Cidadeverde.com

Além de coronavírus, Dinho Ouro Preto já teve gripe suína e dengue

Ver essa foto no Instagram

amigos, obrigado pelas palavras gentis que vocês me enviaram. por aqui tá tudo bem. a situação é a seguinte-eu sinto uma fraqueza e meu corpo doe. hoje já é o quinto dia da luta do meu organismo contra vírus. a batalha começa pra valer sempre no final da tarde. lá pelas 18:00hs minha temperatura começa a subir, e a partir daí não consigo mais me concentrar. não consigo muito fazer nada. fico prostrado. sinto enjoo e náusea. tenho dificuldade em comer. sinto como se meu corpo estivesse em guerra. uma luta que me deixa exaurido. vou dormir exausto. durmo muito e acordo cansado. como se, mesmo em repouso, meu corpo estivesse ocupado. deve estar acontecendo uma batalha interna-eu contra o covid 19. por enquanto acho q eu tô ganhando porque não tô piorando. tomara q continue assim..

Uma publicação compartilhada por Dinho Ouro Preto (@dinhoouropreto) em

Dinho Ouro Preto, 55, disse nesta quarta-feira (25) que contraiu o novo coronavírus. Nos últimos anos, o cantor teve também outras doenças infecciosas. Em setembro de 2009, ele foi diagnosticado com a gripe suína, em meio ao surto da enfermidade no mundo.


Mais recentemente, em 2016, Dinho teve dengue. Além das doenças, em 2009, o músico sofreu traumatismo craniano ao cair de uma passarela anexa ao palco durante um show do Capital Inicial em Pato de Minas (MG).

Em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, da Folha, Dinho afirmou que os sintomas que ele está sentido agora, com o coronavírus, lembram os de quando teve dengue. "Leseira. Náusea. Muita dor de cabeça e muita dor no corpo. Não [os sintomas] o que eu tinha lido a respeito do [corona]vírus."
O cantor afirmou que vai se resguardar em sua casa em São Paulo pelos próximos 15 dias, como foi orientado por médicos. "Estou inteiramente agasalhado. Sou o único em casa morrendo de frio o tempo todo."

Isolado de sua mulher e dos filhos em um cômodo do imóvel, ele diz estar bem, apesar da febre "ainda baixa" que ocorre "todo dia na mesma hora, no fim do dia" –a qual ele vem tratando com novalgina, alimentação adequada e hidratação, -como também foi recomendado por profissionais da saúde. "Se continuar só isso, eu consigo segurar."

"Por enquanto eu estou tranquilo. Nada de mais. É uma exceção. Não quero diminuir a percepção da gravidade [da Covid-19]. Reitero que acho grave, a maior crise da nossa geração possivelmente. Mas eu não tive nada que levasse a precisar de ajuda. Fui abençoado. Vou ficar isolado, me alimentar, me hidratar e esperar", disse.

Fonte: Folhapress