Cidadeverde.com
Diversidade

Técnicas para equilíbrio emocional durante a quarentena - Quarta (01/04)

As últimas semanas têm sido um bombardeio de informações sobre pandemia global  produzida pelo coronavirus.  Reportagens, notícias, relatos, vídeos, entrevistas, postagem em redes sociais alertam sobre cuidados, dados sobre transmissão, número de mortos, formas de contágio. Nesse cenário, o universo particular de cada um/a provoca inquietações, angústia e ansiedade.

Para aplacar os impactos na saúde [email protected] cidadãs/ãos de Teresina, o coletivo 086 realizará nesta quarta-feira(01) Live abordando “Técnicas para o equilíbrio emocional durante a quarentena”. A ação acontecerá a partir das 16h por. Para acessar clicar em https://instagram.com/coletivo086?igshid=6qs25gzrox6w.  A atividade será realizada por Yako Guerra (instrutor de Yoga) e Grax Medina (Produtor do Coletivo  086 e Mediador).

O instrutor Yako Guerra destaca que o objetivo é refletir sobre formas de cuidar da sanidade mental no contexto desafiador de isolamento social, proporcionando orientações de como se familiarizar com a mente para lidar nesta realidade, cultivando lucidez e equilíbrio.

Entre os assuntos a serem tratados estão: forma de autocuidado no cotidiano em relação à saúde mental e treino básico de meditação.

Vidas de [email protected], [email protected], muheres, lgbts, pobres, índios e [email protected] IMPORTAM - Pandemia

Bbilhões de pessoas  impactadas pela pandemia do coronavirus  poderiam fazer  pergunta que clama por reflexão:  é preciso  uma pandemia produzir um tsunami de mal-estar civilizatório para que  [email protected] possam parar para  repensar e ressignificar as relações humanas e valor da vida simples?

O que era considerado ritmo normal de viver em nossa sociedade nos mostra que algo está errado: madrugar para pegar metrô/ônibus superlotado   para  trabalhar;  viver no botão automático, consumir desenfreadamente  coisas desnecessárias, suprimir o   tempo de diálogo e  interação prazerosa com filhote; comprometer  a  qualidade da vida amorosa com companheiro/a, promover tédio e  ansiedade.

 Tenho observado em   alguns  grupos de educadoras/es e amigos  falas sobre alterações de comportamentos do tipo:   país  aproveitando tempo livre para brincar com filhos. Alguns relatam estar descobrindo prazer  de cozinhar  sua comida mais vagarosamente. Outras estão  cuidando de suas plantinhas e seu jardim. 

Também  ouço nessas interações de rede sociais o compartilhamento de aprendizagens para    descobrir  novas formas de aprender e ensinar online com aluno/a. Tem havido socialização de experiências positivas de aula online e de como ampliar horizonte  educacional. Há muitas narrativas sobre iniciativas para enfentar a atual crise da pandemias globa:   são ações para criar  redes de apoio e solidariedade como plataforma Segura Onda: Juntx Somos mais Fortes

Ao mesmo tempo que a humanidade encontra-se em um   cenário sombrio, de incertezas, de desnorteamento, também este  momento pode ser desafiador e rico de aprendizagens para redesenhar  nossas formas sociais de viver,  conviver e valorizar o estar juntos de mãos dadas para nos fortalecer . O modelo vigente de sociedade, política, produção econômica e certos valores culturais  têm levado a um esgotamento das formas de vida planetária.

Somos reféns de um paradigma social que propaga um viver frenético e  nos faz ser   escravizado  por discursos de  governos e empresas que  só falam em produtividade, redução de direitos, precarização da vida humana – sempre para  enriquecer os de cima e produzir uma partilha desigual do bolo.

Li entrevista do filósofo, jurista e professor   Drº Sílvio Almeida  no canal TV  Tutaméia e ele alerta  que  não adianta resolver agora problema da doença  porque  mais tarde podemos ter nova crise pandêmica  caso nossas estruturas de pensar, gerenciar e organizar a vida  permaneça no mesmo modelo econômico,  socioambiental e cultural dominante atualmente.

O que todos temos que  ter em mente é que crises são momentos para redescobrir e recriar nossos padrões desgastados de produção das relações humana em interação com meio ambiente,   levando em consideração sempre que    VIDAS  DE MULHERES, [email protected], IDOSAS, INDIOS, LGBTS, POBRES, CRIANÇAS E TODAS MAIS IMPORTAM.

POR Herbert Medeiros

Coletivo 086 produz vídeo pelo ORGULHO GAY

O Coletivo 086, movimento piauiense pela luta, voz e visibilidade  LGTQI+, produziu vídeo de celebração pelo Dia Nacional Orgulho Gay (25/03). Lideranças e  ativistas  deram depoimentos ressaltando a importância de ter ORGULHO DE SER QUEM SE É.

Entre as palavras-chaves e frases  destacadas entre os depoimentos estavam: arte, orgulho, criatividade, coragem, amor, liberdade, ativismo, ‘amar e mudar as coisas me interessa mais’, ‘pra mim ser gay é lutar todos os dias para mim sentir confortável comigo mesmo’.

A data representa uma forma de afirmar positivamente o ORGULHO negado e suprimido  ao longo da história  e também um chamado ao enfrentamento da lgbtfobia. Simboliza a capacidade de empoderamento para conquistar  direitos, cidadania e liberdade de amar.

VER O VÍDEO AQUI

 

Campanha #TodosPelaCultura - "Arte existe para que realidade não nos destrua"

Esta crise do Corona Vírus está afetando diretamente inúmeras famílias de artistas. Por isso, tivemos a ideia de lançar a campanha #TodosPelaCultura para financiar a produção de 30 vídeos, que contratará 120 artistas. Assim ajudamos 120 famílias e ainda produzimos conteúdo para quem está na quarentena em casa.

 Objetivo: Arrecadar fundos para dar auxílio financeiro aos nossos artistas do Piauí neste período de crise, por meio da produção de 30 vídeos sobre arte, cultura e o Piauí. Cada vídeo envolverá 4 artistas de áreas diferentes, ou seja 120 artistas ao todo. Para a realização do vídeo, ninguém precisará sair da sua casa, cada artista enviará seu material online.

 Como ajudar?

1. Contribuindo com qualquer quantia pelo catarse: www.catarse.me/todospelacultura

2. Contribuindo com qualquer quantia via transferência bancária (combinar pelo whatsapp 86 99802.6952)

3. Divulgando para quem possa contribuir também

 Dúvidas: whatsapp 86 998026952 (bit.ly/WhatsAppGeleiaTotal)

Realização: Geleia Total, Ap 304 e 1150 produções

Profissionais de Psicologia realizam atendimento on-line voluntário para amenizar aflição em tempos de coronavirus

A pandemia mundial do Coronavirus expande-se de forma vertiginosa e produz impactos de diversas ordens: saúde, econômica, cultural, social e psicológica. Seguindo recomendações da Organização Mundial da Saúde(OMS) e autoridade sanitárias, países adotam medidas de isolamento social para enfrentar o problema de forma radical.  Nestas circunstâncias de confinamento,  reações de cada sujeito pode afetar a saúde mental de pessoas e comunidades.

Para acolher casos de ansiedade, estresse, depressão e outras condições psíquicas em tempos de pandemia, um grupo de 40 psicólogos com diversos estados do Brasil está disponibilizando atendimento on-line voluntário para idosos, profissionais de saúde e público em geral.

A iniciativa visa oportunizar um acolhimento/escuta sensível e humanizada para todos/as cidadãs/ãos nesse cenário mundial de aflição psicossocial.

O projeto Psicólogos de Plantão oferta plantão psicológico que se contitui no acolhimento psicológico com duração de 50 minutos via tecnologias de informação e comunicação (como Skype, WhatsApp, ligação telefônica), seguindo as prerrogativas do Conselho Federal de Psicologia do sigilo das informações daqueles que procuram o serviço. Para solicitar o atendimento, o mesmo deve ser solicitado via direct na rede social instagram  na página @psicologosdeplantao_.

Outros profissionais de psicologia pelo país também estão promovendo   ações  de atendimento virtual solidário.  Mais do que oportuno somar esforços para [email protected] [email protected] atravessar essa realidade e Lembrar  os versos de Beto Guedes: “Vamos precisar de todo mundo/um mais um é sempre mais que dois/para melhor juntar as nossas forças/é só repartir melhor o pão”

Por Herbert Medeiros

Piauí poderá ter cotas raciais em concursos públicos

  • FOTO_PROJ_COTA_2pg.jpg Herbert Medeiros
  • FOTO_PROJ_COTA_1.jpg Herbert Medeiros

O Piauí poderá ter cotas raciais em concursos públicos realizados pelo Poder Executivo. É o que propõe um projeto de lei do Deputado Estadual Limma (PT), acatando  sugestão  do Conselho Estadual de Direitos Humanos.

Segundo a justificativa do Projeto de Lei, a proposta segue as diretrizes da Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010) e tem por objetivo implementar ações afirmativas, no sentido de reduzir as diferenças significativas entre as populações negra e branca, no que se refere aos indicadores sociais no Estado.

Se aprovada, o Piauí se adequa à legislação federal, que desde 2014 já prevê cotas raciais em concursos (LEI Nº 12.990, DE 9 DE JUNHO DE 2014)

Diversos Estados já possuem normas reservando cotas raciais em concurso. Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro foram os precursores, tendo aprovados leis em 2011. Após a aprovação da Lei Federal nº 12.990/2014, vários outros Estados também o fizeram. No Maranhão, por exemplo,  foi aprovada em 2015 a LEI Nº 10.404.

No Piauí, os concursos do Tribunal de Justiça e do Ministério Público já reservam em seus editais 20% das vagas para candidatos negros

Matizes, ativistas sociais e psicólogas/os participam de Bate-papo realizado pelo Conselho Regional de Psicologia (CRP21)

O Grupo Matizes participou de um bate-papo no auditório do Conselho Regional de Psicologia (CRP21) abordando a temática “Como a psicologia acolhe as minorias?”. A atividade é uma realização da Comissão de Direitos Humanos do CRP, presidida por Railan Bruno Pereira da Silva. 

O foco da iniciativa era propiciar uma diálogo plural e horizontal entre segmentos vulneráveis e profissionais da psicologia para refletir sobre a construção de um trabalho mais humanizado, sensível e pautado na ética e nas resoluções 01/1999 e 01/2018. Railan Bruno e Rafael Carvalho mediaram a ação. 

A atividade contou com  a participação da  psicóloga negra  Lorén-Lis Araújo e  psicólogo negro Ícaro Rodolfo para problematizar  as faces do racismo estrutural e suas implicações para a saúde biopsicossocial da população afro-brasileira.

 Também participou da ação o ativista Mateus  Júlio da Silva, da Associação de Homens Trans Masculinos, abordando as vivências e caminhos para a constituição da identidade de gênero e atravessamento nas relações familiares, de trabalho e campo da saúde.

A psicóloga Natalia de Sousa problematizou a visão ainda estereotipada e reducionista de como população percebe as pessoas com deficiências, implicando no desenvolvimento das potencialidades desse público.  Joyce Amorin Gonçalves, psicóloga e pesquisadora acerca das lesbiandades, refletiu como preconceitos e discriminações afetam saúde psicológica de mulheres lésbicas.

O ativista do Matizes, Herbert Medeiros, destacou como as discriminações e violências lgbtfóbicas nos ambientes familiares, escolar e do mercado de trabalho  produzem adoecimentos e negações de direitos para segmento da Diversidade Sexual.

 

Documentário teresinense 'TRANSDOC' traz narrativas e subjetividades de pessoas TRANS

“Gente é muito bom/gente deve ser o bom/tem de se cuidar/de se respeitar o bom/gente quer comer/gente quer ser feliz/ gente é pra  brilhar/não para morrer de fome”.  E como objetivo de  Abrilhantar a vida e narrativa de travestis, transexuais e trangêneros, o  Coletivo Trans 086  está em fase de produção de documentário “TRANSDOC”, idealizado por Grax Medina Gutierrex, Rafael Nunes Santana, Rodrigo Moara Sobieski e Daniel Victor Moura Albano.

De acordo com o grupo, a criação de um registro audiovisual protagonizado e dirigido  por pessoas TRANS traz uma ótica narrativa mais singular e subjetiva [email protected] [email protected], favorecendo adentrar com mais sensibilidade as trajetórias, dores e delícias das/dos sujeitos.

O documentário traz vivências [email protected] protagonistas em suas vidas cotidianas: acesso ao emprego, questionamentos familiares e vida educacional. Serão entrevistadas 15 pessoas TRANS diversas: professora universitária, jornalista, produtor audiovisual, estudantes etc.

O lançamento oficial  está previsto para acontecer na próxima semana (29/01).  

VEJA O TRAILLER DE APRENSENTAÇÃO AQUI

 

Posts anteriores