Cidadeverde.com

Polícia realiza operação contra o tráfico de drogas no litoral e prende 5 pessoas

Foto: Polícia Civil

A Delegacia de Combate ao Tráfico de Drogas e Latrocínio de Parnaíba - DHTL realizou uma operação no litoral nesta quinta-feira (8), que resultou na prisão de cinco pessoas suspeitas de tráfico de drogas. Os trabalhos tiveram o apoio de policiais da Delegacia de Luís Correia e Delegacia de Combate aos Crimes contra o Patrimônio. 

A operação foi resultado de investigações da Polícia Civil que constantemente vem monitorando pontos de vendas de droga em toda a extensão do litoral piauiense, bem como pessoas envolvidas com os referidos crimes. 

Segundo a polícia, foram presos Edilson José Siqueira da Silva, Ernésio Rodrigues Araújo, Denis da Silva Araújo, José Luís Pereira dos Santos e Rony Célio Freitas Veras. Todos foram autuados pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, posse de arma de fogo e munições de uso permitido e maus tratos contra animais. 

Durante a operação, de acordo com informações da  Polícia Civil, foram apreendidos fragmentos de substância análoga à maconha, mais de R$ 25.000, 00 em dinheiro que estavam escondidos em pequenos montes em vários locais da residência, inclusive em um compartimento secreto no fundo de um fogão, um revólver calibre 38, contendo 7 munições, além de vários galos utilizados para rinha. 

Hérlon Moraes (Com informações da PC)
redacao@cidadeverde.com

Ibama do Piauí aguarda perícia de pacotes encontrados no litoral

  • pacotes1.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes2.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes3.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes4.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes5.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta

Novos pacotes de origem desconhecida foram encontrados no litoral piauiense, aumentando para 42 pacotes.  O chefe da divisão técnico-ambiental do Ibama no Piauí, Rômulo Pedrosa, informou que a unidade aguarda o resultado das analises feitas pelo Ibama e a Polícia Federal em Alagoas.

Pedrosa explicou que o Piauí aguardará essa analise porque os primeiros pacotes surgiram em Alagoas e já existe uma investigação sobre o caso. 

No Piauí, os pacotes foram encontrados espalhados pelas praias de Atalaia, Peito de Moça e Pedra do Sal.

Pedrosa pede que as pessoas ao localizarem alguns pacote, objeto e material estranho entre em contato com os órgãos competentes para fazer a remoção.

"A gente trabalha com o princípio da precaução. Pedimos que as pessoas não toquem, não removam do local. Acionem os órgãos competentes. O resíduo descartado não foi descoberto. Se identificado a autoria (desse despejo), se for por omissão, poderá pagar multa de R$ 50 milhões. A detenção é de seis anos. O material está sendo recolhido e guardado", disse o diretor em entrevista ao Jornal do Piauí, nesta terça-feira (30). 

Ele alerta que como a origem do material é desconhecida, o produto poderá apresentar algum risco aos humanos, bem como a fauna e a flora. Por isso, é preciso o correto manuseio.

As primeiras informações são a de que o produto seria uma borracha natural, utilizada na fabricação de pneus, mas é preciso aguardar o resultado final da investigação.

O material encontrado no litoral piauiense está na sede do Ibama em Parnaíba e será transferido para a Coordenação Geral do órgão, em Teresina, para o correto descarte após identificação.

A Capitania dos Portos em Parnaíba informou que até o momento não há informações sobre naufrágio. 

O Instituto Delta Tartarugas do Delta divulgou o  número (86) 99968 0197 para orientação e recolhimento do mateiral.

 


Fotos: Instituto Tartarugas do Delta/ Reprodução 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com

Chega a 33 o número de pacotes misteriosos trazidos até as praias do Piauí

  • pacotes1.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes2.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes3.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes4.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta
  • pacotes5.jpg Divulgação / Instituto Tartarugas do Delta

Uma grande quantidade de pacotes misteriosos continuam a ser trazidos pelo mar até o litoral do Piauí. Até a tarde desta segunda-feira (29) foram contabilizados 33 pacotes recolhidos das praias de Luís Correia e Parnaíba município a 318 km de Teresina. Já foram encontrados pacotes nas praias de Peito de Moça e Atalaia e na manhã de hoje apareceram os primeiros na praia da Pedra do Sal em Parnaíba. Cada pacote chega a pesar mais de 100 kg e precisam ser recolhidos com ajuda de veículos.

"Os pacotes continuam a chegar a praia e a prefeitura de Luís Correia está fazendo o recolhimento para que sejam encaminhados ao Ibama para uma análise mais detalhada. Ao encontrarmos os primeiros já notificamos os responsáveis para que façam a remoção e pedimos a população que registrem ocorrência caso novos sejam encontrados", explica a biologa Werlanne Magalhães, vice presidente do Instituto Tartarugas do Delta.

Pelo menos outros três Estados já registraram o aparecimento de pacotes semelhantes. Em Alagoas até o último sábado, 74 já haviam sido contabilizados pelo Ibama, outros três foram encontrados na Paraíba e mais dois em Pernambuco. Há registro de pacotes semelhantes encontrados também em Portugal.

Os pacotes começaram a aparecer no litoral piauiense no último final de semana. Pesquisadores do Instituto Tartarugas do Delta acionaram a prefeitura de Luís Correia, Chefe da APA Delta do Parnaíba, Companhia Independente de Policiamento Turístico (Ciptur) e técnicos do Ibama para comunicar sobre a ocorrência e solicitar orientações. O recolhimento está sendo feito pela prefeitura e os pacotes estão sendo armazenados até serem transferidos para a sede do Ibama em Parnaíba.

Exames laboratoriais feitos por biólogos do Instituto do Meio Ambiente (IMA) em Alagoas, constataram que os pacotes são feitos de polímero, um material sintético feito a partir de derivados do petróleo. O material não oferece risco direto aos humanos, mas causa dano irreparável ao meio-ambiente e aos animais podem até ingerir o produto.

O Ibama no Piauí informou ao Cidadeverde.com que as peças encaminhadas por outros estados à Polícia Federal serão periciadas e conforme o resultado seguirão para a área do Ibama Brasília de emergências ambientais. As peças levadas até o Ibama em Parnaíba permanecerão lá até que o laudo da Polícia Federal de Alagoas seja emitido.

O capitão dos Portos do Piauí Benjamim Dante, informou que Capitania dos Portos foi comunicada do caso, mas não há nenhum registro de acidente que possa ter provocado o aparecimento dos pacotes.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

MPT poderá entrar com ação judicial caso lixão de Luís Correia permaneça aberto

  • lixao_1.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_3.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_5.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_6.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_7.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_8.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_9.jpg Divulgação / MPT-PI

O procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT), Eno Moura, afirmou que o município de Luís Correia possui o prazo de 15 dias para regularizar a situação de um lixão a céu aberto, que servia de moradia para algumas famílias. Caso a situação persista, Moura declarou ser possível abrir uma ação judicial contra o município. 

Durante fiscalização no local, que fica a 500 metros da praia de Atalaia, o órgão constatou que não há controle de acesso e ainda que uma residência foi construída no terreno. "Já existe um ação judicial do Ministério Público Federal tratando do meio ambiente e esse lixão do Luís Correia, sobretudo com relação aos danos ambientais que esse depósito de lixo tem causado ao meio ambiente e a imagem ao município de Luís Correia". 

Dentro de 15 dias, o município de Luís Correia deverá apresentar um cronograma resolver o problema. O MPT irá analisar os dados e determinar a possibilidade de ser executado, juntamente com os prazos apresentados.  

"Nós encontramos pessoas morando dentro do lixão, e crianças que (moravam) e trabalhavam no local desde os sete anos e que não estudavam, e outras crianças que eram levadas para trabalhar lá. Isso tudo porque o ambiente era propício: o lixão era a céu aberto, sem controle de acesso, com muitos animais, que não há o aterramento do material em uma área muito próximo a praia e a cidade", disse o procurador em entrevista ao Jornal do Piauí, nesta quinta-feira (25).

Os produtos depositados no lixão não passavam por nenhum tipo de tratamento. "Era um lixão à moda antiga, que pensávamos já ter eliminado com a Política de Resíduos Sólidos, que é de 2010 e tinha o prazo de 2014 para que os lixões fossem regularizados, fechados, e criados aterros sanitários", acrescentou o procurador. 

O local era um lixão a céu aberto, sem controle de acesso e com condições sub-humanas de trabalho e com a presença de crianças. 

O procurador relatou que o município já foi notificado.  Dentre as  medidas estabelecidas pelo Ministério Público do Trabalho está o controle de entrada no espaço e a criação de um aterro sanitário.  

"O município foi notificado para que faça o cercamento do local, colocar uma pessoa para fazer o controle de acesso, evitando que pessoas não autorizadas ou animais entrem no local".

Sobre a família encontrada morando no lixão, o procurador disse que o município deverá prestar assistência moradia adequada e depois destruir as casas para que outras pessoas não habitem, além de fazer o controle dos catadores de material reciclável para o uso de equipamento individual de segurança.

As famílias deverão passar por orientação.  O Estado deverá adotar medidas de proteção às crianças. 

Do ponto de vista ambiental, o procurador alertou que toda a região está comprometida. "O material (do lixão) tem potencial de prejudicar o lençol freático, afetar a praia, e o mar. É necessário a retirada desse lixão do local. Ainda não temos laudos que comprovam isso, mas com certeza o meio ambiente da região está afetado".  

Em reportagem publicada ontem (24) no Cidadeverde.com, o prefeito de Luís Correia, Francisco Araújo, conhecido como Kim do Carangueijo, afirmou que das quatro famílias encontradas apenas uma morava no local. O prefeito disse ainda que irá providenciar ainda em novembro o isolamento do lixão e o início da construção do aterro conforme pedido do MInistério Público do Trabalho.

"Vamos providenciar esse isolamento e acredito que agora no mês de novembro vamos licitar a compra de arame e madeira para cercar. A família que está lá é de Parnaíba e já saiu do local. Vamos colocar vigia lá para que as pessoas não voltem e se for comprovado que a família não tem moradia em Parnaíba, vamos providenciar uma casa", declarou o prefeito.

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com

Procurador flagra crianças trabalhando e remove quatro família de lixão

  • lixao_1.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_3.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_5.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_6.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_7.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_8.jpg Divulgação / MPT-PI
  • lixao_9.jpg Divulgação / MPT-PI

Quatro famílias foram retiradas do lixão de Luís Correia, após serem flagradas em condições insalubres pelo Ministério Público do Trabalho.  Durante fiscalização no local, que fica a 500 metros da praia de Atalaia, o órgão constatou que não há controle de acesso e ainda que uma residência foi construída no terreno. Segundo o MPT cinco crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos anos foram flagrados trabalhando na catação de lixo. Uma adolescente de 15 anos afirmou que auxilia os pais nessa atividade desde os 7. No total, mais de 20 pessoas foram identificadas trabalhando no local.

"Os lixões já deveriam ter sido, pelo menos, convertidos em aterros controlados. Esse local é completamente aberto e o município apenas recolhe os resíduos nas ruas e os despeja lá. Não há preocupação ambiental ou com as pessoas que tiram o seu sustento desse lugar. Um descaso do poder público com um tema que deveria ser prioritário para qualquer município: a questão da acomodação dos resíduos produzidos pela sociedade”, critica o procurador do Trabalho Eno Moura, que coordena as ações do MPT intinerante.

O órgão acionou a prefeitura que deverá localizar um espaço para construir um aterro sanitário e isolar o local, uma vez que são necessárias uma análise do lugar escolhido e uma licença ambiental.  Enquanto o aterro sanitário não for construído, o município deverá apresentar um cronograma para executar as seguintes medidas: cercar o lixão e controlar o acesso de pessoas; encontrar uma nova residência para a família que mora no lugar; destruir a casa fincada no terreno; não permitir que habitações sejam construídas no terreno; fornecer equipamentos de proteção individual (EPIs) para os catadores e restringir o acesso ao lugar. Além disso, em hipótese alguma, deverá ser permitido o acesso de crianças e adolescentes ao lixão.

Em contato com o Cidadeverde.com, o prefeito de Luís Correia, Francisco Araújo, conhecido como Kim do Carangueijo, afirmou que das quatro famílias encontradas apenas uma morava no local. O prefeito disse ainda que irá providenciar ainda em novembro o isolamento do lixão e o início da construção do aterro conforme pedido do MInistério Público do Trabalho.

"Vamos providenciar esse isolamento e acredito que agora no mês de novembro vamos licitar a compra de arame e madeira para cercar. A família que está lá é de Parnaíba e já saiu do local. Vamos colocar vigia lá para que as pessoas não voltem e se for comprovado que a família não tem moradia em Parnaíba, vamos providenciar uma casa", declarou o prefeito.

Raiz do problema

Desde outubro de 2016, o MPT no Piauí registrou 14 procedimentos envolvendo trabalho infantil e adolescente na catação de lixo. Para o procurador, este é um problema relacionado à mentalidade da população. “A catação de lixo sempre foi comum no estado do Piauí, que nunca prezou muito pelo combate ao trabalho infantil. Temos uma população com mentalidade adoecida, que acha que isso é solução para alguns problemas da sociedade. Os mais pobres teriam uma fonte de renda para ajudar a família e acreditam que, desta forma, estão preparando crianças e adolescentes para uma profissão no futuro”, explica Edno Moura. Entretanto, eles são superexplorados, uma vez que crianças e adolescentes costumam executar atividades que os adultos não querem realizar e ainda recebem menos por isso.

“Já os mais ricos acham que, se a criança trabalha, isso evita que sejam assaltados, roubados, estuprados ou mortos por essas pessoas que, em tese, seriam potenciais marginais por serem pobres. É uma visão egoísta e essa cumplicidade da sociedade doente gera o trabalho infanto-juvenil no Piauí”, ele declara. Este raciocínio, segundo o procurador, é difícil de modificar, uma vez que são conceitos enraizados. “As pessoas não conseguem ver que a comunidade é formada por capital humano, que é dever de todos preservar e lapidar o indivíduo enquanto criança para que ele possa adentrar o mundo do trabalho no momento correto, quando conseguirá contribuir efetivamente para a sociedade”, finaliza. 

Rayldo Pereira
Com informações do MPT
rayldopereira@cidadeverde.com

CRO fecha 4 consultórios e notifica outros 7 em Luís Correia

  • ubs_(1).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(7).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(2).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(3).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(4).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(5).jpg Divulgação / CRO
  • ubs_(6).jpg Divulgação / CRO

O Conselho Regional de Odontologia interditou quatro consultórios odontológicos durante fiscalização em Luís Correia, município a 338 km de Teresina. Durante as vistorias foram suspensas as atividades nas UBS Campestre, Curral Velho, Baixa do Carpino e Cearáznho. 

Os atendimentos só podem ser retomados após uma nova vistoria conforme orientações do conselho. Nos locais foram flagradas lixeiras inapropriadas, falta de limpeza, móveis enferrujados e esterelização incorreta de equipamentos usados nos atendimentos.

Foram encontradas irregularidades em consultórios odontológicos de 11 Unidades Básicas de Saúde e no Centro Especializado de Odontologia (CEO).

As demais unidades de saúde com irregularidades foram notificadas e receberam um prazo de 30 dias para realizar as adequações. Os municípios que não cumprirem estas adequações poderão responder processo ético perante o CRO/PI, de acordo com as normas do Código de Ética Odontológico.

Rayldo Pereira
Com informações CRO
rayldopereira@cidadeverde.com

Capitão da PM, pai de major assassinado, morre afogado em praia do Piauí

O capitão reformado da Polícia Militar Antônio de Oliveira Soares, de 74 anos morreu afogado enquanto tomava banho na praia do Arrombado em Luís Correia, município a 338 km de Teresina. O capitão é pai do coronel Iran Moura, comandante do 5º Batalhão de Polícia Militar de Teresina e do major Mayron Moura, assassinado a tiros durante um assalto no bairro Dirceu no dia 21 de março de 2017.

Em contato com o Cidadeverde.com, o coronerl Iran, que está no litoral com toda a família, afirmou que todos se reuniram para um fim de semana na praia e foram surpreendidos com a fatalidade. "No momento do afogamento n´so socorremos ele, tiramos ele do mas, mas ele acabou não resistindo. Conversando com o médico foi concluído que a causa da morte foi o afogamento", explicou o coronel Iran Moura.

Bastante abalado, o coronel afirmou ainda que aguarda a liberação do corpo do pai no IML de Parnaíba. Em seguida, ele será transportado para Valença onde será velado durante todo este domingo (14) na residência da família. O enterro está marcado para as 17h no cemitério do município. O pai será enterrado no mesmo túmulo do filho, major Mayron Moura.

O capitão Antônio Soares foi comandante da 2ª companhia, vinculada ao 4º Batalhão da Polícia Militar de Picos. Em nota publicada no Facebook, a Polícia Militar de Valença lamenta a morte do capitão e afirmou que ele deixa um legado de disciplina, honradez e comprometimento com a instituição.

Veja a publicação:

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Usuário de drogas é morto a facadas no litoral do Piauí

Nesta segunda-feira (8) um homem conhecido apenas como “Magrão” foi assassinado a facadas no bairro Beira Mar, na cidade de Luís Correia, litoral piauiense.

De acordo com informações de testemunhas, o crime teria ocorrido por volta de 17h e pode ter sido motivado por conta do seu envolvimento com o uso de drogas, já que a vítima era usuária.

O Instituto Médico Legal fez o recolhimento do corpo que estava em cima das pedras do quebra-mar, no bairro Beira Mar. A Polícia Civil faz investigações no sentido de localizar e prender o autor do homicídio.

*Com informações Jornal da Parnaíba

Motociclista morre em grave acidente na BR-402 em Luís Correia

Um motociclista identificado por Carlos Caetano da Silva, morreu por volta das 15h30 deste domingo (30) no KM 68 da BR 402 próximo a entrada do Povoado Brandão em Luís Correia.

O motociclista conduzia uma motocicleta modelo Yamaha/YBR 125 de cor vermelha, placa OUC 9139, Parnaíba – PI, sentido Camurupim/Parnaíba, quando perdeu o controle da direção em uma curva e colidiu em duas placas de sinalização, vindo a derrapar e tendo morte imediata.

A Polícia Militar esteve no local para fazer o isolamento da área até a chegada da equipe da Policia Rodoviária Federal (PRF), que fez o levantamento do acidente.

Após a pericia foi constatado que o motociclista não portava nenhum documento, o que dificultou na identificação, o corpo foi encaminhado ao Posto Avançado do IML em Parnaíba, onde deve ser liberado para sepultamento após a identificação pelos familiares.

“Ele seguia em direção a Parnaíba quando saiu da pista na curva. Ainda não podemos afirmar os motivos que o fizeram perder o controle da moto. O certo é que ele ainda chegou a colidir em duas placas de sinalização e caiu a alguns metros provavelmente já sem vida”, informou o inspetor da PRF, Fábio Maia.

O local do acidente foi periciado por uma equipe do Instituto de Criminalística da Polícia Civil. Carlos Caetano era bastante conhecido na região do Hospital Estadual Dirceu Arcoverde, onde trabalhava como mototáxista.

*Com informações portal do catita

Voluntários realizam limpeza de praias e alertam para descarte incorreto de lixo

Em comemoração ao dia mundial de limpeza de praia (15/09) o Instituto Tartarugas do Delta através do projeto Rotas da Conservação, participou de uma limpeza em parceria com alunos de uma faculdade e de funcionários de uma pousada percorrendo os trechos de praia do Arrombado (PI). Ao todo foram coletados 65 sacos de 100 litros, na praia do Arrombado em Luís Correia, PI.

"Durante a atividade os participantes puderam experimentar novas vivências com relação ao meio ambiente e a reflexão sobre o lixo descartado de forma inadequada, a quantidade de garrafas Pet e demais plásticos encontrados na praia o que gerou incômodo. Principalmente pelo fato de sabermos, que o litoral piauiense é um berçário de tartarugas marinhas" relatou Werlanne Magalhães, coordenadora do Projeto Rotas da Conservação.

Com o objetivo de uma melhor compreensão sobre a cadeia produtiva do lixo e o papel do homem no processo de gerenciamento de resíduos sólidos foi realizada uma roda de conversa. A pratica dos 3’R (reduzir, reutilizar e reciclar), assim como a coleta seletiva,  destinando os resíduos para pessoas (grupos)  que trabalham com a comercialização do “lixo” foram abordados, além da saúde ambiental,  que gera qualidade de vida.

O material coletado na limpeza foi encaminhado para o grupo de catadores de materiais recicláveis que trabalham no lixão do município de Luís Correia. Atualmente 18 famílias vivem da comercialização do lixo no município. 

No próximo dia 22 será  realizado limpeza na praia do Pontal, município de Ilha Grande, PI e no dia 29 na praia do Coqueiro, Luís Correia. As praias do litoral piauiense fazem parte do Território da região da  APA Delta do Parnaíba, uma Unidade de conservação Federal de uso sustentável.


cidades@cidadeverde.com

Posts anteriores