Cidadeverde.com

Uso da tecnologia na educação já é rotina nas escolas

  • integral1.jpg Divulgação
  • integral2.jpg Divulgação
  • integral3.jpg Divulgação
  • integral4.jpg Divulgação
  • integral5.jpg Divulgação
  • integral6.jpg Divulgação
  • integral7.jpg Divulgação
  • integral8.jpg Divulgação
  • integral9.jpg Divulgação
  • integral10.jpg Divulgação
  • integral11.jpg Divulgação
  • integral12.jpg Divulgação
  • integral13.jpg Divulgação

Mostras de aplicativos, feiras de conhecimento e empreendedorismo encabeçadas por jovens estudantes estão dominando o cenário nas escolas de todo o País. É a geração Z, nascida e criada em um mundo dominado pela tecnologia, que agora é parte integrante e ativa da implementação da tecnologia na educação.

Segundo a pesquisadora e professora do setor de educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nuria Pons Vilardell Camas, as novas tecnologias devem fazer parte do cotidiano escolar como é o livro, o quadro negro e o giz. "Usar tecnologias em sala de aula, na escola, em casa e nas ruas faz parte da rotina de muitos estudantes", destaca Nuria.

Em Teresina, uma dessas ações de repleta de tecnologia, juventude e inovação, aconteceu em escola particular da zona leste, já pela segundo vez. O evento, realizado no último dia 06 de novembro, contou com a exposição de diversos aplicativos desenvolvidos pelos alunos do 1º ano do Ensino Médio da escola, sob as orientações do Professor Henrique Moura.

A Mostra de Aplicativos, segundo a direção da escola, incentiva a inserção dos jovens no mundo do desenvolvimento e da programação. "É uma oportunidade de estimular a criatividade, espírito empreendedor e principalmente, a inovação dos nossos alunos”, ressaltou o Professor Paulo Machado, diretor do Colégio Integral. 

8 motivos para usar tecnologia em benefício da educação

Usar ou não usar novas tecnologias no dia a dia escolar já não é mais a questão. Afinal, o uso da tecnologia faz parte da vida das novas gerações fora da sala de aula e, por isso, a sua aplicação em benefício da educação pode ser considerada um importante caminho para aumentar o dinamismo das aulas. Nesse contexto, o importante é saber como integrar as novas formas de ensinar e aprender ao planejamento e ao currículo escolar.

Mas, para chegar lá, que tal conhecer alguns benefícios que estas ferramentas pedagógicas digitais oferecem, tanto para o seu plano de aula, como para melhorar o desempenho dos seus alunos? Selecionamos oito motivos, entre benefícios, vantagens e curiosidades sobre o uso da tecnologia na educação. Confira!

1. Aprimorar a qualidade da educação: proporcionando novos caminhos para o ensino e aprendizagem, além de novas metodologias, formando educadores e os ajudando a descobrir estratégias inovadoras para o aperfeiçoamento do processo educacional.
2. Ajudar a elevar os índices de desenvolvimento da educação básica: para que, em 2022, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), oferecida nas escolas públicas brasileiras, alcance a meta proposta pelo Ministério da Educação (MEC) de 6,0.
3. Tornar as aulas mais atraentes e inovadoras: ampliando possibilidades para alunos e para professores e transformando a aprendizagem, tornando-a mais motivadora e significativa.
4. Contribuir para a diminuição das reprovações e da evasão escolar: auxiliando os alunos com facilidades ou dificuldades de aprendizagem através da educação personalizada, e despertando o interesse deles para os estudos.
5. Aumentar a integração e o diálogo entre alunos e professores: incentivando a autoconfiança, afetividade, autonomia e socialização entre docentes e discentes.
6. Auxiliar na melhoria do desempenho dos alunos: ampliando a sala de aula para fora do horário e do ambiente escolar, e melhorando, inclusive, a produtividade na lição de casa.
7. Estimular alunos a aprenderem e a ensinarem: aumentando, também, o diálogo com a família, em casa, sobre os assuntos vistos em aula.
8. Despertar a curiosidade e as novas descobertas: estimulando novas experiências através da cultura digital, construindo novas competências e contribuindo para o desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Fontes: TIC Educação 2013, Unesco, Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Assessoria Integral.

Headset contribuem para melhor performance de gamers

Para os amantes de jogos virtuais é indispensável o uso do headset. Contudo, o público que não possui muita proximidade com os games, provavelmente não saberá do que se trata o headset. Pois bem, ele é um equipamento formado por um fone de ouvido e um microfone acoplado, onde se tem uma maior qualidade de som na hora do jogo.

 

Usado também na área de telecomunicação, sua origem vem do inglês head (cabeça) e set (colocar, fixar), que significa fone de cabeça ou receptor. Embora o som da televisão consiga reproduzir o áudio dos jogos de maneira satisfatória, um headset de qualidade pode melhorar a experiência dos usuários e principalmente jogadores.

 

O gerente da loja iByte de Teresina, Bruno Ribeiro, conta que os gamers é um público bem especifico e que geralmente sabem qual headset escolher, mas para os que ainda não sabem qual melhor modelo, eles oferecem uma tática assertiva na loja. “Disponibilizamos em nossas lojas uma ‘degustação’ dos headset. Assim nossos clientes podem ver qual o modelo é o mais confortável para eles e qual o melhor para cada jogo, pois também disponibilizamos algumas máquinas de games para eles testarem e verem qual é o melhor modelo para o jogo”, conta o gerente.

Conheça alguns modelos de headset que podem ser encontrados em Teresina:

Goldentec GT Gamer

O Fone de Ouvido Goldentec GT Gamer é um fone confortável com qualidade profissional ideal para o uso em jogos, aplicativos multimídia, videoconferências entre outros. Possui haste ajustável e fones forrados oferece encaixe perfeito e bem confortável. Possui alto-falante com sistema de volume independentes de alto desempenho que reproduz som estéreo Hi-Fi com fidelidade para os mais exigentes. Além de isolamento acústico. Pode ser encontrado a partir de R$ 79.

 

Headset Gamer Corsair Raptor HS30 CA-9011121-NA

O headset para jogos analógico Corsair Raptor HS30 oferece uma qualidade de som impressionante e um microfone com cancelamento de ruídos em um design confortável e com parte de trás fechada, o que é ótimo para sessões de jogo prolongadas. Ele possui drivers de áudio de neodímio de 40 mm para uma melhor qualidade de som e os fones de ouvido headband almofadados oferecem o conforto que você precisa para manter seu foco no jogo. Pode ser encontrado a partir de R$ 227.

 

Razer Kraken 7.1 V2 Chroma

Razer Kraken 7.1 V2 proporciona uma experiência de jogo com som surround que aumenta a sua noção de localização auditiva. Você sempre ouvirá de onde o inimigo está vindo e onde sua equipe está, para poder atacar com precisão. Um microfone totalmente retrátil com cancelamento de ruído ativo garante uma comunicação cristalina. Feita de alumínio de bauxita, a armação do Razer Kraken 7.1 V2 é, como um todo, leve, flexível e incrivelmente durável. Pode ser encontrado a partir de R$ 859.

 

HyperX 7.1 Cloud II KHX-HSCP-RD 

Ele possui um som surround 7.1 com distância e profundidade para intensificar sua imersão no jogo. O microfone do HyperX Cloud II faz a amplificação automática e o cancelamento de ruídos e eco através do dispositivo de áudio USB. O HyperX Cloud II tem capacidade Hi-Fi, drivers de 53 mm para um desempenho superior de áudio e alta fidelidade sonora com tons baixos, médios e agudos cristalinos e graves amplificados pela placa de som. Otimizado para jogadores profissionais, o HyperX Cloud II tem conectividade USB para PC e Mac e é compatível com Stereo 3,5mm para PS4 e Xbox One (necessário adaptador). Ele pode ser encontrado a partir de R$ 667.

Comunidade recebe serviços gratuitos durante Mostra

Indo bem fazendo o bem. Esta é a motivação para mais uma edição da Mostra de Responsabilidade Social 2017 promovido pela Faculdade DeVry | Facid. O evento, que tem atividades desde o dia 10 de setembro, culmina hoje, 23, com várias ações e serviços à comunidade em um dia repleto de atividades gratuitas. 

São exposições de projetos, orientações jurídicas, visitas comunitárias, atendimentos na área de saúde, oficinas e muito mais serviços que podem ser conferidos durante a realização da Mostra. As atividades do dia 23 de setembro serão realizadas no CASI II, localizado no bairro Pedro Mole. 

"Além de prestar serviços à comunidade, a Mostra agrega alunos, professores e demais pessoas interessadas em fazer a diferença e transformar a teoria em prática - tudo por um mundo melhor e objetivando sempre o alcance de uma sociedade mais justa e igualitária para todos", afirma o Diretor Geral da DeVry | Facid, Prof. Ronaldo Campos. 

Entre os serviços prestados a comunidade, destacam-se: avaliação postural, auriculopuntura, avaliação psicomotora, testes rápidos de diagnóstico preliminar em sífilis, hepatite e tipagem sanguínea; educação em saúde para prevenção de doenças e promoção da saúde; atividade educativa com enfoque na saúde mental, citologia oncótica, teste de Alzheimer, entre outros, incluindo distribuição de amostras de filtro de proteção solar, oficina de reciclagem de papel, orientações sobre exame de densitometria óssea e diagnóstico de osteoporose. 

A Faculdade também está engajada no Setembro Amarelo e fará ações sobre o suporte básico à vida e prevenção do suicídio durante a Mostra, além de intervenção pública no Parque da Cidadania no próximo dia 29 de setembro. 

Todas as atividades são gratuitas e abertas à comunidade em geral. A ação é tem o apoio da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que promove o Dia de Responsabilidade Social desde 2005, mobilizando mais de 800 instituições de ensino superior (IES) particulares – universidades, centros universitários, centros de educação tecnológica, faculdades integradas, faculdades, escolas e institutos, distribuídas em todo o território nacional.

Nesse período, a campanha computou mais de 12 milhões de atendimentos à população, com 2,7 milhões de alunos envolvidos em mais de 70 mil atividades em diversas áreas, como consultoria jurídica, orientação profissional e educacional, assistência à saúde, promoção da inclusão digital e atividades culturais, recreativas e esportivas para todas as idades. Até o dia 23, serão realizadas atividades em mais de 580 municípios de todos os estados brasileiros.

Smartwatchs estão conquistando o público de Teresina

Uma novidade vem tomando conta do pulso dos brasileiros trata-se dos relógios inteligentes ou smartwhatches, que se conectam diretamente com o smartphone do usuário, funcionando como uma extensão dele.

Os relógios inteligentes alertam seu usuário sobre o recebimento de chamadas, mensagens, e-mails, ajudando a evitar que se fique o tempo todo com o telefone celular na mão verificando se chegou alguma coisa nova.

Alguns têm a opção de realizar chamadas de voz, outros têm a opção de utilizar como GPS, a maioria tem a opção de contar passos, calorias, distância, fazer monitoramento cardíaco, além dos alertas e do uso das redes sociais. Cabe ao usuário procurar o que melhor se adapta ao seu estilo e suas necessidades.

Em Teresina, o mercado já vem se adaptando às novidades e os relógios inteligentes já estão presentes nas lojas de tecnologia e tem sido bastante procurados. A gerente da loja iOne, Danielly Martins, revenda da Apple em Teresina, comenta que a procura se dá principalmente por praticantes de esportes. “A gente tem uma procura grande por Apple Watch, principalmente por pessoas que praticam esportes como corridas, devido aos marcadores de velocidade, tempo e caloria”, reforça.

A duração da bateria é um diferencial na hora de escolher o relógio, bem como a sua compatibilidade com o smartphone. O usuário precisa decidir qual a combinação que irá se ajustar às suas necessidades, mas em Teresina, as vendas do Apple Watch já são intensas. “Nós temos uma grande procura e uma boa venda, é um produto moderno e que vende bastante para esse patamar de preços. Tem muitas funcionalidades e facilitam a vida das pessoas”, ressalta Danielly, gerente da iOne em Teresina.

TI tem crescimento de 15 a 50% ao ano em Teresina

Com o avanço da tecnologia novas formas de se trabalhar foram sendo incorporadas. Nesse cenário surgiu o setor de Tecnologia da Informação (TIC), que atualmente vem crescendo em Teresina com a presença de 85 empresas e quase 600 funcionários.  A maioria das empresas é de prestação de serviços, seguidas pelas de softwares de soluções empresariais locais, e os games. Apesar  do número reduzido de empresas, as perspectivas de crescimento são bastante positivas e as empresas chegam a crescer algo em torno de 15 a 50% ao ano.

Segundo pesquisas realizadas pela empresa Cluster Consulting, empresa licitada para o Programa Teresina Competitiva, o TIC possui alto impacto econômico e desafios como a geração de uma visão mais global e investimentos internacionais para a expansão dos negócios.

Para o presidente do Instituto de Pesquisa, Desenvolvimento e Empreendedorismo em Tecnologia da Informação (Instituto Delta); Ailton Rodrigues,  o momento é de investir, qualificar e capacitar os empresários para aumentar os negócios. “Esse é um estudo interessante e estamos na expectativa dos resultados e até de direcionamentos para melhorar o desenvolvimento da área e dos negócios. Queremos ser reconhecidos no Nordeste e também no Sudeste e estamos investindo e nos qualificando para isso”, finaliza.

O programa

O Teresina Competitiva é uma iniciativa da Prefeitura de Teresina por meio do Programa Lagoas do Norte e financiado pelo Banco Mundial, que tem como objetivo identificar, caracterizar, priorizar e definir uma estratégia de desenvolvimento dos clusters, também chamados de arranjos produtivos. Os resultados da fase atual serão apresentados no próximo dia 28 de setembro, no auditório da FIEPI, com a presença do prefeito Firmino Filho, representantes do SEBRAE, SEPLAN, FIEPI e BNB; além dos empresários.

Fones de ouvido oferecem risco de contaminação

Ouvir a música preferida durante o transporte ou em casa sem incomodar ninguém, conferir com privacidade as mensagens de áudio, acompanhar podcasts e programas online, tudo no celular. Com o Brasil na 4º posição no ranking mundial de telefones móveis (1), o fone de ouvido se tornou um acessório indispensável no dia a dia. De crianças a idosos, todo mundo usa. Mas compartilhar o equipamento com outras pessoas ou utilizar o dos outros não é uma boa ideia. Pesquisa desenvolvida pela DeVry | Metrocamp apontou alto índice de contaminação nos aparelhos por bactérias que podem causar diversos tipos de infecções e colocar a saúde em risco.

No levantamento, foram analisados 40 fones de ouvidos, sendo 30 fones e 10 headphones. No primeiro modelo, das 30 unidades, 87% estavam contaminadas, sendo 11,5% com contagem acima de 10.000 colônias de bactérias e 13% acima de 1.000. Já no segundo modelo, todos estavam infectados, sendo que em 30% o índice superou 1000 microrganismos. A bactéria Staphylococcus aureus foi isolada em 50% dos equipamentos e em 100% dos headphones. Presente nas fossas nasais da maioria da população, é responsável por vários tipos de infecções, de furúnculos e abcessos a otites e sinusites, sendo mais perigosa nos casos de imunidade baixa. Também foi registrada, em menor quantidade, a presença de fungos como Candida ssp, que costumam provocar infecções oportunistas.

O ouvido, quando em contato com os fones, se torna um ambiente propício para os microrganismos pois é abafado, úmido e cheio de células mortas, o que é agravado se houver uma perfuração, prurido, secreção ou desvios anatômicos”, explica a professora Dra. Rosana Siqueira, microbiologista e orientadora da pesquisa elaborada pelo aluno do curso de Biomedicina da DeVry | Metrocamp, Márcio José Evangelista Júnior. “Em complemento, não é comum o usuário higienizar o acessório, mas é exatamente aí que mora o perigo, pois os germes aderem à superfície do equipamento, o que é facilitado pela cera inclusive, e, em grande quantidade, podem penetrar no canal auditivo, desencadeando as enfermidades”, completa Rosana.

Como se prevenir

·  Limpe periodicamente o seu fone com um algodão contendo algumas gotas de álcool isopropílico, específico para eletrônicos e que não provoca oxidação. Não utilize água, sabão, alvejantes e álcool comum, pois podem danificar o equipamento.

·  Evite emprestar o seu fone a outras pessoas e, da mesma forma, não use o acessório de outros indivíduos. Mesmo entre amigos e familiares, o ideal é que cada um tenha seu próprio equipamento e o higienize regularmente.

 

(¹) Fonte: IDC Brasil

Fisioterapeuta desenvolve jogo eletrônico que estimula a educação no trânsito

Criado com o objetivo de estimular a recuperação de pacientes por meio da Tecnologia da Informação e promover a educação no trânsito, o jogo “Rehab Saga – De volta à vida” é a mais nova ferramenta disponível no mundo dos games.

O fisioterapeuta Rascius Belfort e uma equipe de desenvolvedores de plataformas digitais criaram o jogo, que já está disponível para download gratuito para smartphones e tablets, onde um motociclista percorre as ruas de Teresina. Seu desafio é desviar dos carros e evitar acidentes, mas, caso seja atingido, uma equipe de fisioterapeutas entra em ação para reabilitá-lo.

“Além da parte educativa, o jogo também explora a questão da importância da fisioterapia na recuperação do paciente. Esse jogo foi criado com o objetivo de ganhar experiência para que novas ferramentas sejam criadas e também possam estimular a prevenção de acidentes ou doenças. Já estamos pensando em um próximo aplicativo, que terá como tema central a diabetes”, explica Rascius Belfort.

O game também conta com uma homenagem ao Coletivo Salve Rainha – que teve três de seus membros vítimas de um acidente de trânsito, dois deles vieram a óbito.

A iniciativa conta com o apoio do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Piauí (Crefito 14). “O Conselho tem uma função cidadã e a iniciativa dessa equipe é louvável, pois, além de estimular os avanços na recuperação de pacientes, o jogo também promove a educação no trânsito, um tema de suma importância em nossa sociedade”, comenta Marcelino Martins, presidente do Crefito 14.

Fonte: www.crefito14.org

Palestra quer despertar espírito empreendedor na área de games

Com o objetivo de despertar o desenvolvimento de games no Estado do Piauí, os professores Francisco Marcelino (IFPI) e Danilo Faria (DeVry | Facid), ministram na tarde desta sexta-feira (11), a partir das 16 horas no auditório da Faculdade DeVry | Facid, a palestra "Como se faz um game? - a produção e o mercado de trabalho de jogos digitais". 
 
Apaixonados por games, os palestrantes pretendem levar ao público um pouco de suas experiências pessoais e profissionais sobre o processo de produção de jogos e o movimentado e milionário mercado de esporte eletrônico no mundo. 
 
Engenheiro eletrônico e mestre em biotecnologia, Francisco Marcelino é exemplo de sucesso com o desenvolvimento de games no Estado. Com apoio de uma equipe do Instituto Federal, criou o Crown Brawl, jogo 3D que se passa na Idade Média, no qual desafiantes disputam entre si em batalhas no formato de arenas. O game, que teve repercussão nacional, foi finalista da Imagine Cup BR, competição criada pela Microsoft que transforma projetos acadêmicos em startups de sucesso.
 
"Eu pretendo passar um pouco dessa experiência do desenvolvimento do Crown Brawl, falar das dificuldades, dos acertos, e dos caminhos a seguir para quem deseja empreender na área, de modo que a pessoa saia da palestra motivada a também produzir um jogo", afirma o Professor. 
 
Danilo Faria, mestre em Sistemas e professor da DeVry |Facid,  vai abordar o funcionamento do mercado de esporte eletrônico. Segundo o especialista, games como "Counter Strike" e "League of Legends", movimentam milhões de dólares em premiações em torneios e ligas que deixaram o encantado mundo dos jogos mais atraente e profissional. 
 
Para quem está começando, afirmam os palestrantes, não há barreiras para produzir e vender jogos pelo mundo. "O mercado é global". afirma Marcelino. O jogo "Cabeça de Cuia", produzido por uma incubadora local, chegou a vender 50 mil cópias, especialmente para o mercado russo. 
 
"É uma área apaixonante e lucrativa, onde muita gente vive dos jogos como uma profissão, seja como programador ou apenas jogador", afirma Danilo. A palestra é gratuita. As vagas são limitadas.

Tecnologia gera mais segurança para condomínios

Com o aumento da violência nas cidades é cada vez mais necessária a implantação de mecanismos de segurança em casas, prédios e condomínios residenciais. E um grande problema para quem mora em condomínios é o controle de quem entra e sai, desde moradores até visitantes e prestadores de serviço. Isso porque para que o acesso seja somente para as pessoas que têm autorização é necessário o envolvimento dos funcionários, dos moradores e também o bom funcionamento dos equipamentos como portões e interfones.

Além disso, em muitas portarias, a guarita não oferece a segurança necessária para o funcionário, que pode ser facilmente rendido por assaltantes. De forma que algumas situações podem deixar o condomínio suscetível a entrada de pessoas estranhas.

E a tecnologia tem sido uma grande aliada para melhorar a segurança dos condomínios. Uma alternativa para evitar assaltos e ainda reduzir as despesas é a Portaria Remota, um sistema de controle e gerenciamento do acesso de condomínios à distância. Atualmente o sistema Kiper está em funcionamento em mais de 600 condomínios em todo o Brasil e começa a ser implantado agora em Teresina.

"Na Portaria Remota, o porteiro fica localizado em uma sala de monitoramento de uma empresa de segurança, não mais no condomínio, e tem seu trabalho supervisionado 24h por dia, sete dias por semana", explica o especialista em segurança empresarial e em portaria inteligente, Odirley da Rocha. O especialista estará em Teresina no dia 24 de agosto para ministrar o Seminário “Segurança em Condomínios”, que acontecerá no Blue Tree Hotel às 18h30.  

Com o sistema, cada morador possui um controle remoto anticlonagem para o portão da garagem e para o portão de pedestre ele utiliza um aplicativo (QR Code) de celular ou uma tag (cartão) de acesso, que vão dar acesso ao condomínio. No caso da perda ou roubo de qualquer um dos mecanismos, o morador liga para a central e faz o bloqueio imediato deles. Também existe um sistema de pânico silencioso, que pode ser acionado em situações de risco. Já o visitante ou prestador de serviço vai se identificar normalmente no interfone, que possui áudio e vídeo, sendo atendido na central que entrará em contato com o morador para autorizar ou não sua entrada. "No caso de eventos, como uma festa, por exemplo, o morador manda um convite de QR Code para os seus convidados do próprio celular. O que vai permitir a entrada somente de quem foi convidado", destaca Odirley da Rocha.  

E para evitar problemas com sinal instável de internet, a Portaria Remota utiliza um link, de rádio ou fibra óptica, entre o condomínio e a empresa. O que garante a qualidade do áudio e da imagem, sem perigo do sinal cair. O sistema ainda possui um mecanismo que resiste a no mínimo dez horas sem energia elétrica e que beneficia o funcionamento do interfone e dos portões de pedestre e da garagem. 


Segundo o especialista, outra vantagem da Portaria Remota é que ela garante a gravação remota de áudios e vídeos de moradores, visitantes e prestadores de serviços. Além de melhorar a segurança do condomínio, o sistema ainda gera uma redução dos custos da portaria em até 50%. "Para manter uma portaria funcionando, normalmente é necessária a contratação de quatro funcionários, que geram gastos com salários, impostos e outros encargos. E hoje também se sabe que, em alguns casos, os porteiros passam muito tempo ociosos no prédio.

Com a Portaria Remota, todos os custos com atendentes de portaria estão incluídos na contratação do serviço e também a manutenção dos motores dos portões e interfones, o que gera redução de gastos e economia para o condomínio", esclarece Odirley.

 

Banda larga registra 163,39 mil novos clientes

O serviço de banda larga fixa (internet fixa) contava com 27.469.555 milhões de assinantes até o final de maio deste ano, foram mais 163.398 mil clientes um aumento de 0,60%, se comparado ao mês anterior. Nos últimos doze meses, foram adicionados à rede 1.419.082 milhão de clientes (+5,45%).

A prestadora Vivo liderou o crescimento no mês de maio, se comparado ao mês anterior, foram mais 28.073 mil novos assinantes (+0,37%). A Tim apresentou uma elevação de 10.219 mil (+2,96%), seguida pela Sky com 6.069 mil (+1,77%).

Em comparação com abril de 2016, a Vivo teve um aumento de (+1,89%) na sua base de assinantes, foram mais 140.435 mil. A Tim registrou 57.135 mil novos clientes (+19,15%), e a operadora Claro mais 332.367 mil (+4,03%).

Nos estados, entre abril e maio deste ano, a base de assinantes de Minas Gerais aumentou 41.406 mil novos clientes (+1,55%), no Ceará a elevação foi de 32.196 mil (+5,12%), e no Rio Grande do Norte 27.779 mil (+9,91%). Nos últimos doze meses, houve aumento de usuários em todos os estados. Os maiores percentuais foram registrados nos estados de São Paulo, com 248.014 mil novos clientes (+2,63%); Minas Gerais com 207.821mil (+8,28%) e Rio Grande do Sul com 135.237 mil (+8,56%).

Posts anteriores