Cidadeverde.com

Júri popular inocenta acusado de mandar matar ex-prefeito de Altos

  • 3f2da919-4ccf-4dca-8a1a-1dadae6add42.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 047a3705-450a-43e7-adcc-b3427a376482.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 070f3270-b26b-4820-b2e6-73ec76b8f6d6.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 78b413eb-b748-4e1d-967b-f86ccacf336e.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 98ab0bf6-de21-4ba1-b688-90340cb54012.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 256a49e2-22cd-4e06-a8ea-b94ffe470e91.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • 3739fc11-f7cb-49dc-b405-dd3eeb97374a.jpg Wilson Filho/Cidade Verde
  • f2d1d1f2-66de-4ece-9165-a7fd6ff5cd35.jpg Wilson Filho/Cidade Verde

O réu Antônio Orlando da Silva que era apontado como o mandante da morte do ex-prefeito de Altos, César Leal, em 1996, foi inocentado. O julgamento começou na manhã desta terça-feira (29) e só terminou durante a noite. O promotor Ubiraci Rocha disse que o júri identificou a autoria do crime, mas mesmo assim, decidiu absolver o réu. Ele considerou o resultado contraditório. 

"Ele infelizmente foi absolvido. Houve uma contradição na resposta dos jurados. Quanto à autoria, eles admitiram a participação dele, mas resolveram absolver. Isso é uma contradição", declarou. 

O promotor lamentou o resultado e destacou que o Ministério Público já recorreu da decisão junto ao Tribunal de Justiça. 

"O  MP traduz o resultado como um sentimento de impunidade do crime. Isso que precisa ser mudado nesse país e nesse estado. A sociedade espera 20 anos por um julgamento em que a defesa se utilizou de todo tipo de subterfúgio e quando ocorre, o júri entende que o acusado é o mandante e mesmo assim absolve. É algo lastimável e a sociedade continua à mercê desse tipo de coisa", declarou. 

Ubiraci declarou que, durante o julgamento, o acusado chegou a negar participação na morte do ex-prefeito e declarou ser alvo de perseguição por parte do delegado de Polícia Civil da cidade à época do crime. 

O julgamento durou cerca de 12 horas e um novo julgamento deve ocorrer dentro do prazo de um ano. Os outros três envolvidos - dois intermediários e um autor dos disparos - devem ser julgados pela justiça de Altos. O promotor teme que pela morosidade do processo, o crime prescreva e os suspeitos não respondam pelo homicídio.

O crime

Para o  Ministério Público, Antônio Orlando, que à época do homicídio era vice prefeito da cidade, teria pago R$ 50 mil pelo homicídio. Para executar o crime, ele teria contatado dois homens (Abimar Paixão de Sousa e Afrânio Paixão de Sousa), que acionaram Francisco Alves Barbosa, o "Chico Pacajás", que contratou Raimundo Nonato, o "Gordinho", responsável pelos disparos.

Em outubro de 2015, a audiência de julgamento foi adiada porque o advogado do réu desistiu do caso, o que foi considerado pelo Ministério Público, como manobra do acusado para adiar a decisão. César Leal era pai da atual prefeita de Altos, Patrícia Leal.
 
O réu também é acusado de matar um policial militar no mesmo ano, no bairro Marquês, zona Norte de Teresina. Para este segundo crime ainda não há data para o julgamento.

 

Graciane Sousa e Maria Romero
gracianesousa@cidadeverde.com