Cidadeverde.com

Demanda de passageiros de ônibus em Teresina cai 95% durante a pandemia

A restrição da frota de ônibus devido à pandemia reduziu em cerca de 95% a quantidade de passageiros diária no transporte público em Teresina. Segundo Vinícius Rufino, coordenador técnico do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut),  nos últimos dois meses, o número de usuários saiu de 200 mil usuários para 10 mil por dia. 

O coordenador técnico do Setut diz que a demanda no número de passageiros tem sido insuficiente para cobrir o custo operacional. Ele aponta para a necessidade de um aporte financeiro do poder público municipal. 

"Uma frota em operação que, proporcionalmente, está acima da demanda. Então, o que está se arrecandando dentro dos ônibus com essa demanda, não é suficiente para cobrir o custo. Por isso, essa necessidade de que o poder público faça um aporte de recursos para esse período específico para auxiliar na cobertura desse custo e  manter a saúde financeira das operadoras", destaca Rufino.

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

Ele reitera que a queda no transporte público não é apenas devido à pandemia, mas vem se agravando ao longo dos anos. 

"Algumas medidas que vêm sendo tomadas, a gente vem experimentando essa queda no sistema. Os fatores que podem estar contribuindo para isso é desde a aquisição de veículos individuais até a própria dificuldade com a estruturação das vias. A gente tem uma cidade que é muito horizontal. Com o passar do tempo e uma demora para reestruturar o sistema em uma implantação dos corredores, os usuários têm uma percepção negativa de uma dificuldade de operação do sistema, no sentido de não ter vias adequadas, não ter estrutura viária adequada e acaba afastando o usuário do sistema", pontua Vinícius Rufino.

Há 11 dias, os ônibus estão tem greve. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro),  o transporte está 100% parado porque as empresas não estão liberando a circulação dos 30% exigidos por lei. 

 

Graciane Sousa
[email protected]