Cidadeverde.com

Carreta da saúde visita Patos do Piauí

O Brasil está em 2° lugar no ranking de países com novos casos de hanseníase, conforme os dados da Organização Mundial da Saúde. Para reforçar a prevenção e combate à doença, a Carreta de Saúde da Novartis,  caminhão itinerante, com cinco consultórios e um laboratório,   percorre  o País realizando atendimentos gratuitos.

No mês de maio a carreta realiza ações no Piauí. No município de Patos, o caminhão itinerante realizou os atendimentos nesta terça-feira, 15, e quarta-feira,16, no povoado Cajueiro, zona rural e na sede do município, respectivamente. No caminhão foram desenvolvidas ações de controle, diagnóstico e prevenção da doença.

O projeto pertence ao Novartis, em parceria com o Ministério da Saúde a Secretaria de Estado da Saúde  em parceria com a Prefeitura Municipal de Patos e a Secretaria de Saúde. E  durante os  dois  dias atendeu 337 pessoas no município de Patos do Piauí. Destas, 08  oito  casos foram diagnosticadas com  a doença.

No povoado Cajueiro, foram atendidas 240 pessoas, e teve dois casos confirmados. Na sede do município, 97 pessoas foram examinadas e 06 casos de hanseníase foram detectados.

Além de exames, com a avaliação de manchas, foram realizados teste rápido de sífilis, HIV e Hepatite. Os serviços foram realizados por diversos profissionais da Saúde de Patos, além de mais duas profissionais da coordenação estadual de controle de hanseníase que acompanham a carreta.

O enfermeiro e especialista em Hanseníase, Gilberto Valentim da Silva, disse que o objetivo é reforçar  o trabalho da atenção básica, ou seja,  o município faz  a divulgação dos principais sintomas,  faz a triagem e manda para carreta fechar o diagnóstico  de hanseníase. “No atendimento da sede, fechamos seis casos, que são quatro em fase inicial e dois na forma de vacinar, pois já possui forma de transmissão”, explicou ele, que informou que o passo seguinte é encaminhar para o tratamento  para esses casos,  imunizando o seus familiares para que quebre a cadeia de transmissão e evite a disseminação da doenças com as pessoas que o paciente convive.

Ainda segundo o enfermeiro, a hanseníase é uma doença infectocontagiosa, que através de uma bactéria e transmitida por meio de gotículas nasais e orais durante contato próximo e frequente com uma pessoa que tem a doença e não recebeu tratamento. “É importante destacar que nem todo mundo pega hanseníase, e vale ressaltar que uma vez diagnosticado e iniciado o tratamento, 72 horas depois o paciente não transmite mais a doença”, esclareceu Gilberto.

Segundo ele, os principais sintomas da doença, são manchas esbranquiçadas e avermelhada em qualquer parte do corpo que  tenha alteração de sensibilidade.  “A principal característica da hanseníase é perda da sensibilidade no local da lesão, além de manchas que são ressecadas, dor no nervo do braço e da perna e  áreas de pele que não suam. Apresentando qualquer sinal desses, procure a unidade de saúde”, disse ele,  enfatizando que  é necessário  o tratamento de forma imediata, e  destacou que os  pacientes devem levar vida normal “Não existem  restrições  de  vida social para que tem hanseníase,  uma vez que se inicia o tratamento e continua tomando a medicação”, concluiu.

Lindalva Ferreira Marques,   da coordenação estadual  de controle da hanseníase, falou sobre a importância da ação e que a mesma deve ser continua. “Esse trabalho  da carreta é extremamente importante, pois é feito a busca ativa dos casos da doença, e  com número de pessoas que diagnosticadas com essa ação, é necessário que tem tenha continuidade mesmo  sem carreta. A busca ativa de casos deve continuar sendo realizada e ela pode ser  feita através de palestras e de  educação em saúde, e assim  com certeza faz-se  mais diagnóstico precoce da doença  que é essencial. Com a detecção  inicial, agente  corta  a cadeia de transmissão  e também evita as sequelas causadas pela hanseníase quando ela está na forma  avançada” explicou.

A secretária de Saúde, Patos Edvânia  Pires, explicou os  procedimentos adotados pela Secretaria para as pessoas que foram diagnosticadas com hanseníase. ” Os casos  confirmados  com a doença serão encaminhados ao PAM de Picos, depois é  feitos o cadastro no município e o paciente  fica   recebendo a medicação” informou.  Ainda segundo ela, o município realiza  campanhas de prevenção a Hanseníase,  por meio de outras ações e que essa é segunda vez que carreta vem para Patos  na gestão do prefeito Agenilson Dias.

As ações da carreta no município  foram conduzidas pela, coordenadora de saúde, Janete Dias. Os profissionais que realizaram as avaliações para diagnóstico da doença foram os enfermeiros, Gilberto Valentim da Silva, Antônio Salomé  Dissene, e Lindalva Ferreira  e Fátima Mesquita, da coordenação estadual  de controle da hanseníase. Além de diversos outros profissionais da Secretaria Municipal de Saúde, que realizaram outras atividades na carreta.

Fonte: Cidades na Net