Cidadeverde.com
Geral

Generosidade: após perder tudo em incêndio dona de restaurante distribui caldos

Imprimir
  • Untitled-17.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-16.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-15.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-14.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-13.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-12.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-11.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-10.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-9.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • restaurante.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

A atitude generosa da dona de um pequeno restaurante na Avenida Miguel Rosa, na zona Sul de Teresina, chamou atenção. Maria Lourdes teve o estabelecimento comercial destruído em um incêndio causado pelo vazamento de um botijão de gás. Mesmo diante da situação, ela distribuía gratuitamente caldos de carne que, em dias normais, eram vendidos para complementar a renda da família. 

Fotos: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

"Eu vendo caldo para ajudar na renda da minha família porque o restaurante não dá dinheiro. Criei meus filhos sozinha e sempre inventei algo para não deixar ninguém passar fome. Esses caldos que tô distribuindo são os que eu vendo, mas como aconteceu isso, estou dando como forma de ajudar o próximo. Acredito que herdei esse lado bom dos meus pais que sempre me ensinaram a dividir até mesmo um prato de comida", disse Maria de Lourdes. 

A filha Ludmila Jádia conta que, todos os dias, a mãe sai às 8h e só retorna após cerca de 2 horas, por vezes, sem vender todo o caldo de carne que é comercializado a R$ 2 cada copo. 

"Ela batalha bastante, uma mulher de fibra que criou três filhos sozinha. Quando a gente não tinha restaurante, ela fazia faxina, quando não tinha lavava roupa, sempre batalhando para tentar formar a gente. Ela é uma pessoa muito bondosa", disse Jádia. 

O ponto onde funciona o restaurante é alugado há quase um ano. No local, além de uma cozinheira trabalhavam as filhas de dona Maria que disse, entre lágrimas, que não sabe como vai fazer para arcar com o prejuízo causado pelo incêndio. 

"Graças a Deus está todo mundo vivo. Agradeço a Deus por isso. Agora quem vai pagar nosso prejuízo? o restaurante já não dava dinheiro e era um meio de sobrevivência para mim e meus filhos. Hoje não vou ter como atender. Não sei como vou fazer. Agora é tocar a vida", lamentou a dona do restaurante. 


Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir