Economia

37% dos brasileiros não entendem as tarifas de operadoras de celular

Imprimir
Quem nunca teve dúvidas referentes às tarifas cobradas em sua conta de celular? Segundo uma pesquisa global da consultoria Ernst & Young, 37% dos consumidores brasileiros afirmaram não entender completamente as tarifas cobradas pelas empresas de telefonia móvel.

De acordo com o panorama com 12 países participantes, o brasileiro não está sozinho: 1 em cada 3 entrevistados se confundem com as tarifas cobradas e, se incluir as pessoas que “não sabem”, a proporção fica ainda maior, cerca de 1 em cada 2 consumidores.

Apenas 25% dos brasileiros entendem completamente a conta de seu celular e, considerando a proporção dos países, 1 em cada 5 clientes sabem avaliar com precisão as tarifas cobradas.

A pesquisa ainda revela que que a confusão sobre as cobranças é igualmente alta em planos pré e pós-pagos. “Isto é surpreendente, dada a relação mais estreitada entre as operadoras e seus clientes nos últimos anos, por conta das ferramentas mais usuais, como o site das empresas e serviços de atendimento ao cliente”, analisou o estudo.

Comunicação falha
Apesar da presença consolidada dos celulares no Brasil, com cerca de 260 milhões de acessos segundo a Anatel, as operadores ainda têm uma comunicação ruim com seus clientes, em relação às ofertas de novos serviços e planos.

Apenas 24% dos consumidores entendem completamente os serviços ofertados pelas operadoras, 30% entendem grande parte e 34% não compreendem a maioria das informações ou se confundem com os valores. Mundialmente, 3 em cada 10 operadoras não se dedicam o suficiente para deixar claro aos seus clientes os serviços oferecidos.

Preferências
Quando à preferência dos brasileiros sobre o pagamento da conta do celular, 41% afirmaram pagar um preço fixo por serviços ilimitados mensalmente, 28% preferem serviços ilimitados com preço fixo diário e 15% pagam os serviços de acordo com seu uso (pré-pago).

Atualmente, os consumidores afirmaram ter mais segurança para acessar serviços pelo celular. A transferência de dinheiro e a utilização das redes sociais foram os mais citados, com respectivamente, 43% e 42%.

Fonte: Info Money
Imprimir