Cidadeverde.com
Geral

Cerca de 200 mil piauienses não tomaram 2ª dose contra covid, revela Fiocruz

Imprimir

Dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam que cerca de 200 mil piauienses não voltaram para tomar a 2ª dose da vacina contra a covid-19. São exatamente 194.594 pessoas nessa situação. No Brasil, já são 14.097.777 faltosos. Os números motivaram um alerta na Secretaria de Saúde do Estado, a Sesapi.

“Estou muito preocupado com essa situação. Pois quase duzentas mil pessoas que tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid, não voltaram para receber a segunda dose. Quem não completou o esquema vacinal não está imunizado e é necessário tomar as duas doses para poder ter uma taxa de proteção considerada aceitável”, afirmou o secretário de saúde, Florentino Neto.

O secretário Florentino Neto pediu, mais uma vez, que essas pessoas realizem imediatamente a vacinação, pois além de não estarem protegida, elas põem em risco também quem está em seu convívio e podem estimular o aparecimento de novas variantes.

 “Queremos conclamar as pessoas que compareçam ao posto de vacinação para receber a segunda dose da vacina.  Se imunizar é uma prova de respeito ao próximo e a própria vida”, destaca o gestor. 

“Tomem a segunda dose e quem tiver direito, tome a terceira, pois só a imunização completa vai nos livrar desse vírus que já matou 7.118 piauienses”, acrescenta.

De acordo com a Sesapi, o atraso na aplicação da segunda dose leva em conta as pessoas que tomaram a primeira dose do imunizante, mas que não receberam a segunda dose após 14 dias do prazo previsto no cartão de vacinação. A partir desse período ela passa a ser considerada faltosa.

O infectologista José Noronha, diretor do Hospital Natan Portela e membro do COE, explica quais as consequências de não se completar o ciclo de imunização. “A falta dessa segunda dose, possibilitada o surgimento de novas variantes e uma dessas podem escapar das vacinas, por isso é de fundamental importância que se completem o ciclo vacinal.  Além disso a vacinação ela existe em um contexto de saúde pública, e só funciona quando vacinamos toda à população e isso já demonstrado cientificamente, por diversos experimentos feitos, que quando tivermos 70% da população brasileira vacinada a tendência é que os casos e óbitos sejam controlados”, reforça o médico.

 

Da Redação (Com informações da Sesapi)
[email protected]

Imprimir