Cidadeverde.com

Centro de Gastronomia de Pedro II

O Diário Oficial da União publicou em sua edição desta segunda-feira, 16, a licitação para construção do Centro de Gastronomia que funcionará no Campus do IFPI em Pedro II. A construção da Escola foi garantida com emenda parlamentar do deputado Heráclito Fortes, no valor de R$ 500 mil, recursos oriundos do Ministério da Educação. A contrapartida de R$ 300 mil é do próprio Instituto Federal.

“Essa Escola não só valorizará os profissionais que estão retornando para sua terra, mas aproveitará também os seus conhecimentos na capacitação e qualificação de mão de obra de jovens que estão entrando em um mercado de trabalho competitivo, crescente e que é cada vez mais exigente com seus profissionais”, destacou Heráclito, ressaltando que a ideia da Escola nasceu devido ao sucesso da gastronomia pedrosegundense, em especial, de profissionais locais que se destacavam em restaurantes do sul do país.

O diretor do Campus do IFPI em Pedro II, Professor Nonato Silva, comentou a abertura da licitação para a construção da Escola. “Esse é um grande empreendimento, e ele será de grande valia para estudantes dos cursos do Eixo de Gastronomia, como eventos, administração, restaurantes e bares”, disse em sua página pessoal. 

O professor também já faz planos para a implantação de um curso superior na área. “Não tenho dúvidas que este será também um passo fundamental para a implantação do curso superior de gastronomia, abrindo novas oportunidades e possibilidades para a população, que busca aperfeiçoamento em uma área que cresce cada vez mais”, disse.

Além do deputado Heráclito Fortes, o empresário Sílvio Leite e o advogado Eduardo Pereira, vice-presidente do Banco do Brasil, também participaram da elaboração do Projeto para construção da Escola. 

SOBRE PEDRO II e seu potencial gastronômico
Pedro II é uma cidade conhecida, entre outras coisas, pelo clima ameno, pela opala, pelas belezas naturais e pelo festival de Inverno. Mas a cidade também se destaca pela excelência de sua gastronomia, cada vez mais valorizada e bastante requisitada também fora do estado. Isso, porque na década de 60, piauienses de Pedro II começaram a sair da cidade para trabalhar na área de bares, restaurantes e similares no sul do país. Hoje, os números mostram que já são mais de 8 mil profissionais que, aposentados e reconhecidos na área, retornam para sua terra, mas não param suas atividades. O resultado é que a região começa a se transformar num celeiro gastronômico, despertando nos mais jovens o interesse pela profissão.

“Em breve, além de ser reconhecida como a terra da Opala, Pedro II também se tornará um grande centro gastronômico, com profissionais capacitados e qualificados que orgulharão os piauienses dentro e fora do Brasil”, comemorou Heráclito.

Fonte: Ascom