Cidadeverde.com
Diversidade

Matizes e SEMEC promovem Ação de Capacitação tematizando: Mediação de Conflito no Contexto Escolar

O Grupo Matizes e Secretaria Municipal de Educação (SEMEC) realizaram atividade de capacitação de docentes da rede pública de Teresina nesta segunda (12). O tema da ação era “Mediação de Conflito no Contexto Escolar” e objetivava promover reflexão sobre estratégias educativas para lidar com resiliência às situações adversas. A Palestra é resultado do diálogo com equipe gestora do Centro de Formação Odilon Nunes.

O Facilitador Erivan de Andrade - Assistente Social, especialista em Políticas Públicas e Docência EJA para o campo e população carcerária – abordou o tema trazendo exemplos e características de como o Educador/a podem mediar as divergências na sala de aula: desenvolvimento de postura ativa  e escuta sensível; promoção do diálogo, respeito, empatia e neutralidade.

Ainda destacou importância da escola realizar levantamento das vulnerabilidades e planejar ações de intervenção com  a equipe escolar.

O/a Psicólogo Emerson Silva - especialista em Psicodrama e   Clima Escolar e Relações Interpessoais -  trouxe importantes análises para o tema: aperfeiçoar as competências comunicativas e interacionais entre educador/a e educando/a pautadas na empatia; envolver as famílias com a escola para em conjunto mediar conflitos; integrar   outras instituições públicas   com objetivo de contribuir na mediação de situações conflituosas.

O Representante do Grupo Matizes, Herbert Medeiros, aproveitou o momento para   ressaltar a necessidade de parcerias construtivas  entre escola, universidades, movimentos sociais, CREAS, CRAS e pesquisadoras/es no assunto. Ressaltou o longo caminho de diálogo com SEMEC e o Centro de Formação Odilon Nnues  para  apresentar propostas de Capacitação, Sensibilização de Docentes da Rede Pública Municipal com foco em Educação e Inclusão.

 

 

JUNTA Festival recebe atração franco-brasileira em sua programação - Domingo 11/09

Nesta edição, o JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade conta com apoio institucional do Consulado Geral da França

O JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade já começou e vai até 11 de setembro, ocupando o Complexo Cultural do Clube dos Diários, em Teresina (PI). Nesta edição, totalmente presencial, o evento retorna após a paralisação causada pelas restrições da pandemia da Covid-19.

O festival internacional de dança surge com uma palavra conceito: “SOPRO”, para dar fôlego e pegar impulso, através de espetáculos de dança contemporânea, conversas e lançamento de ebook; com sopros locais, regionais e internacionais, como é o exemplo de  “La nuit tombe quand elle veut” (a noite cai quando ela quer). A performance é resultado da colaboração franco-brasileira com a coreógrafa Franco Marroquina Latifa Laabissi, e o coreógrafo brasileiro Marcelo Evelin.

“A Noite Cai Quando Ela Quer”, é uma experiência imaginária e sonora, em uma condição de vigília encarnada, que oferece ao público uma imersão perceptiva. Teresina (PI), será a primeira capital a receber a apresentação que está em circulação e passará por outras cidades do Brasil, como São Paulo e Rio de Janeiro. A atração conta com apoio institucional do Consulado Geral da França, através do Serviço de Cooperação e Ação Cultural (SCAC).

O Consulado Geral da França em Recife possui um extenso histórico de apoio, neste ano, com incentivo em programações culturais, linguísticas, científicas e universitárias, em cidades do Nordeste como Fortaleza, São Luís, Recife entre outras.

Latifa Laâbissi é Diretora Artística do programa e festival artístico e pedagógico da Extensão Sauvage em Brittany. Em 2016, uma monografia sobre o conjunto da sua obra foi publicada pelas Edições Les Laboratoires d'Aubervilliers e Les presses du réel. Já Marcelo é Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Vive na Europa há mais de 35 anos, tendo passado pelas cidades de Paris (1986), Amsterdam (1987) e Wuppertal (1988), onde estagiou sob a direção da celebrada coreógrafa alemã Pina Bausch. O artista  fundou e dirigiu o Núcleo do Dirceu em Teresina, um coletivo de artistas pesquisadores das artes cênicas contemporâneas.

O JUNTA Festival é contemplado pelo Sistema de Incentivo Estadual à Cultura (SIEC) da Secretaria de Estado da Cultura do Piauí e tem o patrocínio da Equatorial Piauí. O evento conta com atividades gratuitas e pagas, sempre a preços populares. Os passaportes podem ser adquiridos via plataforma “Ingresse” (https://www.ingresse.com/juntafestival) e na bilheteria do teatro nos dias do evento, nas modalidades meia entrada social e inteira. Há também lista trans e travesti free para toda a programação paga.

SOBRE O JUNTA:

O JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade chega com gente de todo o Piauí, nordeste e sudeste, em um sopro que pode correr do rural ao urbano, do centro à periferia, de casa para a rua e do peito para o mundo.

É um festival-obra criado e dirigido a seis mãos pelos artistas Janaína Lobo, Datan Izaká e Jacob Alves. Em sua 8ª edição, é um festival consolidado e um dos importantes eventos artísticos do estado, por ter público de Teresina e de todo o país e parcerias internacionais como Fundação Pro Helvetia (Suíça) e Embaixada Francesa no Brasil. É um ponto de contato com trabalhos que são referência de pensamentos e modos contemporâneos de fazer dança no mundo, além de servir de plataforma para o fomento da produção artística local. 

Para mais informações, acesse o site juntafestival.com.b, e redes sociais do evento:

Instagram https://www.instagram.com/juntafestivalteresina/

Facebook https://www.facebook.com/JuntaFestival

Twitter https://twitter.com/JuntaFestival

Fonte: Junta Festival

 

Único festival de dança do estado retorna com performances nacionais e internacionais

 “JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade”, acontece entre os dias 8 e 11 de setembro, no centro de Teresina, possibilitando o acesso da população

 

O “JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade” chega com performances artísticas nacionais e internacionais , de 8 a 11 de setembro. A sua 8ª edição chega totalmente presencial, ocupando o Complexo Cultural do Clube dos Diários, com uma palavra guia: “SOPRO”. Um sopro que refresca, renova, inspira e traz novos ares a partir da dança contemporânea, durante quatro dias no centro de Teresina. 

Além de valorizar profissionais, o evento é o único festival internacional de dança do Piauí, consolidando o estado no cenário da dança nacional há 8, também possibilitando o acesso da população à espetáculos e artistas que outrora não viriam à cidade.

A programação do JUNTA conta com mais de 10 performances de artistas locais e internacionais, como “A noite cai quando ela quer” (La Nuit Tombe Quand Elle Veut), uma parceria do bailarino e coreógrafo brasileiro Marcelo Evelin e a francesa Latifa Laâbissi, com o apoio e parceria do Consulado Geral da França em Recife.

Uma das criadoras e co-diretora do evento, Janaína Lobo, diz que o festival tem gerado uma boa repercussão sobre o estado e os profissionais da dança: “Temos criado um ambiente de aproximação que contribui com o crescimento e desenvolvimento da dança, com a formação de público e fomenta a produção local e o mercado de trabalho”, explica. É o exemplo da INCUBADORA, uma iniciativa de fomento à produção artística em dança e artes do corpo que possibilita novos caminhos possíveis de autonomia e formação para artistas e grupos do Piauí. É uma criação do JUNTA que acontece pela segunda vez e nesta edição traz em sua programação quatro performances de artistas locais, selecionados via convocatória pública, fomentando a produção em dança, bastante defasada durante o período pandêmico.

Nesta 8ª edição será lançado o e-book do FORMA - Congresso Piauiense de Ações Formativas, Performativas e Afirmativas em Dança, como resultado da produção acadêmica de pesquisadores e demais pessoas que produzem dança no estado.

O “JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade” conta com atividades  gratuitas e pagas, sempre a preços populares,  e os passaportes podem ser adquiridos via plataforma Ingresse (https://www.ingresse.com/juntafestival) e na bilheteria no dia do evento, nas modalidades meia entrada social e inteira. Há também lista trans e travesti free para toda a programação paga.

• Sobre o Festival

O “JUNTA Festival: Dança e Contemporaneidade” é um conjunto de ações artísticas e formativas, que tem a dança contemporânea como objeto e ponto de reflexão sobre a arte e o mundo. Busca a experiência estética, o encontro, a formação artística e de público, o fomento à dança e arte locais, a criação e manutenção de redes de conexão e a ressignificação de espaços públicos. Visa “deseducar o olhar”.

É um festival-obra criado e dirigido a seis mãos pelos artistas Janaína Lobo, Datan Izaká e Jacob Alves. Com 7 edições anuais realizadas e a Ocupação JUNTA EXPANDIDO, o JUNTA é um festival consolidado e um dos importantes eventos artísticos de Teresina, abraçado pelo público e artistas de Teresina e do Brasil e com parcerias internacionais firmadas com a Fundação Pro Helvetia (Suíça) e Consulado da França no Brasil. É citado como uma das práticas inspiradoras na publicação "Práticas Inspiradoras das Artes Vivas na Iberoamerica: um setor em transformação”, mapeamento realizado pelo festival Grec, na Espanha em 2020.

O JUNTA, em sua trajetória de 7 edições e a Ocupação JUNTA EXPANDIDO  já contou com a participação de artistas das mais diversas cidades brasileiras e de vários pedaços do mundo, como Portugal, Chile, França, Espanha, Argentina, Suécia e Moçambique.  Para a cena artística local, o festival virou um contato com trabalhos que são referência de pensamentos e modos contemporâneos de fazer dança no Brasil e fora do país.

O #JUNTA8 é contemplado pelo Sistema de Incentivo Estadual à Cultura (SIEC) da Secretaria de Estado da Cultura do Piauí. Patrocinador oficial: Equatorial Piauí.

SAIBA MAIS SOBRE O JUNTA:

16ª Semana do Orgulho de Ser inicia hoje (29) com evento no IFPI Sul

O Grupo Matizes dará início, nesta segunda-feira (29), à programação da 16ª Semana do Orgulho de Ser, evento que contará com uma série de encontros que visam conscientizar e dar voz à luta por direitos da população LGBTQIA+.

O primeiro evento será um debate, às 15h desta segunda (29), no auditório do IFPI Sul, sobre a atuação do Movimento Estudantil no combate à LGBTfobia. O debate será conduzido pelo vice-presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) no Piauí, Pedro Victor, e pelo presidente da União da Juventude Socialista (UJS) no Piauí, Rodrigo Maxwel. A programação seguirá pela semana com palestras, debates e rodas de conversa em diversos locais da cidade.

Na quarta-feira (31), às 10h, acontecerá a solenidade de entrega do título de cidadão piauiense para o professor Francisco Jr, a poetisa Luiza Catanhêde e os atores Júnior Marks e Wilson Gomes de Sousa, no Plenário da Assembleia Legislativa do Piauí.

"Preparamos uma programação extensa e muito rica para esta edição da Semana do Orgulho de Ser. Nosso objetivo é engajar o público jovem na luta por direitos LGBTQIA+, além de levar o debate também para outras cidades do Piauí, com eventos no interior do estado", explica o coordenador de comunicação do Matizes, Herbert Medeiros.

A Semana do Orgulho de Ser encerra no dia 6 de setembro, com a assinatura da Carta do Piauí para o Enfrentamento à LGBTfobia e uma roda de conversa para a apresentação do formulário Rogéria - Registro de Ocorrência Geral de Emergência e Risco Iminente à Comunidade LGBTQIA+. Será às 11h, no Auditório do Tribunal de Justiça.

O evento final será a Parada da Diversidade, no dia 6 de setembro, com concentração a partir das 16h, em frente à Potycabana e percurso pela Avenida Raul Lopes às 18h, encerrando com show de Daniela Mercury.

Além de Teresina, este ano, a Semana do Orgulho de Ser terá eventos em Altos, Amarante e Floriano. Confira a programação completa no link: https://bit.ly/ProgramacaoSemanadoOrgulhodeSer

Grupo Matizes participa de reunião com Comandante da PM para tratar da Segurança da Parada da Diversidade

Hoje foi dia de reunião com o Comandante da PM, Coronel Scheiwann, para acertar os detalhes sobre a segurança da Parada da Diversidade 2022! ??????????

Durante a reunião, foi acordada também a realização de atividade com os policiais militares para reforçar a necessidade de que os agentes pautem suas atuações com respeito.

Também estiveram presentes na reunião a Cel. Julia Beatriz e a Capitã Roserlane, da Coordenadoria de Gerenciamento de Crises. Por uma Parada mais segura e tranquila para [email protected]! ????

Madrinha e Padrinho da Parada da Diversidade de Teresina: Vem com a gente

Vem com a gente para para Votar e escolhar Madrina e Padrinha da Parada da Diversidade, 

Madrinha:: https://www.facebook.com/grupomatizes/photos/a.1710434749233380/3276900045920168

Padrinho: https://www.facebook.com/grupomatizes/photos/a.1710434749233380/3276900642586775

 

Dia dos Pais: Famílias Plurais e AFETOS

Por Herbert Medeiros

Dias dos Pais: nas redes sociais e nas teias da vida além do universo digital observam-se  muitas celebrações, fotos, declarações de amor, presentes, publicidades sedentas por excitar o desejo consumista bem como avalanche de discursos pautado em idealizações sobre esse sujeito  cultural que chamamos de ‘pai’. Mas também é preciso  pensar:  novos arranjos familiares SOCIEAFETIVOS  com dimensões vinculadas à responsabilidades paternas e masculinidades múltiplas.

Quem não lembra das peças publicitárias veiculando um modelo da Família Margarina vivendo em um ambiente idealizado de harmonia – preferencialmente com o ‘macho adulto sempre no comando’. Ali naquela foto idílica não havia espaço para outros modos de amor familiar. Mas como canta o poeta ‘o tempo não para’: famílias homoafetivas sempre existiram e cada vez mais buscam na vida contemporânea ocupar espaços de reconhecimento para expressar sua voz e vez nas representações sociais cotidianas.

 Entre pensadores/as e estudiosos/as do Direito de Família já é uma realidade fática a  constatação  de que é o AFETO o núcleo impulsionador para constituição das famílias. Nesse sentido, o Amar, cuidar, educar, proteger, compartilhar responsabilidade integram os vínculos formadores da vidas Heteroafetivas e Homoafetivas. O Educador e psicodramatista Içami Tiba bem expressou a máxima: Quem AMA CUIDA.

E falar em CUIDADO dentro do universo paternal é  trazer para a reflexão o lugar masculino como exercício de sensibilidades, verbalização de sentimentos, disposição  de reelaborar/repensar  paterno como poder arbitrário e incontestável, prontidão para escuta e diálogo na interação familiar,  generosidade  de buscar ajuda profissional quando assim for necessário bem como sabedoria para sempre estar a aberto a apreender e  reaprender no convívio com os/as filhotes. O desaprender é parte dessa dinâmica familiar, afinal, as certezas são um morada para uma zona de conforto  que sufoca novas aprendizagem.

Para avançar na construção de paternidades socieafetivas responsáveis se faz necessário problematizar o senso comum de enquadrar famílias como desprovidas de relações de poder. Idealiza-se um papel social rígido e hierarquizado para cada membro familiar, favorecendo condições   propícias ao abusos de quem manda mais quem pode mais. Nesse cenário, a  percepção imediata do núcleo do comando dominante  - simbolizado em uma idealização paterna  - se constrói baseado no medo, na intimidação, na tradição opressiva.

A vida masculina e paterna hoje em dia   apresenta-se gradativamente em   diferentes tons de cores assim como   mais dinâmica e complexa do que aparece ao primeiro olhar.  Filhas/os convivem com duas figuras paternas, pai solo e outras organizações socioafetivas.

 Aos que disseminam pânicos infundados acerca das novas famílias - sugerindo falta autoridade dos pais e perda da tradição –  é importante lembrar que autoridade real  passa por  estabelecimentos de limites, gerenciamentos de conflitos, habilidades dialógicas, respeito fruto de acordos estabelecidos. E Tradição não significa um modo intransigente de impor a conduta ética e moral para todos/as, estabelecendo sanções autoritárias para quem pensa, sente e age diferente. 

Na vida sociocultural,  tradicionalismo  não reina soberana acima do bem e do mal, pelo contrário, está em diálogo/conflito/negociação/ perpetua com a o novo, a mudança . Necessário que seja assim para a História seguir seus fluxos de riqueza das Diversidades existenciais.  Os sujeitos masculinos paternos  são atravessados por essas dinâmicas, gerando aprendizagens ricas em possibilidades de exercício das paternidades. ASSIM É, ASSIM SEJA.

Posts anteriores