimentação policial pela manhã na sede do Greco

"Ele estava apenas disposto a cooperar. Ele já tem o costume em família de emprestar dinheiro", afirmou Alan Barbosa. Genivaldo foi quem emprestou os R$ 15 mil para Francimar pagar Antônio Virgílio, pistoleiro acusado de matar Emídio Reis. De acordo com a Polícia, ainda não há indícios de que há envolvimento de Genivaldo na execução. 

O advogado acrescentou ainda que a quantia emprestada ao vice-prefeito foi devolvida cerca de 10 dias depois por Francimar. 

Atualizada às 8h26

O advogado de Francimar Pereira, Joaquim Cipriano, chegou ao Greco para acompanhar o depoimento do seu cliente. Em entrevista ele afirmou que a investigação da Polícia Civil "tem muitos furos".

Postada às 7h18

O vice-prefeito de São Julião, Francimar Pereira, acusado de ser o autor intelectual da morte do ex-vereador Emídio Reis, presta depoimento hoje (27), na sede do Greco (Grupo de Repressão ao Crime Organizado).

Folha Atual
Vice-prefeito José Francimar Pereira

A polícia fará o confronto das informações prestadas no primeiro depoimento do vice-prefeito com as informações dadas por Joaquim Pereira, acusado de pagar o pistoleiro que executou Emídio. 

Fonte: Arquivo pessoal
Emídio Reis - vítima

Quando foi preso, Francimar afirmou que não tinha qualquer envolvimento com o crime. Entretanto, Joaquim Pereira confirmou que a morte de Emídio Reis foi encomendada pelo vice-prefeito, que teria, inclusive, pedido para que não houvesse velório.


Joaquim Pereira

Para prestar o depoimento, Francimar será retirado da cela em que se encontra, no Gtap, e levado para a sede do Greco. O depoimento será ouvido na sala do delegado Lucy Keyko, que preside o inquérito.

Delegado que preside o inquérito

De acordo com informações da polícia, Emídio foi morto por entrar com uma ação pedindo a cassação do mandato do prefeito e do vice-prefeito de São Julião. A morte foi encomendada durante uma reunião pelo valor de R$ 15 mil, pagos em dois cheques.

Matérias relacionadas:


Jordana Cury, Fábio Lima e Rayldo Pereira
redacao@cidadeverde.com
Imprimir