Cidadeverde.com
Diversidade

Festival Internacional de Dança - Junta / Programação

  • NOTA_JUNTA_FESTIVAL_1.jpg ASCOM
  • Junta_4.jpg ASCOM
  • JUNTA_3.jpg ASCOM
  • JUNTA_2.jpg ASCOM
  • ARTE_SHOW_LINN.jpg ASCOM

A 5ª edição do JUNTA - Festival Internacional de Dança propõe pensar sobre as relações entre Político-Real-Virtual. Serão 20 atrações, entre espetáculos, shows musicais, ações de rua, conversas, oficina e residência, com artistas de Teresina e diversos estados do Brasil.

Com parte da programação gratuita, o festival acontece de 14 a 17 de novembro, ocupando a Biblioteca Pública Estadual Cromwell de Carvalho, Praça do Fripisa e arredores, no centro de Teresina.

Dentre as atrações está o show “Pajubá” da cantora Linn da Quebrada. Acompanhada pela sua banda: Jup do Bairro (backing vocal), Dominique Vieira (percussionista), BADSISTA (DJ) e Pininga (DJ), Linn tem se destacado na cena brasileira de música eletrônica e experimental a partir de uma mistura musical indecifrável. Feita de pop, funk, global gueto e muito mais, essa experimentação sonora alavancou sua presença em outros países, como México, França, Inglaterra, Alemanha, Portugal, Noruega, entre outros.

Os ingressos para o show já estão à venda através do link bit.ly/linndaquebrada-junta5, e também na loja Toccata e no Café Art Bar, em Teresina.

O JUNTA5 também traz o espetáculo Domínio Público, que surge no contexto da discussão sobre liberdade de expressão, censura e limites na arte. Em 2017, os artistas Wagner Schwartz, Elisabete Finger, Maikon K e Renata Carvalho foram objeto desse debate no Brasil. Em Domínio Público, eles se juntam para uma reflexão a partir dos ataques sofridos, desde difamações em redes sociais à censura e inquéritos policiais.

Para esmiuçar os eixos da edição, o Festival apresenta ainda o “Buchada”: um espaço para maturar as ideias e ir a fundo nos temas, apostando na potência do encontro, da troca, e do diálogo entre convidados, público e artistas. Entre outras, a Mídia NINJA é uma das participações confirmadas no Buchada, que acontece em três momentos da programação, com entrada gratuita.

Confira a programação completa:

14 de Novembro (quinta-feira)

Ação de rua VALENDO BRONZE - Cipó Alvarenga (PI)

Hora: 12h

Local: Arredores da Biblioteca (gratuito)

Ação de rua SUSPEITO - Allexandre Santos e César Costa (PI)

Hora: 16h30

Local: Arredores da Biblioteca (gratuito)

 

Espetáculo VIOLENTO. - Preto Amparo (MG)

Hora: 19h30

Local: Cúpula da Biblioteca

 

OBCYPHER - Original Bomber Crew e Cleyde Silva (PI)

Hora: 22h00

Local: Lounge - Terraço da Biblioteca Cromwell de Carvalho (gratuito)

 

15 de Novembro (sexta-feira)

 

Ação de rua VALENDO BRONZE - Cipó Alvarenga (PI)

Hora: 12h

Local: Arredores da Biblioteca (gratuito)

 

 

Ação de rua SUSPEITO - Allexandre Santos e César Costa (PI)

Hora: 16h30

Local: Arredores da Biblioteca (gratuito)

 

 

Buchada #1 - “O Corpo que o Estado mais mata” com Preto Amparo (MG) e mediação de Jacob Alves (PI)

Hora: 17h30

Local:Sala de Convivência Biblioteca (gratuito)

 

 

Espetáculo PROBLEMA DOS TRÊS CORPOS - Cia Luzia Amélia (PI)

Hora: 19h30

Local:Auditório da Biblioteca

 

Espetáculo DOMÍNIO PÚBLICO - Wagner Schwartz (SP/FRA), Renata Carvalho (SP), MAIKON K (PR) e Elisabete Finger (SP)

Hora: 21h00

Local: Cúpula da Biblioteca

 

BATALHA DE VOGUE - House of Amu'a (DF)

Hora: 22h00

Local: Lounge - Terraço da Biblioteca (gratuito)

 

 

16 de Novembro (sábado)

 

Espetáculo KILEZUUUMMMM - Edu O., Thiago Cohen e João Rafael Neto (BA)

Hora: 16h30

Local: Praça do Fripisa (gratuito)

 

Buchada #2 “MICROPOLÍTICAS NA CIDADE” com Luzia Amélia, Francisco Filho (Perifala),  Arimatéia Bispo  e mediação de Layane Holanda (PI)

Hora: 17h30

Local: Sala de Convivência Biblioteca (gratuito)

 

 

Espetáculo BONITO PRA CHOVER - Datan Izaká e Redemoinho de Dança (PI)

Hora: 19h30

Local: Cúpula da Biblioteca

 

Espetáculo A BOBA- Wagner Schwartz (SP/FRA)

Hora: 21h

Local: Cúpula da Biblioteca

 

 

 

Show - BEBÉLICA- Bebel Frota (PI)

 

Hora: 22h

 

Local: Estacionamento da Biblioteca

 

 

Show - LINN DA QUEBRADA (SP)

 

Hora: 23h

 

Local: Estacionamento da Biblioteca

 

 

17 de Novembro (domingo)

 

 

Espetáculo BOLERO DE 4 - Luiz de Abreu (MG) e João Rafael Neto (BA)

 

Hora: 16h30

 

Local: Praça do Fripisa (gratuito)

 

 

BUCHADA #3 “Virtual: Possibilidade de Tornar-se Corpo” com Mídia NINJA (Louise Akemi -SP) e mediação de Samária Andrade (PI)

 

Hora: 17h30

 

Local: Sala de Convivência Biblioteca

 

Espetáculo O CÓDIGO DAS BORBOLETAS - Balé da Cidade de Teresina (PI)

 

Hora: 19h30

 

Local: Praça do Fripisa (gratuito)

 

 

Espetáculo BOCA DE FERRO - Marcela Levi e Lucía Russo

 

Hora: 21h00

 

Local: Cúpula da Biblioteca

 

 

Os ingressos dos espetáculos que acontecem na Cúpula e no Auditório da Biblioteca Pública Estadual Cromwell de Carvalho custam de R$ 10 (meia) a R$ 20 (inteira), e serão vendidos a partir de 1h de antecedência às sessões, na própria Biblioteca

Fonte: ASCOM

Rede Ambiental do Piauí realiza ato em Teresina: “Poty Vivo: ação em defesa do rio” - Sábado 09/11

Os rios representam fonte de vida, de identidade sociocultural e de produção econômica.  Comunidades ribeirinhas, pescadores e outras grupos sociais têm relação socioambiental fundamental com esse recurso natural. A deterioração da vida pluvial, através de ações irracionais e predatórias da atividade humana, é sinal de alerta para   os agrupamentos humanos repensar as relações ecossociais.

Em Teresina, a Rede Ambiental do Piauí/REAPI acompanha com preocupação  os danos socioambientais produzidos pela ação, omissão e ausência de políticas ambientais de preservação dos Rios piauienses. Neste sentido, realizará neste sábado, 09/11, às 8h, no Parque da Floresta Fóssil, ato denominado “Poty Vivo: ação em defesa do Rio”.

A iniciativa foi pensada como meio de sensibilizar  o conjunto da sociedade teresinense e também para  cobrar e exigir  ações concretas de  diversos agentes sociais: parlamentares estaduais e municipais, secretarias de governos do Município e Estado e setores empresariais.

A ação envolverá cortejo de Caiaques, bikes e trollers além de um bate-papo com Profº Drº Davi Pantoja, pesquisador da UFPI com  experiência em Ecologia, Zoologia, Biogeografia e Conservação da Natureza.  A atividade de sábado  tem o apoio do The Clube do Remo, Jeep Club Chapada do Corisco, Grupo Matizes, SUPiauí,  amigos do remo, ativistas ambientais,Parque Meus Filhos,  acadêmicos do Curso de Biologia da UFPI e outras parcerias.

Por Herbert Medeiros

Documentário 'Rogéria - Senhor Astolfo Barroso Pinto' entra em cena na Sala Torquato Neto - Clube dos Diários

“A Travesti da família brasileira” simboliza uma das personas mais emblemáticas da cena cultural lgbti+ brasileira: Rogéria. E para narrar os caminhos de construção identitária,  conquista do respeito pelo trabalho artístico  e valorização da trajetória dessa cidadã multifacetada, o documentário ‘Rogéria – Senhor Astolfo Barroso Pinto’ entre em cena na sala Torquato Neto, 05 de novembro, às 19h.

Rogéria/Altolfo purpurina o cenário cultural já em 1964 – início dos anos de chumbo -  quando vence concurso de fantasias. Em processo de metamorfose constante, atuou como maquiadora, atriz, transformista, performer, cantora.

A artista transitava com talento  pelo universo pop do Brasil: programas de auditório, telenovela,  teatro, cinema, carnaval carioca, performances em shows. Sendo ícone da diversidade sexual, não poderia deixar de  interagir  festivamente com outro símbolo da comunicação de massa:  programa do  Chachrinha, o velho guerreiro.  

No filme, diversos artistas trazem  narrativas sobre a vida de Rogéria: Bibi Ferreira, Betty Faria, Rita Cadilac, Aguinaldo Silva, Jane di Castro, Nany People, Jô Soares.

A obra cinematográfica dirigida por Pedro Gui  recebeu premiação de Director Recognition no Los Angeles Brazilian Film 2018. Ainda recebeu prêmio no Festival Internacional da Diversidade Sexual de Goiânia-DIGO.

 

Por Herbert Medeiros

Semana e Mostra Cultural de Biologia: ciências biológicas, sociedade e cultura

A sensibilidade  poética de Beto Guedes convida aos cidadão do planeta a cuidar da mãe-terra: “És o mais bonito dos planetas/Tão te maltratando por dinheiro/Tu que és a nave nossa irmão/Canta, leva tua via em harmonia/E nos alimenta com teus frutos/Vamos precisar de todo mundo”.

Os versos do compositor traz, nesse sentido,  uma provocação sobre um mundo eco sustentável. Em sintonia com essas preocupações socioambientais,   a XIV Semana de Biologia e I Mostra Cultural de Biologia da Universidade Federal do Piauí também colocará no centro do debate as interações interdisciplinares entre biologia, sociedade e cultura.

Entre 4 a 9 de novembro, os dois eventos estarão acontecendo no Auditório do Departamento de Biologia da UFPI. As ações são uma inciativa dos acadêmicos de Biologia em colaboração com corpo docente e técnico do departamento do curso.

A partir do cenário social, político, econômico e ambiental da realidade brasileira, a Semana de Biologia objetiva, de acordo com organizadores do evento,  problematizar e pensar formas de intervenção das questões  socioambientais. Ainda durante o evento estarão se desenrolando minicursos, excursões guiadas, mesas redondas, palestras e apresentação de trabalhos científicos.

A palestra “Eco-Humor:Vamos RIRfletir o ambiente” será uma das grandes atrações da Semana. O palestrante, Prof. José de Ribaram de Sousa Rocha, abordará para os participantes temas ambientais polêmicos a partir de metodologia lúdica e divertida.

A Profª Dra Thais Cury de Barros, pesquisadora na área de botânica e docente do departamento de Biologia/UFPI,  destaca a importâncias das iniciativas promovidas entre alunos/as e professores/as para produzir  interações frutíferas entre saber cientifico e arte: “Entendemos que a ciência e as expressões artísticas são áreas do saber que se sobrepões e que constituem, junto com outras áreas do conhecimento, aquilo que consideramos uma educação cultural abrangente, favorecendo desenvolvimento humano de forma integral e sensível com a justiça socioambiental”.

Barros ainda salienta que o uso de estratégias alternativas para promover educação e sensibilização da sociedade sobre temas socioambientais é caminho salutar pois revela ser possível promover uma ação educativa para além do modo tradicional de ensinar.

“A pintura, a fotografia, a música, o cinema e toda e qualquer forma de expressão e comunicação poder ser veículos para formação críticas e deem ser valorizados na abordagem de temas atuais”, pondera a pesquisadora.

Por Herbert Medeiros

Exposição Fernando Costa: Da Santa Ceia e Outros Avulsos

Por Guga Carvalho (Curador)

Como partiu muito cedo, Fernando Costa não teve tempo para amadurecer suas escolhas plásticas, seu imaginário, suas questões, suas respostas ou perguntas feitas ao mundo, de forma mais clara. E diante do conjunto de sua obra, é difícil apontar, com precisão, quais seriam estas.

Seus trabalhos iniciais, dos anos 70 e início dos 80,   trazem ainda um artista que copia mestres, como o auto retrato a óleo, bebido claramente em um modernismo ido. Contudo, desde esta fase inicial, já demonstra capacidade de extrapolar a mera referência, como é podemos ver na obra Santa Ceia, de 1979; uma obra de fôlego, tratada, nesta exposição, em um texto à parte.

  Entre os anos 84 e 87 a produção de Fernando ganha um traço mais elegante, o figurativo e o abstrato caminham lado a lado e até se estimulam, e nesta dialética obtém a força dos trabalhos a óleo, como na série de vinte e uma pequenas pinturas. Nelas, a plasticidade é construída, muitas vezes, na relação figura - quase figura - abstração, como se no momento de pintar a ideia se modificasse, e o resultado não é obra de um desígnio (desenho) anterior, ou se era, tal intento foi traído.

  Além desta série a óleo, também o público de Teresina tem acesso,  agora, pela primeira vez , a trabalhos em papel , seja usando aguarela, pastel, cera, carvão, nanquim ou gravura em metal.  Neles a elegância é visível e se distancia do peso dos trabalhos dos primeiros anos. Fernando estava ganhando leveza, elegância, suavidade e fluidez. O retrato em nanquim ( seria auto retrato? ninguém sabe) é exemplar nesse amadurecimento, uma mancha preta, uma poderosa máscara, se distanciando, por outros caminhos, do auto retrato a óleo dos primeiros anos.A comparação é bem vinda. O artista estava mais maduro.

 Há de se esclarecer que para esta exposição não foram selecionados seus desenhos de inspiração surrealistas e temática apocalíptica,  não obstante a qualidade plástica destes. A facilidade que esses desenhos, rebuscados de imagens oníricas que somados a sua passagem trágica aos vinte e seis anos de idade, levaram (e ainda levam) à interpretação de sua obra pela chave psicológica,  terminando por construir a imagem do artista em estado de perturbação emocional, que não deixa de ser em parte verdadeiro, mas em parte incapaz de dar conta de toda a complexidade de sua produção e dos inúmeros caminhos que esta aponta.

 O que se pretende nesta exposição é evidenciar que a obra de Fernando é muito maior que essa chave, é uma obra que, apesar de não ter tido tempo de ser depurada pelo artista em suas escolhas, já demonstra algumas ultrapassagens, abandonos de forma primeiras, experimentações em outras técnicas e dicções para, enfim, construir um mosaico substancial de um artista que, sem a menor dúvida, “brigaria” naturalmente pelo status (se é que este status realmente existe) de maior artista plástico da cidade de Teresina.

 

 

Familiares e amigos de Vanessa Carvalho realizam caminhada na Frei Serafim exigindo justiça

A enfermeira Vanessa Carvalho foi vítima de feminicídio dia 29/09 em Teresina quando foi atropelada pelo empresário Paulo Henrique Campos. Para solicitar justiça e ação concreta do poder judiciário, família e amigos da jovem promoveram caminhada na Avenida Frei Serafim nesta sexta(18). Representantes da sociedade civil também participaram da ação em apoio e solidariedade aos familiares.

Cartazes ecoavam indignação e cobravam respostas do poder público: ‘Todos te amamos muito e não vamos desistir #justiçavanessacarvalho”; “Não foi acidente, foi feminicídio doloso”; “Nenhum a menos! basta de femicídio no Piauí! Chega de omissão dos governos”; “Não vai cair no esquecimento”.

Marinalva Santana, presidenta do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos(CEDDH), esteve presente no ato e destaca que a impunidade não pode prevalecer em todos os casos de violência contra mulher no Estado do Piauí. Lembra que crimes de femincídio tem aumentado assustadoramente e sociedade piauiense deve se mobilizar para dar basta nesta realidade.

Informações públicas divulgadas pela Secretaria de Segurança do Piauí revelam: o ano de 2018 apresentou aumento de 50% nos casos de feminicídio em Teresina em relação ao ano anterior. Naquele período, 25 mulheres tiveram vida ceifadas em todo Piauí por sua condição de ser mulher.

Estudos apontam que diversos tipos de violências presentes no país levam ao Feminicídio: Violência física, sexual, patrimonial, moral, doméstica, tortura psicológica, assedio, sentimento de soberania masculina sobre mulher, machismo institucionalizado e cultural, desigualdade de gênero, preconceito étnico-racial, exploração sexual infantil, tráfico de mulheres e meninas etc.

Sociedade Civil protocola abaixo-assinado contra Camarotização do espaço público na Avenida Raul Lopes

Representantes de organizações da sociedade civil protocolaram ontem (10) no Ministério Público abaixo-assinado solicitando providências contra a “camarotizacao” da Avenida Raul Lopes, para viabilizar a Micarina, um evento comercial e com fins lucrativos.

No documento, é pontuado “que ruas, avenidas e passeios públicos são bens públicos de uso comum. Obstruí-los para a realização de evento privado, com fins lucrativos, onde só permitido entrar quem paga ingresso, constitui flagrante desrespeito a direitos fundamentais previstos na Constituição Federal, especialmente o direito de ir e vir.”

Acrescenta ainda que a Av. Raul Lopes tem se notabilizado por receber grandes eventos, que atraem multidões, dentre eles, o Corso de Teresina (300 mil pessoas), a Parada da Diversidade (100 mil pessoas), Teresina é Pop, The vejo na Ponte, mas, em todos eles, é garantida a livre circulação das pessoas e a STRANS só interdita a(s) via(s) pública(s) horas antes do início da programação.

Além de solicitar ao Ministério Público a adoção de medidas administrativas e judiciais (se necessário), visando evitar a transformação do Complexo da Ponte Estaiada em um “clube privê”, Solicitaram ainda a desobstrução das vias e passeio público já interditados, fechando-as para a circulação de pessoas e veículos somente horas antes do início da Micarina, a exemplo do que é feito quando da realização de eventos assemelhados.

Teresina em Dança: Corpo~Cordão - 04/10

tO Corpo é o cordão que conecta a pessoa à sua existência. Um corpo que se move cria relações com o mundo inventando uma teia rizomática, um entremeado de fios que se conectam e desconectam, atam e desatam diferentes formas de existir. Um fio sozinho pode ser frágil, mas a união de vários fios forma um Cordão, que é mais forte, capaz de resistir. 

 

Corpo~Cordão é um exercício de força, resistência, respeito e tudo mais ligado à experiência coletiva do viver, uma experiência aberta que, em relação ao Cordão Grupo de Dança, até agora com 14 anos de existência, vem criando inúmeros entrelaçamentos nas relações humanas.

 

 

 

Posts anteriores