Cidadeverde.com
Geral

Associados dizem que doações para Acep caíram 50% e pedem nova eleição

Imprimir

Adailton Pacheco e Ivaldo Lima (Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com)

Integrantes da Associação dos Cegos do Piauí (Acep) reivindicam que uma nova eleição do comando da entidade ocorra o quanto antes. Em janeiro deste ano, terminou o mandato da diretoria interventora que assumiu o lugar da chapa que foi destituída por improbidade administrativa em junho de 2015.

Ao Cidadeverde.com, o associado Ivaldo Lima disse que no último dia 2 de fevereiro ordem judicial expedida pela 5º Vara Cível de Teresina determinou que uma nova eleição fosse realizada na Associação. Até o dia 24 de fevereiro uma comissão eleitoral deveria ser instalada. Mas o processo não ocorreu.

"O que acontece é que a diretoria interventora não está cumprindo a ordem judicial, nem o estatuto da associação. Eles afirmam que não vão fazer novas eleições porque não foram notificados, sendo que eles foram, sim, intimados através de edital", afirma Ivaldo Lima. 

Por conta do imbróglio, a Associação dos Cegos está sofrendo queda na sua receita. De acordo com o outro associado da entidade, Adailton Pacheco, as doações financeiras à instituição teriam caído  50%. 

"Queremos a volta da democracia na instituição. Enquanto pessoas com deficiência, nós lutamos todo dia pelos nossos espaços e como justificar que dentro da nossa instituição a gente não tem esse espaço?", questiona Adailton.

Associados da Acep ingressaram com uma ação no Tribunal de Justiça na última terça-feira (14) pedindo que a corte obrigue a associação a cumprir a ordem judicial expedida pela 5º Vara Cível de Teresina. 
 
Os associados ressaltam a importância da Acep na qualificação dos deficientes visuais do Estado.  Fundada em 1977, a Acep, que completa 50 anos em no próximo mês de junho, proporciona aos cegos condições plenas de educação. 

Adailton destaca que mais de  50 deficientes visuais conseguiram concluir o ensino superior através da Acep. 

"Exaltamos  o papel das instituição. Somos contra, apenas, aos atos administrativos que estão sendo praticados", finaliza Adailton Pacheco.  O Cidadeverde.com tentou esclarecer informações com a diretora interventora da Acep, mas não conseguiu contato até a publicação desta reportagem. 

Izabella Pimentel  (especial para o cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir