Cidadeverde.com

Homenagem ao Dia da Síndrome de Down em Floriano

Na manhã desta quinta-feira (21), a Prefeitura Municipal de Floriano por meio da Secretaria de Educação (SEMED) e da Coordenação de Atendimento Educacional Especializado – AEE organizou um ato de comemoração ao Dia Internacional da Síndrome de Down na sede da SEMED. O objetivo foi evidenciar as conquistas desse grupo de pessoas e enfatizar a necessidade de exercer os direitos da pessoa com Síndrome de Down. O momento de pausa dos trabalhos oportunizou um diálogo aberto com toda a equipe da Educação, afim de sensibilizar os profissionais quanto à assistência e acolhimento que devem ser feitos no atendimento às famílias das crianças com necessidades especiais pela SEMED; além de mensagens, de respeito e amor à causa, pregadas e espalhadas na sede.

O “21 de março” foi estrategicamente escolhido e referenciado pela ONU porque a Síndrome de Down ocorre devido à uma alteração genética no cromossomo “21” durante a divisão celular, que deve ser formado por um par, mas nos portadores apresenta “3” exemplares (trissomia). A data tem por finalidade promover a discussão de alternativas para aumentar a visibilidade social das pessoas com Síndrome de Down, sensibilizando a população sobre a inclusão e redução do preconceito.

Cerca de 500 alunos são portadores de necessidades especiais em Floriano, sendo 100 providos de algum déficit intelectual, além da Síndrome de Down. A SEMED possui serviços de atendimento voltado às crianças com necessidades especiais na rede municipal de ensino; desde psicologia, fonoaudiologia, fisioterapia a outros serviços. 
Nas escolas, são destinados cuidadores, para cada criança, que realizam a assistência em sala de aula. Cerca de 32 cuidadores estão trabalhando atualmente, mas há um déficit de 40 cuidadores. “Estamos elaborando um novo processo seletivo. A expectativa é de que sejam alocados mais profissionais até o início de abril para atender a demanda de crianças com não só Síndrome de Down, mas também outras necessidades especiais”, relatou Joab, secretário de Educação.

“Nós enquanto profissionais, devemos ter uma empatia ao receber essas famílias aqui na SEMED desde o momento da matrícula até à orientação. Devemos mostrar que as pessoas com Down quando bem assistidas, mesmo dentro das suas limitações podem desenvolver habilidades para vida profissional e social” - Lara Siqueira, membro da Coordenação de AEE.

Fonte: Ascom