Cidadeverde.com

Morador de Teresina chega a percorrer 6,8 km para ter atendimento médico, revela IBGE

Foto: FMS/Ascom

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística da Saúde (IBGE) revela que a população de comunidades carentes de Teresina chega a percorrer uma média de 1,6 km até o hospital mais próximo para buscar atendimento médico. A pesquisa busca ajudar nas medidas emergências de enfrentamento da pandemia da Covid-19. 

A pesquisa cita como exemplo os habitantes do Parque Torquato Neto, na zona Sul de Teresina. O hospital mais próximo desses moradores é a Unidade de Pronto Atendimento 24 horas do bairro Promorar, distante cerca de 6,8 km. 

De acordo com o IBGE, "essas comunidades estão localizadas em áreas denominadas tecnicamente de Aglomerados Subnormais, caracterizadas pela ocupação irregular, urbanização fora dos padrões, carência de serviços públicos essenciais e por apresentarem restrições à moradia. Popularmente, são conhecidas como favelas, invasões, comunidades, loteamentos, vilas, etc".

Para o IBGE, a "alta densidade de edificações dificulta o isolamento social e pode facilitar a disseminação do coronavírus".

A pesquisa é o resultando do cruzamento de dados da estimativa de domicílios do IBGE e de informações do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), do Ministério da Saúde, que considera estabelecimentos públicos e privados de saúde em Teresina. 

UBS em Teresina 

O estudo do IBGE também revela que "as distâncias percorridas pela população das comunidades carentes até locais das Unidades Básicas de Saúde (UBS) são mais curtas, aproximadamente 676 metros em média".

"O maior deslocamento para atendimento primário de saúde é feito pelos moradores da Vila Encontro com Deus, na Zona Sudeste da capital, que fazem um percurso de 2,7 quilômetros até a Unidade de Pronto Atendimento 24h do bairro Renascença". 

Interior

Já as pesquisas em relação à distância entre as comunidades e hospitais (com suporte de observação e internação) pelo interior do Piauí apontam que, no município de Parnaíba, os moradores de comunidades mais carentes chegam-se a "fazer deslocamento de até 4,8 quilômetros partindo do Aglomerado Subnormal Comunidade Mãe Rainha. Em Picos, os moradores do Aglomerado Subnormal Tapera percorrem aproximadamente 4,5 quilômetros até o estabelecimento mais próximo". 

"Com relação à atenção primária de saúde, em Picos o maior deslocamento é o dos moradores do Aglomerado Subnormal Tapera, que percorrem cerca de 3 quilômetros. E, em Parnaíba, novamente os habitantes do Aglomerado Subnormal Comunidade Mãe Rainha enfrentam as maiores distâncias, aproximadamente 1,8 quilômetros".

O portal Cidadeverde.com entrou em contato com assessoria da Fundação Municipal de Saúde e aguarda esclarecimento. 

 

Carlienne Carpaso (com informações do IBGE)
[email protected]