Cidadeverde.com

Oeiras é destaque nacional em projeto da Anvisa

O município de Oeiras ganhou destaque nacional no último dia (21) em Brasília, quando levou a sua experiência sobre a implantação do Projeto de Educação em Vigilância Sanitária (EDUCANVISA) nas escolas da rede municipal.

 O Educanvisa é um projeto educativo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, destinado à capacitação de professores da rede pública de ensino em assuntos relativos à Vigilância Sanitária para serem trabalhados na comunidade escolar. “A Vigilância Sanitária Estadual, como coordenadora das VISAS municipais, define ser uma ação prioritária, a implantação do projeto no maior número de municípios possíveis, pois acreditamos que através da educação é que a gente consegue uma mudança de comportamento. Nesse sentindo, insere a prevenção e a promoção de saúde ainda na idade escolar”, ressaltou a diretora da DIVISA, Tatiana Chaves.

 Oeiras aderiu ao projeto em 2015, e desde então vem desenvolvendo a ação em todas as escolas do município. “No momento da adesão contava com 58 escolas zona urbana e rural, abrangendo um total de 6.330 alunos e 150 professores da área de ciências da natureza”, contou a fiscal sanitária, Albina Brandão.

O processo de adesão ao projeto tem como requisito obrigatório à integração entre as secretarias de Saúde, de Educação e a Vigilância Sanitária locais, envolvidas no propósito de desenvolver o Educanvisa em parceria.  “Através de uma parceria firmada entre a Saúde e Educação e por entender o impacto positivo ao município, as ações entre as pastas precisam estar alinhadas e incorporadas ao Plano Municipal / Programação Anual de forma a garantir a continuação do Programa no Munícipio, independente de quem esteja na Gestão”, ressaltou a secretária de saúde do município de Oeiras, Auridene Moreira de Freitas.

 O Educanvisa é uma atividade de promoção da saúde e de prevenção de doenças, cuja ideia central é prevenir sobre os riscos e os danos associados ao uso inadequado de produtos sujeitos ao controle sanitário.

Fonte: Sesapi