Cidadeverde.com

Governo afirma que não irá pagar para usar o Verdão como hospital de campanha

Fotos: Jorge Henrique Bastos/CCom

O governo do Piauí afirmou nesta quinta-feira (2) que não irá pagar pelo uso do ginásio poliesportivo Dirceu Arcoverde, o Verdão, durante a operação do local como hospital de campanha. A informação é para rebater outra que circula nas redes sociais afirmando que o Executivo teria alugado o espaço, que agora funciona por meio de uma Parceria Público Privada (PPP). 

A Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) informaram que a posse do ginásio se mantém com o Estado e que não haverá nenhum pagamento referente a aluguel ou ocupação do espaço. As duas secretarias explicaram que o uso do local obedece ao contrato de concessão e que os únicos custos para o estado serão a montagem e manutenção do hospital de campanha. 

“É uma pena que estejam usando esse momento tão delicado para o uso político, mas é importante esclarecer que no caso do Hospital serão remunerados apenas os serviços prestados para que a estrutura funcione, como instalação dos leitos, aluguel de geradores, segurança e limpeza, entre outros”, explica o secretário de Saúde Florentino Neto. 

“A modelagem das PPPs permite que o Estado retome o espaço e utilize quando for conveniente para o bem comum, em situação graves como a que estamos enfrentando agora”, reforça Viviane Moura, superintendente da Suparc. 

A instalação e montagem da estrutura no Ginásio Verdão ficará a cargo da empresa Progen S.A, que comprovou, junto a Concessionária, a capacidade técnica para execução dos serviços e foi responsável pela instalação de cerca de dois mil e duzentos leitos de campanha em São Paulo (SP), com o apoio do Hospital Albert Einstein, referência em saúde. 

A Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) é responsável, junto com a SESAPI, pela estruturação do projeto de instalação do Hospital e, após a conclusão, os atendimentos e a gestão ficam sob a responsabilidade exclusiva da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi).

Viviane Moura, superintendente da Suparc, explica que a liberação dos recursos para que a concessionária viabilize a construção do Hospital segue a regra adotada nos demais modelos existentes no país, e será conforme fluxo e prazos definidos no projeto e há ainda o Comitê de Monitoramento que vai acompanhar toda essa execução. 

A escolha pelo Verdão para abrigar essa estrutura levou em conta aspectos técnicos como disponibilidade, localização estratégica, estacionamento próprio e as várias salas de apoio existentes dentro do ginásio, entre outros atrativos. 

O governo informou ainda que o formato de contratação de hospital de campanha no Verdão é semelhante ao usado no estádio do Pacaembu e Anhembi, em São Paulo, que também funcionam como PPP por lá.

Da Redação
[email protected]