Cidadeverde.com

Prefeitura propõe reabrir mais de 20 segmentos, quatro dias na semana; veja o que muda

Foto: Reprodução 

O prefeito Firmino Filho anunciou em videoconferência concedida a jornalistas nesta segunda-feira (29) a proposta de protocolos da Prefeitura de Teresina para a primeira etapa de retorno de setores econômicos, anunciada para o próxima segunda, dia 6. A previsão é que a abertura seja feita em um turno em 4 a 5 dias por semana, com restrição de clientes por metro quadrado.

Os protocolos apresentam quatro níveis de restrição, branda, média, rigorosa e delivery e se aplicam a 21 ramos econômicos das áreas da indústria extrativista, de metalúrgica e fabricação de móveis, além do setor de construção de edifícios, comércio de materiais de construção e comércio de veículos e de peças e acessórios.

De acordo com a prefeitura, a reabertura está marcada para o próximo dia 6 de julho e vai começar pelos setores da indústria, agropecuária e construção civil. A segunda etapa, com início previsto para 13 de julho, atende as empresas ligadas aos setores de concessionárias, vendas de peças e automotivo.

Pelo que foi planejado pela Prefeitura, a primeira fase da abertura deve acontecer em duas etapas por questões epidemiológicas e foram organizadas para diminuir o impacto da aglomeração nos primeiros dias do retorno.

“Estamos sendo bastante cautelosos nessas primeiras fases para que possamos avançar nas semanas seguintes. Esperamos a colaboração de todos para melhorar as taxas de isolamento e, assim, reduzir também o número de infectados pelo Coronavírus, além do número de mortos e a ocupação de leitos de UTI, que está em torno de 80%”, disse o prefeito.

O protocolo, que será apresentado ao Comitê de Operações Emergenciais (COE) ainda nesta segunda-feira (29), inclui ainda o retorno de atividades jurídicas, de contabilidade, auditoria e da indústria de impressão e reprodução. 

As restrições de funcionamento levam em consideração a quantidade de funcionários trabalhando (100%, 75% e 50%) e o número de dias da semana, que poderão variar entre 4 e 5 dias semanais, com carga horária máxima de seis horas por dia.

A proposta da prefeitura é que a ocupação máxima do espaço de atendimento ao público seja de um cliente por 4 m².

O ex-secretário e membro do COE Municipal, Washington Bonfim, anunciou ainda que o protocolo vai levar em conta a circulação dos ônibus na capital.

“Vamos disciplinar horários de abertura e fechamento dos negócios e distribuir melhor o funcionamento da cidade especialmente levando em conta a demanda de transporte público que precisam ser equacionados”, disse.

O controle de circulação se baseia em outras cidades onde houve a retomada controlada nos estabelecimentos, mas aglomerações no transporte público. 


Em (C), restrições rigorosa, com 50% de funcionários e 4 dias da semana. Em (D), atendimento delivery também com apenas 50% do operacional.

Situação ainda é crítica, diz Firmino

Firmino Filho alertou que o retorno das atividades deve atender a sete critérios que incluem o monitoramento da taxa de transmissão da Covid-19, a redução no número de internações (80% das UTIs estão ocupadas) e a diminuição de mortes provocadas pela doença. 

“A última pesquisa mostra que nós estamos num momento bastante crítico. A alternativa que colocamos para a cidade é de ao mesmo tempo endurecer esse isolamento e ter a retomada das atividades”, afirmou, assinalando um pico da doença na capital.

As fases seguintes de retomada das atividades econômicas estão previstas para os dias 20 de julho, 03 de agosto e 17 de agosto. A Prefeitura vai informar os setores que estarão autorizados a reabrir em cada uma das etapas, levando em consideração um estudo sobre as características da economia local feito pela equipe da Agenda 2030, da Secretaria Municipal de Planejamento, e pela Universidade Federal do Piauí.

Protocolo de segurança

Para poder retomar as atividades, todas as empresas, além de testar seus funcionários, deverão apresentar um plano de segurança que deverá estar disponível para clientes, funcionários e para a fiscalização. Segundo a prefeitura, as regras de segurança estarão no decreto do governo do estado e no decreto municipal, organizadas por setores econômicos, que ainda serão divulgados.


Níveis de restrição propostos pel prefeitura de Teresina.

 

Valmir Macêdo
[email protected]