Cidadeverde.com

Irão os robôs substituir os professores no futuro?

* Por Maurício Garcia

Se fizermos hoje uma busca no Google por "Haley Joel Osment", vai aparecer um rapaz de barba, com 29 anos. Bem diferente da criança que estrelou o filme "Inteligência Artificial", de Spielberg, ao lado de Jude Law. Mas isso foi em 2001, Osment tinha apenas 13 anos. Ele já tinha feito sucesso 3 anos antes, no thriller "Sexto Sentido", ao lado de Bruce Willis. Naquela época, final dos anos 90, o mundo estava fervilhando. A Guerra Fria havia terminado e as novidades pipocavam por todo lado. A internet começava a se popularizar e todos já pressentiam as enormes transformações que estavam por vir. 

Mas, de certa forma, elas não vieram. A primeira década dos anos 2000 foram problemáticas. O ataque às Torres Gêmeas, as crises econômicas americana e europeia, e a redução do ritmo de crescimento da China colocaram em cheque aquilo que parecia ser a "nova ordem mundial", iniciada a partir da queda do Muro de Berlim. O terrorismo se acentuou, os cartéis de narcotráfico se sofisticaram e os cyber ataques passaram a ser uma nova ameaça, dando origem aquilo que Thomas Friedman, em seu recente livro chamado "Obrigado Pelo Atraso", chamou de "mundo da desordem". A Primavera Árabe e os movimentos como Occupy Wall Street fecharam a década, deixando claro que a tal "nova ordem mundial" ainda não tinha chegado para todos.

Então, de repente, tudo mudou novamente. De um ano para cá, um novo assunto passou a ocupar importante espaço na pauta da sociedade: os robôs e as máquinas inteligentes. Ou seja, foram necessários 16 anos desde a visão de Spielberg em seu filme, para que a inteligência artificial voltasse a ser tema de debates, reportagens e pesquisas. Uma importante razão para o fato foi o crescimento da capacidade de processamento dos computadores. Quando Osment tinha seus 13 anos em 2001, os computadores pessoais mais potentes tinham 32 Mb de memória, ou seja, cerca de 1000 vezes menor que os 32 Gb atuais. Em outras palavras, a grosso modo, a capacidade de processamento dos computadores de hoje é mil vezes mais potente. Essa nova capacidade permitiu fazer coisas que seriam impossíveis naquela época, dando origem a tecnologias como big data, machine leaning, deep learning, entre outras.

Com essas novas tecnologias, a internet começou a ficar inteligente. As buscas passaram a considerar as preferências do usuário, retornando resultados diferentes, conforme quem busca. As recomendações de compras, filmes, livros, etc., começaram a pular em todo lugar, dependendo dos hábitos e interesses das pessoas. Então vieram os chamados "chatbots", sistemas que permitem ao usuário ser atendido por um mecanismo virtual através de um chat (bate-papo). Ainda são limitados esses chatbots, mas certamente vão evoluir. Quem não lembra dos primeiros mecanismos de tradução? Eram bem toscos, mas hoje existem aplicativos que já traduzem em tempo real conforme as pessoas falam. Não é muito promissor, a médio prazo, o mercado de trabalho para quem trabalha com tradução simultânea.

Não demorou muito para que as pessoas passassem a se perguntar: o que vai acontecer com o meu emprego? Atualmente, quase todo dia sai publicada uma matéria sobre o tema, falando das profissões que estão em risco e de quais estarão mais protegidas. O mesmo vale para a carreira de professor. A pergunta, então, é: o que será da carreira de professor no futuro? A análise do Google Trends mostra que as buscas por inteligência artificial na área de educação simplesmente triplicaram em um ano, em todo o mundo. Apenas no último mês, centenas de artigos foram escritos sobre o tema. Para alguns, como Anthony Seldon, da Universidade de Buckingham, substancial parte do processo educacional será feito por robôs em dez anos. O mesmo vem sendo afirmado em outras partes do mundo, tal como pode ser encontrado com Kibo, o robô criado em Singapura e que vem sendo usado com crianças.

É muito difícil prever com exatidão se robôs, de fato, vão substituir professores. Todavia, esse cenário nos remete às seguintes perguntas: Que tipo de educação praticamos hoje? Quão básicas e previsíveis são nossas metodologias educacionais a ponto de serem possíveis de serem implementadas por máquinas? 

Em outras palavras, eu não tenho dúvidas que os robôs irão fazer parte de nossas vidas em várias rotinas, cada vez mais. Eu já tenho um robô em casa que faz a aspiração de pó no chão todos os dias. Mas aspirar pó e formar pessoas são coisas muito distintas. Aqueles que ensinam da mesma forma como aspiram pó em casa, esses sim serão substituídos por máquinas. Mas jamais será robotizado um processo de aprendizagem que se baseia na motivação e engajamento dos alunos e que tem, na afetividade, o cerne de sua estratégia.

Os robôs virão e vão nos ajudar a encontrar muitas respostas. Mas ainda será nossa a responsabilidade de fazer as perguntas.

* Maurício garcia é Vice-Presidente de Inovação e Ensino da Adtalem Educacional do Brasil 

MacBook Air e MacBook Pro: saiba qual o melhor para você

A alta performance dos MacBooks é uma das características que encantam aqueles que precisa de um bom computador e de mobilidade. Por isso que Apple vem conquistando várias pessoas através das linhas MacBook Pro e MacBook Air.

A estrutura   dos MacBooks Pro e Air são iguais para os dois modelos e produzidos através de peça única de alumínio, com peso similar dimensões parecidas. O MacBook Air traz configurações mais básicas e preços mais acessíveis, por ser a linha de entrada. O seu diferencial fica por conta do design mais fino e leve, tornando uma escolha interessante para quem precisa transportar o computador com frequência e busca um laptop para tarefas básicas.

O MacBook Air vem com o Intel Core i5 dual core com Turbo Boost de até 2,7GHz, que permite um aumento da velocidade e possui um bom desempenho do processador. Além disso, consome bem menos energia e com isso a bateria tem uma maior duração. Possui modelos: de 11 polegadas e 13 polegadas; sendo que o ultimo tem a opção do processador i7.

Já o MacBook Pro é indicado para quem precisa de um equipamento com maior capacidade de executar tarefas mais pesadas, como profissionais que trabalham com programação, edição de vídeo ou modelagem 3D. Existem dois tamanhos para o modelo: o de 13 polegadas e o de 15 polegadas. Ambos possuem tela de retina, mas têm resoluções diferentes. Enquanto o modelo menor oferece 2560 x 1600 pixels, o maior traz 2880 x 1800 pixels.

 A opção de 13 polegadas tem a opção de ter ou não o Touch Bar traz a GPU Intel Iris Plus 640 para os gráficos. Além disso, são duas portas USB-C uma P2 para fones de ouvido e outra USB 3.1. Vem com Core i5 de dois núcleos, com capacidade para chegar a 3,6 GHz, 8 GB de RAM e 128 GB de HD, o que torna o computador mais rápido e com bom armazenamento. A variante mais cara, com processador Core i7 de até 4 GHz, 16 GB de RAM e SSD de 1 TB.

O modelo com 15 polegadas se diferencia por ser o único com processador i7 quad-core, que se caracteriza por ter duas opções de placa de vídeo de GPU Radeon Pro, capaz de gerar imagens com gráficos melhores facilitando o trabalho do processador principal e gerando um resultado final melhor e mais rápido.

A gerente da iOne, Danielly Martins, explica que os produtos são excelentes opções de computadores e cada modelo agrada um tipo de usuário: “A linha Air, até o momento, é o MacBook de entrada. Com configuração intermediária, ele atende às pessoas que tem como foco as tarefas do dia a dia.  Já a linha Pro é mais robusta, com configurações mais avançadas, tela e áudio com qualidade melhor”, afirma a gerente.

A era do Chat Business

O fenômeno dos chatbots está ganhando força a cada ano na comunicação B2C. Mas o comércio tem percebido que os consumidores não querem apenas falar com um assistente virtual via chat, mas sim, interagir com as empresas por meio de pessoas. Esse toque pessoal e direto é que está fazendo a diferenças para muitos negócios ao redor do mundo.

Já está provado, especialmente na China, que o chat autentica as empresas e fornece meios seguros para e-commerces com um elemento de atendimento ao consumidor mais cuidadoso. Um app de mensagens com suporte para comunicação B2C é uma entrada para um novo mundo do e-commerce.

Boa parte do mundo, incluindo e especialmente os EUA, estão atrás da China em termos de e-commerce por meio de apps de mensagens – mas o restante do mundo está alcançando rapidamente. O Facebook afirma que mais de 300 milhões de usuários do seu app Messenger se comunicaram com empresas pela plataforma e que as pessoas preferem interagir com empresas por meio de apps de mensagens, em vez de falar com elas ao telefone. 

Business Chat
A Apple quer competir com o Facebook nesta segmento com o Business Chat, que vem junto com o iOS 11.3. O Business Chat permite que os consumidores iniciem conversas em tempo real via chat. Elas podem ser focadas em serviços de atendimento, agendamento de visitas ou suporte técnico. A fase de testes iniciará nos Estados Unidos mas em breve deve chegar ao Brasil. O único problema é que não há previsão deste serviço para Android.

WhatsApp Business
De propriedade do Facebook, o WhatsApp Business é dedicado a permitir que pequenas empresas forneçam diversos tipos de serviço ao consumidor baseados em conversas pelo app. O app identifica as empresas como “negócios” e valida essas contas, apresentando as companhias autenticadas ao público como “Contas Confirmadas” (“Confirmed Accounts”). O app também pode responder automaticamente aos usuários com informações de “resposta rápida” sobre a empresa, assim como perguntas comuns (FAQ).

Com essas informações, o WhatsApp Business pode gerar relatórios sobre a efetividade dos diferentes tipos de comunicação por chat, entre outras métricas. A versão atual do WhatsApp Business está disponível para Android, mas a empresa já prometeu suporte a outras plataformas no futuro, o que certamente inclui o iOS. 

WeChat
Outro gigante deste setor B2C é o WeChat, que possui quase 1 bilhão de usuários, quase todos na China. O WeChat é o principal aplicativo de mensagens para e-commerce. Os usuários podem utilizar o sistema WeChat Pay para comprar produtos on-line – a plataforma de pagamento já possui mais de 300 milhões de usuários. 

Até mesmo o Twitter oferece ferramentas para as empresas fornecerem serviços de atendimento ao consumidor. A página de configurações do Serviço ao Consumidor (Customer Service) para empresas permite conversas automatizadas via Direct Message, chamadas de “quick replies”, e outras opções. 

Adaptado de reportagem do IDGnow

Faculdade oferece Cursos de Férias gratuitos com padrão internacional

A Faculdade DeVry | Facid  está oferecendo Cursos de Férias gratuitos até o próximo dia 31 de janeiro. Uma boa oportunidade para quem deseja aproveitar o tempo livre que ainda resta para aprimorar o currículo e adquirir novos conhecimentos. 

As inscrições podem ser feitas no endereço http://dvb.to/1io. Para validar a inscrição, o aluno deve levar dois quilos de alimentos não perecíveis e entregar no setor de Admissões.  

São dezenas de cursos abertos para a comunidade em Odontologia, Direito, Gastronomia, Tecnologia, produção de artigos científicos, Engenharia,  Design, psicologia, entre outros. 

Todos os cursos serão realizados nas dependências da Instituição e terá certificação. As vagas são limitadas, por isso é bom garantir logo a sua inscrição. Afinal, curso de férias gratuito e com padrão internacional da DeVry | Facid é uma oportunidade única para quem deseja conquistar espaço no mercado de trabalho e fazer a diferença como profissional qualificado. 

 

 

IGC aponta DeVry | Facid como a melhor Faculdade de Teresina

A qualidade acadêmica da DeVry | Facid recebeu mais um reconhecimento nacional. No resultado do IGC 2016, que avaliou apenas cursos da área da saúde, a instituição ficou em primeiro lugar entre as instituições privadas de Teresina para os Cursos de Farmácia e Odontologia e terceiro lugar com o curso de Fisioterapia.

O IGC, o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição, é divulgado anualmente e figura dentre um dos principais indicadores usados para avaliação da educação superior no Brasil. O estudo é conduzido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o Inep, órgão pertencente ao Ministério da Educação.

O resultado da DeVry | Facid faz parte de uma marca impressionante alcançada pelo grupo Adtalem Educacional do Brasil: nas 12 cidades em que as instituições do grupo foram avaliadas, em 9 elas alcançaram o primeiro lugar. Isso significa que o grupo alcançou os melhores resultados dentre os principais provedores educacionais do país, nas cidades onde atua. As avaliações do IGC confirmam a missão das instituições DeVry Brasil, que é promover educação com qualidade acadêmica, empoderar estudantes para que alcancem seus objetivos, encontrem o sucesso e façam contribuições inspiradoras para a comunidade global.

 Oportunidade para transferencia e portador

A DeVry | Facid está oferecendo bolsa de 100% de desconto para transferência externa, portador de diploma e processos seletivos internacionais. O benefício, de caráter promocional, se aplica para todos os cursos de graduação, exceto medicina e apenas no semestre 2018.1. 

O período de inscrições vai até 30 de março de 2018. O candidato pode inscrever-se pelo site www.facid.edu.br. A faculdade informa que o resultado sai em até 48 horas após a entrega da documentação, que inclui RG e CPF (ou CNH), comprovante de transferência da IES de origem ou Comprovação de vínculo com a IES de origem (quando transferido) e comprovante de conclusão da IES de origem (quando portador de diploma). 

A DeVry | Facid oferece qualidade acadêmica, infraestrutura de alto padrão, benefícios internacionais e apoio acadêmico e profissional além de muitas oportunidades que ajudarão o aluno a crescer como estudante e profissional.

Com uma metodologia que une teoria à prática, a Instituição oferece experiências internacionais sem sair do Brasil a partir do curso de inglês subsidiado, da participação em empresas júniores e projetos de colaboração, webnars e visitas à faculdades e empresas americanas. Possui ainda setores como a CASA e Carreiras que auxiliam o aluno durante a faculdade e oferecem apoio que vai além da vida acadêmica.

Uso da tecnologia na educação já é rotina nas escolas

  • integral1.jpg Divulgação
  • integral2.jpg Divulgação
  • integral3.jpg Divulgação
  • integral4.jpg Divulgação
  • integral5.jpg Divulgação
  • integral6.jpg Divulgação
  • integral7.jpg Divulgação
  • integral8.jpg Divulgação
  • integral9.jpg Divulgação
  • integral10.jpg Divulgação
  • integral11.jpg Divulgação
  • integral12.jpg Divulgação
  • integral13.jpg Divulgação

Mostras de aplicativos, feiras de conhecimento e empreendedorismo encabeçadas por jovens estudantes estão dominando o cenário nas escolas de todo o País. É a geração Z, nascida e criada em um mundo dominado pela tecnologia, que agora é parte integrante e ativa da implementação da tecnologia na educação.

Segundo a pesquisadora e professora do setor de educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nuria Pons Vilardell Camas, as novas tecnologias devem fazer parte do cotidiano escolar como é o livro, o quadro negro e o giz. "Usar tecnologias em sala de aula, na escola, em casa e nas ruas faz parte da rotina de muitos estudantes", destaca Nuria.

Em Teresina, uma dessas ações de repleta de tecnologia, juventude e inovação, aconteceu em escola particular da zona leste, já pela segundo vez. O evento, realizado no último dia 06 de novembro, contou com a exposição de diversos aplicativos desenvolvidos pelos alunos do 1º ano do Ensino Médio da escola, sob as orientações do Professor Henrique Moura.

A Mostra de Aplicativos, segundo a direção da escola, incentiva a inserção dos jovens no mundo do desenvolvimento e da programação. "É uma oportunidade de estimular a criatividade, espírito empreendedor e principalmente, a inovação dos nossos alunos”, ressaltou o Professor Paulo Machado, diretor do Colégio Integral. 

8 motivos para usar tecnologia em benefício da educação

Usar ou não usar novas tecnologias no dia a dia escolar já não é mais a questão. Afinal, o uso da tecnologia faz parte da vida das novas gerações fora da sala de aula e, por isso, a sua aplicação em benefício da educação pode ser considerada um importante caminho para aumentar o dinamismo das aulas. Nesse contexto, o importante é saber como integrar as novas formas de ensinar e aprender ao planejamento e ao currículo escolar.

Mas, para chegar lá, que tal conhecer alguns benefícios que estas ferramentas pedagógicas digitais oferecem, tanto para o seu plano de aula, como para melhorar o desempenho dos seus alunos? Selecionamos oito motivos, entre benefícios, vantagens e curiosidades sobre o uso da tecnologia na educação. Confira!

1. Aprimorar a qualidade da educação: proporcionando novos caminhos para o ensino e aprendizagem, além de novas metodologias, formando educadores e os ajudando a descobrir estratégias inovadoras para o aperfeiçoamento do processo educacional.
2. Ajudar a elevar os índices de desenvolvimento da educação básica: para que, em 2022, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), oferecida nas escolas públicas brasileiras, alcance a meta proposta pelo Ministério da Educação (MEC) de 6,0.
3. Tornar as aulas mais atraentes e inovadoras: ampliando possibilidades para alunos e para professores e transformando a aprendizagem, tornando-a mais motivadora e significativa.
4. Contribuir para a diminuição das reprovações e da evasão escolar: auxiliando os alunos com facilidades ou dificuldades de aprendizagem através da educação personalizada, e despertando o interesse deles para os estudos.
5. Aumentar a integração e o diálogo entre alunos e professores: incentivando a autoconfiança, afetividade, autonomia e socialização entre docentes e discentes.
6. Auxiliar na melhoria do desempenho dos alunos: ampliando a sala de aula para fora do horário e do ambiente escolar, e melhorando, inclusive, a produtividade na lição de casa.
7. Estimular alunos a aprenderem e a ensinarem: aumentando, também, o diálogo com a família, em casa, sobre os assuntos vistos em aula.
8. Despertar a curiosidade e as novas descobertas: estimulando novas experiências através da cultura digital, construindo novas competências e contribuindo para o desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Fontes: TIC Educação 2013, Unesco, Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Assessoria Integral.

Headset contribuem para melhor performance de gamers

Para os amantes de jogos virtuais é indispensável o uso do headset. Contudo, o público que não possui muita proximidade com os games, provavelmente não saberá do que se trata o headset. Pois bem, ele é um equipamento formado por um fone de ouvido e um microfone acoplado, onde se tem uma maior qualidade de som na hora do jogo.

 

Usado também na área de telecomunicação, sua origem vem do inglês head (cabeça) e set (colocar, fixar), que significa fone de cabeça ou receptor. Embora o som da televisão consiga reproduzir o áudio dos jogos de maneira satisfatória, um headset de qualidade pode melhorar a experiência dos usuários e principalmente jogadores.

 

O gerente da loja iByte de Teresina, Bruno Ribeiro, conta que os gamers é um público bem especifico e que geralmente sabem qual headset escolher, mas para os que ainda não sabem qual melhor modelo, eles oferecem uma tática assertiva na loja. “Disponibilizamos em nossas lojas uma ‘degustação’ dos headset. Assim nossos clientes podem ver qual o modelo é o mais confortável para eles e qual o melhor para cada jogo, pois também disponibilizamos algumas máquinas de games para eles testarem e verem qual é o melhor modelo para o jogo”, conta o gerente.

Conheça alguns modelos de headset que podem ser encontrados em Teresina:

Goldentec GT Gamer

O Fone de Ouvido Goldentec GT Gamer é um fone confortável com qualidade profissional ideal para o uso em jogos, aplicativos multimídia, videoconferências entre outros. Possui haste ajustável e fones forrados oferece encaixe perfeito e bem confortável. Possui alto-falante com sistema de volume independentes de alto desempenho que reproduz som estéreo Hi-Fi com fidelidade para os mais exigentes. Além de isolamento acústico. Pode ser encontrado a partir de R$ 79.

 

Headset Gamer Corsair Raptor HS30 CA-9011121-NA

O headset para jogos analógico Corsair Raptor HS30 oferece uma qualidade de som impressionante e um microfone com cancelamento de ruídos em um design confortável e com parte de trás fechada, o que é ótimo para sessões de jogo prolongadas. Ele possui drivers de áudio de neodímio de 40 mm para uma melhor qualidade de som e os fones de ouvido headband almofadados oferecem o conforto que você precisa para manter seu foco no jogo. Pode ser encontrado a partir de R$ 227.

 

Razer Kraken 7.1 V2 Chroma

Razer Kraken 7.1 V2 proporciona uma experiência de jogo com som surround que aumenta a sua noção de localização auditiva. Você sempre ouvirá de onde o inimigo está vindo e onde sua equipe está, para poder atacar com precisão. Um microfone totalmente retrátil com cancelamento de ruído ativo garante uma comunicação cristalina. Feita de alumínio de bauxita, a armação do Razer Kraken 7.1 V2 é, como um todo, leve, flexível e incrivelmente durável. Pode ser encontrado a partir de R$ 859.

 

HyperX 7.1 Cloud II KHX-HSCP-RD 

Ele possui um som surround 7.1 com distância e profundidade para intensificar sua imersão no jogo. O microfone do HyperX Cloud II faz a amplificação automática e o cancelamento de ruídos e eco através do dispositivo de áudio USB. O HyperX Cloud II tem capacidade Hi-Fi, drivers de 53 mm para um desempenho superior de áudio e alta fidelidade sonora com tons baixos, médios e agudos cristalinos e graves amplificados pela placa de som. Otimizado para jogadores profissionais, o HyperX Cloud II tem conectividade USB para PC e Mac e é compatível com Stereo 3,5mm para PS4 e Xbox One (necessário adaptador). Ele pode ser encontrado a partir de R$ 667.

Comunidade recebe serviços gratuitos durante Mostra

Indo bem fazendo o bem. Esta é a motivação para mais uma edição da Mostra de Responsabilidade Social 2017 promovido pela Faculdade DeVry | Facid. O evento, que tem atividades desde o dia 10 de setembro, culmina hoje, 23, com várias ações e serviços à comunidade em um dia repleto de atividades gratuitas. 

São exposições de projetos, orientações jurídicas, visitas comunitárias, atendimentos na área de saúde, oficinas e muito mais serviços que podem ser conferidos durante a realização da Mostra. As atividades do dia 23 de setembro serão realizadas no CASI II, localizado no bairro Pedro Mole. 

"Além de prestar serviços à comunidade, a Mostra agrega alunos, professores e demais pessoas interessadas em fazer a diferença e transformar a teoria em prática - tudo por um mundo melhor e objetivando sempre o alcance de uma sociedade mais justa e igualitária para todos", afirma o Diretor Geral da DeVry | Facid, Prof. Ronaldo Campos. 

Entre os serviços prestados a comunidade, destacam-se: avaliação postural, auriculopuntura, avaliação psicomotora, testes rápidos de diagnóstico preliminar em sífilis, hepatite e tipagem sanguínea; educação em saúde para prevenção de doenças e promoção da saúde; atividade educativa com enfoque na saúde mental, citologia oncótica, teste de Alzheimer, entre outros, incluindo distribuição de amostras de filtro de proteção solar, oficina de reciclagem de papel, orientações sobre exame de densitometria óssea e diagnóstico de osteoporose. 

A Faculdade também está engajada no Setembro Amarelo e fará ações sobre o suporte básico à vida e prevenção do suicídio durante a Mostra, além de intervenção pública no Parque da Cidadania no próximo dia 29 de setembro. 

Todas as atividades são gratuitas e abertas à comunidade em geral. A ação é tem o apoio da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que promove o Dia de Responsabilidade Social desde 2005, mobilizando mais de 800 instituições de ensino superior (IES) particulares – universidades, centros universitários, centros de educação tecnológica, faculdades integradas, faculdades, escolas e institutos, distribuídas em todo o território nacional.

Nesse período, a campanha computou mais de 12 milhões de atendimentos à população, com 2,7 milhões de alunos envolvidos em mais de 70 mil atividades em diversas áreas, como consultoria jurídica, orientação profissional e educacional, assistência à saúde, promoção da inclusão digital e atividades culturais, recreativas e esportivas para todas as idades. Até o dia 23, serão realizadas atividades em mais de 580 municípios de todos os estados brasileiros.

Smartwatchs estão conquistando o público de Teresina

Uma novidade vem tomando conta do pulso dos brasileiros trata-se dos relógios inteligentes ou smartwhatches, que se conectam diretamente com o smartphone do usuário, funcionando como uma extensão dele.

Os relógios inteligentes alertam seu usuário sobre o recebimento de chamadas, mensagens, e-mails, ajudando a evitar que se fique o tempo todo com o telefone celular na mão verificando se chegou alguma coisa nova.

Alguns têm a opção de realizar chamadas de voz, outros têm a opção de utilizar como GPS, a maioria tem a opção de contar passos, calorias, distância, fazer monitoramento cardíaco, além dos alertas e do uso das redes sociais. Cabe ao usuário procurar o que melhor se adapta ao seu estilo e suas necessidades.

Em Teresina, o mercado já vem se adaptando às novidades e os relógios inteligentes já estão presentes nas lojas de tecnologia e tem sido bastante procurados. A gerente da loja iOne, Danielly Martins, revenda da Apple em Teresina, comenta que a procura se dá principalmente por praticantes de esportes. “A gente tem uma procura grande por Apple Watch, principalmente por pessoas que praticam esportes como corridas, devido aos marcadores de velocidade, tempo e caloria”, reforça.

A duração da bateria é um diferencial na hora de escolher o relógio, bem como a sua compatibilidade com o smartphone. O usuário precisa decidir qual a combinação que irá se ajustar às suas necessidades, mas em Teresina, as vendas do Apple Watch já são intensas. “Nós temos uma grande procura e uma boa venda, é um produto moderno e que vende bastante para esse patamar de preços. Tem muitas funcionalidades e facilitam a vida das pessoas”, ressalta Danielly, gerente da iOne em Teresina.

TI tem crescimento de 15 a 50% ao ano em Teresina

Com o avanço da tecnologia novas formas de se trabalhar foram sendo incorporadas. Nesse cenário surgiu o setor de Tecnologia da Informação (TIC), que atualmente vem crescendo em Teresina com a presença de 85 empresas e quase 600 funcionários.  A maioria das empresas é de prestação de serviços, seguidas pelas de softwares de soluções empresariais locais, e os games. Apesar  do número reduzido de empresas, as perspectivas de crescimento são bastante positivas e as empresas chegam a crescer algo em torno de 15 a 50% ao ano.

Segundo pesquisas realizadas pela empresa Cluster Consulting, empresa licitada para o Programa Teresina Competitiva, o TIC possui alto impacto econômico e desafios como a geração de uma visão mais global e investimentos internacionais para a expansão dos negócios.

Para o presidente do Instituto de Pesquisa, Desenvolvimento e Empreendedorismo em Tecnologia da Informação (Instituto Delta); Ailton Rodrigues,  o momento é de investir, qualificar e capacitar os empresários para aumentar os negócios. “Esse é um estudo interessante e estamos na expectativa dos resultados e até de direcionamentos para melhorar o desenvolvimento da área e dos negócios. Queremos ser reconhecidos no Nordeste e também no Sudeste e estamos investindo e nos qualificando para isso”, finaliza.

O programa

O Teresina Competitiva é uma iniciativa da Prefeitura de Teresina por meio do Programa Lagoas do Norte e financiado pelo Banco Mundial, que tem como objetivo identificar, caracterizar, priorizar e definir uma estratégia de desenvolvimento dos clusters, também chamados de arranjos produtivos. Os resultados da fase atual serão apresentados no próximo dia 28 de setembro, no auditório da FIEPI, com a presença do prefeito Firmino Filho, representantes do SEBRAE, SEPLAN, FIEPI e BNB; além dos empresários.

Posts anteriores