Cidadeverde.com

Saúde qualifica médicos em Oeiras

Médicos da Atenção Básica participaram nesta quarta-feira, 20, de uma Oficina de Qualificação Profissional com enfoque no Manejo dos Transtornos Mentais na Atenção Básica. A atividade faz parte da programação do Setembro Amarelo, promovida pela Prefeitura de Oeiras, através da Secretaria Municipal de Saúde.

A oficina foi ministrada pelo médico psiquiatra, Vicente Gomes, que atua no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Oeiras. “Estamos no Setembro Amarelo, mês da prevenção ao suicídio. Devemos lutar contra o suicídio todos os dias, mas este é o mês em que concentramos os nossos esforços. Esse evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Saúde com o objetivo de capacitar os médicos da Atenção Básica, porque o suicídio tem uma íntima relação com os transtornos mentais. Praticamente 100% das pessoas que cometeram suicídio tinham algum tipo de transtorno mental e sabemos que a grande maioria dessas pessoas não vai chegar diretamente ao psiquiatra, vai chegar ao médico da família e ao pronto atendimento”, argumenta Vicente Gomes.

“Então, é importante que os médicos consigam receber aquele paciente e conduzir aquele quadro inicial adequadamente. Por isso, é importante de estarmos discutindo o tema e orientando, fazendo com que os médicos se familiarizem com algumas medicações de uso psiquiátrico, porque eles podem, sim, conduzir alguns casos e ajudar no nosso dia a dia a estar salvando vidas”, completa o psiquiatra.

Prevenção ao suicídio em Oeiras

Desde 2010, com a criação do Núcleo de Prevenção do Suicídio, o CAPS faz o monitoramento de casos de suicídio, de tentativas e ideação suicida, e realiza visitas domiciliares para combater o fenômeno em Oeiras. As ações de prevenção e enfrentamento do suicídio são desenvolvidas dentro da rotina dos serviços prestados pela Secretaria Municipal de Saúde.

Suely Viana, coordenadora do CAPS, diz que o Núcleo de Prevenção do Suicídio tem adotado medidas para barrar o que crescimento dos casos no município de Oeiras. “O suicídio é considerado um grave problema de saúde pública, que tem causado grandes impactos na sociedade. Em Oeiras, as tentativas de suicídio vêm crescendo de maneira alarmante, e medidas vem sendo adotadas para se trabalhar a prevenção do mesmo. Uma das estratégias desenvolvidas pelo município é abordar a problemática através do processo de Educação em Saúde, que visa dar autonomia à pessoa quanto aos cuidados necessários a manutenção da sua saúde e quanto aos aspectos que a envolve. Neste sentido, várias ações vem sendo executadas pelo CAPS e Núcleo de Prevenção do Suicídio, com o apoio dos profissionais da Estratégia Saúde da Família e do NASF”, afirma a coordenadora.

“Todas as ações programadas visam alertar as pessoas a respeito da realidade do suicídio, suas formas de prevenção e assim reduzir os danos sociais causados pelo suicídio, bem como desconstruir os estigmas que existem em torno dessa problemática em questão”, acrescenta Suely Viana.

Programação do Setembro Amarelo está sendo desenvolvida em UBSs e escolas

Durante todo o mês, Unidades Básicas de Saúde (USBs) e escolas do município de Oeiras estão recebendo eventos de prevenção ao suicídio e valorização da vida. Organizadas pelo CAPS, através do Núcleo de Prevenção do Suicídio, as ações envolvem palestras e rodas de conversas direcionadas ao público adolescente e qualificações para profissionais de saúde.

As rodas de conversa nas UBSs têm como tema “Suicídio: saber, agir, prevenir”. Nelas, são feitas abordagens sobre impacto do suicídio, sinais de alerta, fatores de risco e de proteção. Nas rodas de conversas envolvendo adolescentes, o tema abordado são “Os sentimentos do adolescer: como lidar com estressores psicossociais”.

Além da oficina de qualificação profissional para médicos e rodas de conversa, a programação do Setembro Amarelo também contempla a implantação de protocolos de avaliação do paciente e estratificação do risco do suicídio nas UBSs e campanha online com informações acerca do suicídio – sinais de alerta, fatores de risco e proteção.

Fonte: Ascom