Cidadeverde.com
Esporte

Prestes a ir para 8ª Olimpíada, Hugo Hoyama exalta preparação do Brasil

Imprimir

O técnico da seleção brasileira feminina de tênis de mesa, Hugo Hoyama, vai participar de sua oitava edição dos Jogos Olímpicos, em 2021. O "Senhor Olimpíada" acumula experiências no maior evento esportivo do mundo tanto como atleta (edições de 1992, 1996, 2000, 2004, 2008 e 2012) quanto como técnico (2016). E quer fazer valer tudo isso.

Após um mês com sua equipe na cidade de Gaia, em Portugal, para a Missão Europa do COB, Hoyama retornou ao País e se disse satisfeito com o trabalho.

"Esse período em que as meninas treinaram em Gaia foi essencial. Elas estavam há quatro, cinco meses paradas. Não completamente, claro, mas paradas. Elas faziam treinos em casa, mas isso não tem comparação. É muito diferente. 

A limitação impõe um ritmo distinto ao de jogo", destacou Hoyama ao Estadão. "Lá, tivemos as melhores condições de treino. Ginásio, alimentação e hospedagem. Fora a recepção dos portugueses, que foi sensacional Isso nos ajudou muito. Nos sentimos em casa e seguros. Eles nos atenderam da melhor maneira e isso foi marcante para mim."

Em meio à pandemia e com os Jogos remarcados de 2020 para 2021, o COB conseguiu enviar 200 atletas de algumas modalidades para treinar em Portugal. O país foi escolhido porque tinha a pandemia mais bem controlada. 

Hoyama ainda afirma que saiu de Portugal com as portas abertas para voltar. Isso em decorrência de três práticas que adota ao realizar treinos no exterior e que aprendeu quando era mais novo: ter respeito, educação e disciplina.

"É importante participar desse tipo de intercâmbio. Eu e as meninas já fomos para o Japão, China e outros lugares da Europa. Fazer esse tipo de viagem é bom para que elas possam treinar com outros atletas e experimentar outros estilos de jogo. É super importante. 

Para mim, o crucial é sair de lá com as portas abertas. Por isso eu sempre digo que temos de respeitar e ter disciplina. Lá, não foi diferente. Sempre teremos as portas abertas por isso", pondera o técnico, que voltou para o Brasil com as atletas Giulia Takahashi e Laura Watanabe. Bruna Takahashi, Carol Kumahara e Jessica Yamada permaneceram em Portugal.

Segundo Hoyama, além de ter garantido portas abertas, o respeito e a disciplina também renderam aos treinos na Europa nenhum caso de infecção pela covid-19. "Sempre respeitei tudo que foi pedido Lá, eles tinham um protocolo rígido e necessário para que nós pudessemos treinar. Nenhum atleta teve problema com a covid por causa dessas prevenções", explicou o treinador, que dedica parte de seu sucesso aos aprendizados que teve no país-sede da próxima Olimpíada.

"Fiz meu primeiro estágio lá, aos 15 anos, e aprendi com os japoneses. Tanto nos treinos quanto fora deles. Em 1985, era muito difícil manter contato com sua família e amigos. Morei em um alojamento de uma universidade de Tóquio e tinha de lavar minha roupa e fazer minha própria comida.

Isso foi importante para o meu aprendizado e caráter. Sempre com disciplina, respeito e educação. Posso me tornar repetitivo, mas essas práticas são importantes. Levo isso comigo desde então", disse Hoyama, que está animado para disputar os Jogos no país que considera sua segunda casa.

O treinador celebrou mais uma participação no maior evento esportivo do mundo. Ele sabe o peso de representar seu país e tenta passar esse sentimento para as atletas. E apontou sua alegria em voltar para o Japão. "Gosto de tudo lá. Desde a comida até o clima. Conheço muito bem o Japão. Com certeza esse evento vai ficar marcado na minha vida. Claro, as outras sete Olimpíadas já estão, mas essa tem sabor especial. Espero que dê certo e eu possa estar lá ano que vem com as meninas", disse.

De todas as Olímpiadas que disputou como mesa-tenista, Hugo aponta com carinho a disputa de 1996, nos Estados Unidos, em Atlanta. "A Olimpíada mais marcante que já participei foi a de Atlanta, onde tive meu melhor resultado, 9.º lugar.

Mas, na verdade, todas as edições foram marcantes. Eu nunca voltei de lá pensando nas coisas ruins. Sempre quis aproveitar ao máximo a experiência olímpica. Não é fácil chegar até uma Olimpíada. Participei de seis edições como atleta e sei bem que não é um caminho fácil", afirma.

Ele só não imagina ver as mesa-tenistas do Brasil disputando medalhas nos Jogos de Tóquio. Hoyama mesmo nunca esteve nem perto delas. "Sabemos que a luta por medalha é difícil por causa da concorrência dos países asiáticos, mas as meninas estão subindo de nível.

A Bruna é a brasileira mais bem posicionada, tem treinado forte. A Carol, a Laura e a Giulia também estão bem Tenho certeza de que as três atletas que forem disputar os Jogos vão representar o País da melhor maneira possível, jogando ponto a ponto com as rivais."

Sua meta é modesta, mas um avanço para o tênis de mesa no Brasil Ele fala em ficar entre as 20 ou 30 melhores do mundo. "Lógico, nosso sonho é conquistar uma medalha, mas temos de ter pé no chão. Espero que elas possam se destacar e mostrar a evolução do tênis de mesa feminino."

Por Raul Vitor
Estadão Conteúdo

 

Imprimir