Cidadeverde.com
Diversidade

Arraiá OcupArthe promove festejos juninos na Frei Serafim

  • OCUPARTE_9.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_8.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_7.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_6.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_5.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_4.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_3.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_2.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_1.jpg Herbert Medeiros

“A fogueira está queimando em homenagem a Soão João/o forró já começou/vamos gente, rapapé, neste salão”. Foi esse o  clima junino  ontem na Avenida Frei Serafim com o arraiá do OcupArthe. Alegrias, cantos, danças, gastronomia e pessoas descoladas animaram a festa.

Entre as atrações dos festejos  também estavam: brincadeiras juninas, bumba meu boi, ciranda, sanfoneiro, Banda Sarminina, Banda Navegantes etc.

O OcupArthe é coletivo Artísitico-cultural de Teresina que ocupa espaços urbanos desde 2014 para irradiar  expressões artísticas  e seus discursos polifônicos pela cidade.

SALIPI debate 50 anos do Levante de Stonewall neste domingo (09)

O grande ativista americano  pelos direitos lgbts, Harvey Milk, destacou a importância de promover condições justas para superar desigualdades. Milk diz: “Todo os jovens, indepedente de orientação sexual e identidade, merece um ambiente seguro e solidário para que possa atingir todo seu potencial”.

A fala do ativista está em sintonia com a luta por direitos, os  valores de solidariedade e senso de justiça vivenciados no bar Stonewaal, Nova York, em 1969. Naquele momento, lgbts resistiram e enfretaram a opressão policial, social e cultural de uma sociedade  lgbtfóbica. Agora em 2019, são 50 anos dessa trajetória permanece vivo e  continua como referencial para  reafirmar o respeito, orgulho e valor da Diversidade Sexual.

E neste sentido, o Salão do Livro do Piauí(SALIPI), traz para a cena do evento o  debate “Afetividades: 50 anos do levante de Stonewall”. A ação acontecerá domingo(09) às 15h no Cine-Teatro da UFPI.

Entre os debatedor@s estarão: Profª Mestra da UFPI,  Letícia Carolina; Roney Rodrigues, blogueiro e ativista do Coletivo Frente Bi; Noé Filho, CEO na Geleia Total; Professora, escritora e jornalista Kelma Gallas.

Por Herbert Medeiros

 

Matizes realiza roda de Conversa sobre "Mulheres e o Cárcere"

  • foto_liberdade_10.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_9.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_8.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_7.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_6.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_5.jpg Marleide Lins
  • foto_liberdade_4.jpg Marleide Lins
  • Foto_liberdade_3jpg.jpg Marleide Lins
  • Foto_liberdade_2jpg.jpg Marleide Lins
  • Foto_liberdade_1.jpg Marleide Lins

O Grupo Matizes realizou neste fim de semana,  no espaço do Esperança Garcia,  duas atividades com organizações da sociedade civil(OSC) e representantes do poder público.  No primeiro momento, participantes dialogaram  sobre a temática “Conversando sobre mulheres e o cárcere”. A ação visava  sensibilizar entidades do movimento social e órgãos público para se somarem à luta pelo desencarceramento. Em seguida, aconteceu reunião com parceir@s para discutir a construção da 15ª Semana do Orgulho de Ser.

Após interações importantes entre organizações sociais e setores das instâncias públicas   como SASC, Defensoria Pública, Secretaria Municipal da Mulher, Secretaria Municipal da Assistência Social), o público elencou alguns encaminhamentos para enfrentar a situação do encarceramento no Piauí. Dentre as proposições estavam:

  • Realização de uma audiência pública na ALEPI para discutir sobre processo de aprisionamento em massa;
  • Reivindicar junto à Secretaria de Justiça o retorno das aulas de teatro (e outras expressões artísticas) dentro do sistema prisional;
  • Dialogar com SESAPI e Fundação Municipal de Saúde a fim de que fique bem nítida a responsabilidade de cada um desses  órgãos com ações de saúde no sistema prisional;
  •  

A reunião   para construção da Semana do Orgulho de Ser contou com ativistas do segmento Trans e  de outras diversidades. Matizes contextualizou sobre o formato descentralizado do evento  e autonomia d@s parceir@s para produzir ações. Também destacou que conjunto das ações da Semana busca pautar: acesso aos Direitos, combate a lgbtfobia, empoderamento dos ativistas lgbts, capacitação de servidor@s públicos, promoção de iniciativas artísticas-culturais.

O caldeirão multicultural da  15 Semana do Orgulho de Ser acontecerá de 25 a 31 de agosto em diversos espaços de Teresina.

 

Matizes e Associação de Travesti participam de palestra para Curso de Formação de Sargentos

  • PALESTRAS_PM_1.jpg
  • PALESTRA_PM_5.jpg
  • PALESTRA_PM_4.jpg
  • PALESTRA_PM_3.jpg
  • PALESTRA_PM_2.jpg

O Grupo Matizes e a Associação de Travestis do Piauí – ATRAPI participaram ontem (15) do ciclo de palestras para os alunos do Curso de Formação de Sargentos PM/PI. O evento aconteceu no Cine Teatro da Assembleia e contou com a presença do Comandante Geral da PM/PI, Cel. Lindomar Castilho, na solenidade de abertura.

Em sua fala, o Comandante ressaltou a importância da formação continuada na vida profissional dos policiais militares: “A cada turma que a Polícia Militar vai formando, vamos inovando e preparando para a modernidade. Esse curso de formação para Sargentos será diferencial na vida funcional de cada um e da Polícia Militar”, destacou o Cel. Lindomar Castilho.

Além do Comandante Geral, estiveram presentes na solenidade de abertura o Diretor de Ensino, Instrução e Pesquisa (DEIP), Cel. Silva Ramos, o Assistente Militar do Comando-Geral da PMPI e Diretor do Centro de Educação Profissional, Tenente-Coronel Sá Júnior, e demais oficiais e alunos do Curso de Formação de Sargentos.

Coordenadora do Matizes e Presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Marinalva Santana, foi a primeira palestrante do dia, dialogando com os policiais presentes sobre especificidades das pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) e também destacou aspectos importantes a serem considerados em procedimentos policiais direcionados aos grupos de pessoas que se encontram com maior vulnerabilidade a violações de direitos, especialmente os LGBT.

“O que defendemos aqui é que a abordagem policial seja respeitosa, sem truculência. As convicções religiosas e/ou os preconceitos do PM não podem servir de salvo-conduto para que esse agente de segurança se afaste dos imperativos legais, que obriga a todo servidor público agir com urbanidade e respeito no desempenho de seu mister. Para a Polícia Militar fazer jus a seu lema, de ser a guardiã da sociedade, é preciso, primeiro, que ela seja guardiã das liberdades individuais, pontuou Marinalva.

Tese estuda homoafetividades na obra 'Stella Manhattam' e 'Onde andará Dulce Veiga?'

“A arte não é e nem pode ser norma, é energia desperdiçada mesmo, é alguma coisa, uma ação por exemplo(...) que a energia humana produz num rompante e que transborda num vômito pelo mundo do trabalho, pelo universo do útil, com a audácia e inépcia de alguém que, ao despejar leite numa xícara para se alimentar de manhã, deixa que a maior parte do líquido se desperdice pela mesa”

O   fragmento acima do romance de Silvanto Santiago e os versos de Caetano Veloso ‘Gosto de ser e de estar/e quero me dedicar/ a criar uma confusão de prosódia/e uma profusão de paródia/que encurtem dores/e furtem cores como camaleão” instigam a saborear as ambivalências e sinuosidades da existência fora dos enquadramentos reducionistas.

 Neste sentido, a pesquisa de doutorado  de Cyro Roberto de Melo Nascimento é também um convite provocativo   para refletir sobre  as  homossociabilidades   no discurso artístico-literário como transbordamento e atravessamento de fronteiras  do ‘universo do útil’, da norma redentora e da vida linear e codificada heterocentrada.

A tese defendida nesta sexta(10) na Universidade Federal do Rio Grande no Norte/UFRN  tem como titulo:  “Stella Manhattan de Silvano Santiago e Onde andará Dulce Veiga? De Caio Fernando Abreu: dois romances homotextuais brasileiros”. O estudo aborda, a partir das narrativas em questão, o surgimento de sujeitos e sexualidades protagonizando   suas histórias no contexto brasileiro dos anos 60 e 70, reconfigurando práticas e discursos socioculturais sobre homoafetividades.

A tese  tematiza  como processos históricos constroem distintas visões sobre pessoas homoafetivas e também reflete a cerca do conceito de ‘entre-lugar’. A noção de identidade também é problematiza para além dos ditames da ordem natural das coisas

Matizes e entidade paulista OSC Legal realizam ação para debater Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

  • FOTO_OSC_LEGAL.jpg Herbert Medeiros
  • OSC_LEGAL_57.jpg Herbert Medeiros
  • OSC_LEGAL_4.jpg Herbert Medeiros
  • OSC_LEGAL_3.jpg Herbert Medeiros
  • OSC_LEGAL_2jpg.jpg Herbert Medeiros
  • OSC_LEGAL_1.jpg Herbert Medeiros

A  entidade paulista OSC Legal e o o Grupo Matizes realizaram nessa sexta (10) a Roda de Conversa “Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil e Promoção da Saúde”. A atividade foi coordenada pelo advogado Lucas Seara, mestre em Desenvolvimento e Gestão Social pela UFBA.

O Facilitador tem experiência em organizamos internacionais (PNUD, UNESCO e OPAS/OMS e na gestão pública), tendo atuado no Ministério da Saúde e na Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Durante manhã e tarde, o facilitador apresentou ao público aspectos mais   relevantes do novo marco jurídico trazido pela Lei nº 13.019/2014. Participantes interagiram com palestrante para sanar dúvidas e  receber orientações a cerca dos assuntos debatidos. Entre algumas das  organizações presentes estavam: MP3, CRIA, REAPI, Associação Terapêutica Nova Criatura, Associação Fraternidade, Conselho Estadual de Direitos Humanos etc.

Lucas Seara manifestou entusiasmo em retornar a Teresina e poder realizar parceira com Matizes. Também demonstrou satisfação   em socializar   conhecimentos e vivências   com organizações  bem como ter oportunidade de  oferecer  assessoramento jurídico para entidades   elaborarem ou revisarem estatutos e documentos institucionais.

Marinalva Santana, Coordenadora do Matizes, ressalta a importância do evento para os movimentos sociais trocarem experiência entre si, fortalecendo assim as redes de atuação em defesa de direitos existentes em Teresina: “A conjuntura atual é bastante adversa para nós da sociedade civil organizada, vez que a extrema direita governa o País. Por isso, é importante tecer laços de solidariedade e de enfrentamento ao retrocesso que está posto”, pontua Marinalva.

 

SOBRE A ATIVIDADE:

Roda de Conversa “Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil e Promoção da Saúde”

Objetivo: fomentar a discussão sobre os novos marcos legais que regulamentam as parcerias entre a Administração Pública e as Organizações da Sociedade Civil, com base na Lei nº 13.019/2014 e sua regulamentação. Problematizar a prática institucional das organizações e o papel dos atores jurídicos a partir do novo referencial político normativo.

Público: Dirigentes e corpo técnico de OSC; gestores públicos; estudantes; atores jurídicos; contabilistas e assistentes sociais.

Metodologia: Exposição dialogada, onde o expositor vai apresentando os temas, permeando com ampla participação dos presentes

Programação:

O novo ambiente político normativo trazido pela Lei nº 13.019/2014 e sua regulamentação, a partir de questões como:

• Novos conceitos, instrumentos e princípios

• Panorama da regulamentação local

• Regime de Parceria: Termos de Colaboração, Termos de Fomento e Acordos de Cooperação; Convênios e Contratos;

• Gestão Social: estatutos, novas exigências

• Questões tributárias

• Captação de Recursos

• Prestação de Contas

• Seleção Pública de Projetos

• Planos de Trabalho

 

 

Lançamento dos livros 'A bacia de Proust' e 'Uma questão de jeito' -Livraria Anchieta

As peças que se encontram reunidas nesta proposta de publicação lidam com temas bastante contemporâneos e que causam muito debate em torno de algumas questões tabus e que dialogam com a pós-modernidade.

Na coletânea, estão textos que já foram encenados A BACIA DE PROUST, premiado com o Troféu em cena 2018: melhor texto; ENTREGA PARA JEZEBEL: contemplado com o PROAC-SP, entre outros que já foram lidos (Leituras dramáticas) em cidades como São Paulo, Brasília, Goiânia e Teresina.

A peça A BACIA DE PROUST é um solo dramático de um homossexual que precisa realizar banhos de assento para curar suas feridas emocionais. Este ritual o coloca em constante questionamento e rememoração de suas atitudes passadas e o envolvimento que tem com um cara que o visita regularmente. Os banhos se tornam uma constante em sua vida e estes momentos de preparação do banho promovem profundo questionamento de sua sexualidade; suas angústias e seu passado lúdico.

A peça ENTREGA PARA JEZEBEL tem como protagonista travesti que enfrenta todos os problemas da sociedade e da cidade que a engole viva. Ainda por cima, cuida de Eduardo, menino abandonado pela melhor amiga, cuja tutoria fica ao cargo de Jezebel. Os conflitos desta travesti que ora se vê nas ruas, ora se vê nas funções da maternidade são o leitmotiv desta peça que foi criada para a empregabilidade de artistas trans no cenário teatral local.

A peça O CADERNO VERMELHO DE ATOS IMPUROS trata de uma história de um duplo (com leva inspiração na vida de Pasolinni). O diálogo é travado entre aquele que seria Pasolini e o outro o seu último amante e algoz. A peça se estrutura numa ação dinâmica e psicológica, tentando enveredar pelo caminho dos amantes e sua trágica história.

A peça ONDE ESTÁ A REVOLUÇÃO é uma sátira ao estado acirrado de opiniões sobre a questão das ideologias e crenças políticas. Está para um pastiche da obra de Beckett, Esperando Godot, na qual dois malucos tentam criar uma revolução dos comportamentos.

A peça DOROTHY tematiza a questão do estupro de vulnerável, um monólogo forte e visceral sobre a vida de uma mulher que viveu este drama

Fonte: ASCOM

Espetáculo "Quem tem medo de travesti" se apresentará no Teatro 4 de Setembro

Os versos de Mário de Sá Carneiro lançam uma provocativa reflexão sobre o ser  e suas multifaces: “Eu não sou eu/Nem sou o outro/Sou qualquer coisa de intermédio”.  E é no sentido de também instigar pensamentos, sensações e percepções sobre a polifonia humana no universo das  travestilidades que a peça “Quem tem medo de Travesti” irá se apresentar no Teatro 4 de Setembro nos dia 10 e 11/05 às 20h. O espetáculo é uma realização do Coletivo Artístico As Travestidas e Quintal Produção Artísticas* com apoio do Itaú Cultural.

A partir do projeto ‘Travestis Itinerantes’, selecionado pelo edital Rumos Itaú, o coletivo Travestidas levará oficinas, performances e espetáculos pelo Norte e Nordeste. Teresina será primeira capital a receber o projeto. A  direção da peça é de Jezebel De Carli e Silvero Pereira.

Travestidas está na estrada há mais de 10 anos e é  constituído por  atores, atrizes, transformistas, cantorxs, performers, videomakers, DJS, maquiadorxs, cabelereirxs e figurinistas.

*Quintal Produção Artística

Desde 2008 ocupando a cena cultural e irradiando  a arte teatral,  dança e provocações filosóficas pelo país, a Quintal Produções realiza pesquisas sobre as linguagens  com o propósito de produzir  trabalhos artísticos pautados na excelência estética.

Entre as parcerias com companhias e artista destacam-se: Companhia Brasileira de Teatro, Coletivo as Travestidas, Teatro de Extremos, Sutil Companhia de Teatro, Marcia Rubim Cia de Dança, Grupo Ponto de Partida, Coletivo Irmão Guimarães, Grupo Bagaceira de Teatro etc.

 

Por Herbert Medeiros

Posts anteriores