Cidadeverde.com
Diversidade

Casal Homoafetivo compartilha relato da adoção de dois irmãos - Dia dos Pais

Há um ano e meio, Rafael e Luciano se tornaram pais dos irmãos Allan e Davi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto:Arquivo Pessoal

Em comemoração ao mês de agosto, do Dia dos Pais, fomos atrás de histórias inspiradoras de famílias por meio do projeto Lá em Casa é Assim”, parceria da Pais&Filhos com a Natura Mamãe e Bebê.

Rafael e Luciano realizaram o sonho da paternidade por meio da adoção. Há um ano e meio, eles se tornaram pais dos irmãos Allan e Davi e provaram que o mais importante em uma família é o amor. Vem conhecer essa história:

“Sou Rafael, arquiteto, 30 anos. Casado com Luciano, também arquiteto de 30 anos. Nos conhecemos na faculdade, no primeiro dia de aula: desde a primeira vez que o vi, me encantei. Chamei ele pra morar junto comigo em uma república e assim foi. Moramos juntos praticamente desde o primeiro dia que nos vimos, mas até o primeiro beijo foi um longo caminho – dois anos e meio!

Terminada a faculdade, em Bauru, viemos para São Paulo e nos casamos. Como casal, o assunto da paternidade surgiu bem cedo, bem antes de casamento, inclusive. Até nome as crianças já tinham na nossa cabeça: seriam o Cadu e o Mathias. Desde o protocolo no fórum criamos um blog chamado Dois Pais, no qual retratamos o cotidiano da família desde o início do processo de adoção. O blog nasceu como um diário de bordo. Sentíamos falta em ler algo mais humanizado, uma percepção da ansiedade, do choro, do afeto. Líamos muitos trâmites e visões frias. A ideia cresceu, abriu muitas portas e papos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Arquivo Pessoal

Há um ano e meio, adotamos dois irmãos: Allan, 12 anos, e Davi, 4 anos. Foi um processo de adaptação super rico pros quatro. Perdi peso, horas da agenda, mas ganho diariamente o brilho nos olhos , os abraços apertados e o carinho dos dois.

Nosso processo de adoção foi repleto de ansiedades, mas supertranquilo. Um período importante de amadurecimento da ideia de ser pai, de criar filhos, das especificidades de uma adoção. Tivemos um apoio superespecial e irrestrito das técnicas do fórum – psicólogas e assistentes sociais – que nos deram todo o suporte técnico e emocional para darmos cada passo do processo como um todo.

Outro ponto fundamental em nossa história foi a participação em grupos de apoio. No nosso caso, participamos do Acolher, uma experiência bem rica de troca de informações e relatos que seguram um pouco da ansiedade e nos deixa com mais pé no chão e menos formatado ao que lemos na bibliografia do assunto, na maioria das vezes muito técnica e fria.

A rotina? Mudei de emprego para ficar mais pertinho deles. Trabalho com certa flexibilidade para conseguir participar mais das atividades da escola, exercícios, brincadeiras. É bem corrido, mas muito gratificante!”

Fonte: Pais&Filhos

Matizes inicia votação para eleger padrinho e madrinha da 18ª Parada da Diversidade

O Grupo Matizes já iniciou  a votação para eleger o padrinho e madrinha da 18ª Parada da Diversidade.  A escolha é feita pelos internautas, através de uma enquete hospedada na fanpege Grupo Matizes+.

Este ano, o Matizes selecionou 03 candidatos a padrinho: Antoniel Ribeiro (produtor cultural), Benício Bem (cantor e compositor) e Rodrigo Alaggio (Juiz de Direito). Para madrinha, concorrem Fabíola Lemos (Socióloga e professora) e Letícia Carolina (1ª professora trans da UFPI).

 

SOBRE O CONCURSO

O Concurso de Madrinha e Padrinho da Parada da Diversidade foi instituído em 2008 pelo Grupo Matizes. É um reconhecimento da entidade a ação de pessoas que abraçam a diversidade e, nas suas áreas de atuação, contribuem para o enfrentamento da discriminação.

Todos os anos são pré-selecionados candidat@s que atuam nas mais diferentes áreas: jornalismo, política, academia e no meio artístico-cultural. A decisão final é sempre dos internautas

Literatura e Diversidade Sexual em cena: Letras tem Cores

  • Oficina_Marleide_9.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_8.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_7.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_6.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_5.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_4.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_3.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_2.jpg Marleide Lins
  • OFICINA_MARLEIDE_1.jpg Marleide Lins

As palavras ganharam formas e coloridos  na oficina “Letras tem Cor: laboratório de minicontos”, idealizado e facilitado   pela poeta, escritora e artista gráfica Marleide Lins.  “Cores fora das gavetas/dos armário/do ranço amorfo/que há entre a essência naftalínica/e o morfo”. Com esses versos provocativos,  o espírito dionisíaco da  arte literária adentrou corpo e alma dos participantes para exalar novos olhares sobre a Diversidade.  A ação foi realização do Matizes e apoio do BrazilFoundation e Theatro 4 de Setembro.

Como estratégias de interação entre os integrantes,  a facilitadora solicitou aos envolvid@s a  realização de entrevista entre pares.  O resultado dos relatos trazidos pelos entrevistad@s subsidiou a cada um/a a produção narrativa de contos nos moldes tradicionais. Através de uma dinâmica imersiva,  os integrantes   teciam análises e reflexões sobre as nuances da prosa literária.

Minicontos e microcontos ocuparam ainda  a cena narrativa para instigar  as percepções e sensações do público-protagonista. A partir das estratégias de envolvimento, participantes deram asas ao imaginário poético e produziram ‘escrevivências’ recheadas de cores, odores e expressões identitárias lgbti+.

Marleide Lins destaca que uma das indagações  levantadas durante as ações  era pensar o quanto @s leitor@s  sentiam processos identitários com a produção literária trazida como ilustração para a oficina.  De acordo com a ministrante, a ausência   identificação afetiva   com os textos foi fator motivador para fomentar entre @s participantes a necessidade de ampliar a produção literária sensível com a múltiplas expressões da Diversidade Sexual.

A atividade integra uma das fases  de produção do livro “Letras das Diversidades” tematizando a História de lutas e conquistas realizada pelo Grupo Matizes ao longo de sua existências. A obra também será composta por ensaios produzidos por pesquisador@s e docentes bem como uma coletânea textual de  homoliteratura. O lançamento acontecerá no dia 29/08 durante a programação da 15ª Semana do Orgulho de Ser.  

Entre as ‘escrevivências’ gestadas no processo de criação literárias destaca-se:

  • Entre nós, elas desataram o preconceito (Viviane Carvalho)

 

  • Não encontrou o pote de ouro no fim do arco-iris. Empalideceu e se trancou no verbo. (Lucila Martins)

 

  • Lições da escola: a violência insiste em fazer sangrar (Socorro Barroso)

 

Por Herbert Medeiros

15ª Semana do Orgulho de Ser: ReXistirmos: a que será que se destina?

A   15ª Semana do Orgulho de Ser, realizada pelo Matizes,   entrará na cena cultural e social de Teresina de 25 a 31 de agosto. Com o tema “ReXistirmos:  a que será que se destina?”, o projeto coloca em pauta o  respeito e a valorização da pessoa humana em todas suas formas de Existir e amar.    As ações   visam reforçar os laços de solidariedade social para empoderamento dos segmentos vulnerabilizados.  

De acordo com organização do evento, o cenário brasileiro de acirramento da intolerância e   ataque aos direitos reforça a importância de trazer para   agenda social reflexões sobre as formas dos sujeitos individuais e coletivos pensarem estratégias e ações de fortalecimento de suas ReXistências, pautando diálogos fraternos e enfrentamentos à precarização das políticas públicas.

A programação da Semana do Orgulho de Ser estará irradiando por diversos espaços da cidade ações como:  mesas redondas, palestras, oficinas, mostra de filmes, capacitação de agentes públicos, lançamento de livros, shows, performances, apresentações artísticas etc.   

E como celebração final das atividades da Semana do Orgulho de Ser,  a 18º Parada da Diversidade acontecerá dia 01/09 na Ponte Estaiada com atrações nacionais e locais. O cardápio da festa da Diversidade contará com   Sandra de Sá, Lorena Simpson, Chandelly Kidman,  Dja Brytho e  Marceleleco, Elaine Leonel, Getúlio Abelha etc. 

Ativistas  do grupo Matizes destacam que a tônica da  Parada da Diversidade é: “Nossa Existência é ato político em favor da Livre Expressão do Amor,  das Liberdades Democráticas, da Garantida de Direitos historicamente conquistados e pela defesa firme de mais justiça social. Nenhum Direito a Menos.”

 

Matize realiza feijoada de lançamento da 15ª Semana do Orgulho de Ser

  • FEIJ_13.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_12.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_11.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_10.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_9.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_8.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_7.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_6.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_5.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_4.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_3.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_2.jpg Marleide Lins
  • FEIJ_1.jpg Marleide Lins
  • arte_semana_2019.jpg Marleide Lins

A  feijoada  de lançamento da 15ª Semana do Orgulho de Ser, organizada pelo Matizes,  pediu passagem para celebrar, cantar e viver o amor em todas as suas expressões e delícias, fazendo valer  os versos de Zelia Duncan  “Os imorais se chocam por nós/Por nosso brilho/Nosso Estilo/Nossos lençóis/Mas um dia, eu sei/a  casa cai/E então/A moral da história/Vai estar sempre na glória de fazermos que nos satisfaz”. A ação é uma reafirmação pelo direito de amar e ReXistir aos ‘caretas e covardes’.

Para energizar o ambiente festivo,  Juliana e Banda soltaram a voz e contagiaram o público. Parceiros e demais convidad@s aproveitaram ocasião para fortalecer laços afetivos e somar alegrias e resistência para ebulir dentro da  Semana do Orgulho de Ser que acontecerá de 25 a 31 de agosto em diversos espaços da cidade.

Durante a festa, as atrações da 18ª Parada da Diversidade foram anunciadas: Sandra de Sá, Lorena Simpson, Chandelly Kidman,  Dja Brytho e  Marceleleco, Elaine Leonel, Getúlio Abelha etc.  A proposta do grupo com a Parada de 2019 é enfatizar a ReXistência em favor de Direitos  e Empoderamento de todas as Diversidades.

A tônica da luta na Parada da Diversidade é: Nossa Existência é ato político em favor da Alegria, de Amores Plurais da Democracia e Cidadania Plena.

Exposição Trópico de Câncer na Casa da Cultura

É real e oficial passarinhos! Dia 08 de Julho tem vernissage na Casa da Cultura de Theresina. É a Abertura oficial da Expo Trópicos de Câncer do Artista Visual de Jader Damasceno. O #Artista dialoga com algumas linguagens artísticas e comunicacionais e promete surpreender.

 A Expo Trópicos de Câncer é uma exposição de signos, um universo carregado de memorias afetivas do povo brasileiro na ótica do #Artivista @jaderdamasceno.  Entre os Trópicos existem muito mais de bunda, apesar da abundância. Toda #arte é discurso e porque não falar; poder!

A Vernissage começa as 19h na @CasadaCulturaThe e durante a semana ficará aberta para visitação de 08 a 31 de Julho, de segunda a sexta, das 08h às 17h30.  Aos sábados será de 09h às 12h. 

A visitação é ZER0 dinheiros = 0800

 

Fonte: ASCOM

Arraiá OcupArthe promove festejos juninos na Frei Serafim

  • OCUPARTE_9.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_8.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_7.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_6.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_5.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_4.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_3.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_2.jpg Herbert Medeiros
  • OCUPARTE_1.jpg Herbert Medeiros

“A fogueira está queimando em homenagem a Soão João/o forró já começou/vamos gente, rapapé, neste salão”. Foi esse o  clima junino  ontem na Avenida Frei Serafim com o arraiá do OcupArthe. Alegrias, cantos, danças, gastronomia e pessoas descoladas animaram a festa.

Entre as atrações dos festejos  também estavam: brincadeiras juninas, bumba meu boi, ciranda, sanfoneiro, Banda Sarminina, Banda Navegantes etc.

O OcupArthe é coletivo Artísitico-cultural de Teresina que ocupa espaços urbanos desde 2014 para irradiar  expressões artísticas  e seus discursos polifônicos pela cidade.

SALIPI debate 50 anos do Levante de Stonewall neste domingo (09)

O grande ativista americano  pelos direitos lgbts, Harvey Milk, destacou a importância de promover condições justas para superar desigualdades. Milk diz: “Todo os jovens, indepedente de orientação sexual e identidade, merece um ambiente seguro e solidário para que possa atingir todo seu potencial”.

A fala do ativista está em sintonia com a luta por direitos, os  valores de solidariedade e senso de justiça vivenciados no bar Stonewaal, Nova York, em 1969. Naquele momento, lgbts resistiram e enfretaram a opressão policial, social e cultural de uma sociedade  lgbtfóbica. Agora em 2019, são 50 anos dessa trajetória permanece vivo e  continua como referencial para  reafirmar o respeito, orgulho e valor da Diversidade Sexual.

E neste sentido, o Salão do Livro do Piauí(SALIPI), traz para a cena do evento o  debate “Afetividades: 50 anos do levante de Stonewall”. A ação acontecerá domingo(09) às 15h no Cine-Teatro da UFPI.

Entre os debatedor@s estarão: Profª Mestra da UFPI,  Letícia Carolina; Roney Rodrigues, blogueiro e ativista do Coletivo Frente Bi; Noé Filho, CEO na Geleia Total; Professora, escritora e jornalista Kelma Gallas.

Por Herbert Medeiros

 

Posts anteriores