Cidadeverde.com

Rádio é o parceiro inseparável do agricultor desabrigado pela Barragem

  • desa12.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa2.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa14.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa11.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa10.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa9.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa8.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa7.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa6.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa5.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa4.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa1.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • desa.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Quem chega ao alojamento das famílias desabrigadas pelo perigo de rompimento da Barragem do Bezerro, em José de Freitas, é surpreendido pelo som que vem de um radinho de pilha sintonizado no noticiário local. Sentado em uma cadeira ao lado do rádio está o agricultor Francisco Soares.

Preocupado com as galinhas que ele deixou para trás, ele relembra os momentos de tensão. “Os soldados do Exército chegaram dizendo que devíamos sair às pressas. Eu fiquei nervoso. Preocupado com as galinhas. Tive que deixar minhas criações. Com 73 anos de vida nunca tinha passado por isso”, declarou.

Ele e as outras famílias do local tiveram as rotinas alteradas no domingo (08). A Defesa Civil evacuou as áreas habitadas próximas à barragem e não há previsão de retorno.

É o drama vivido Inedina Lima. Ela e mais seis pessoas da família foram para o abrigo. “Eu entrei em pânico. Foram momentos de agonia. E agora estou aqui sem saber o que vai acontecer”, disse.

Inedina fala da dificuldade de ficar com filha deficiente no abrigo. “É muito difícil, mas Deus tem ajudado. É difícil ficar com ela aqui, mas estamos sendo bem tratados”, declarou.

No abrigo, as famílias recebem alimentação, mas precisam de doações. “Nós estamos sendo bem tratados. Fazemos as refeições. É tudo organizado, mas não é a mesma coisa da casa da gente”, diz a dona de casa Conceição Lima com lágrimas nos olhos. 

No abrigo, estão alojadas 26 famílias, que totaliza 100 pessoas. A prefeitura pede doações.

“Eles estão precisando de tudo. De alimentação, roupa de cama e colchões. Contamos com a solidariedade de todos”.

A solidariedade tem sido fundamental para que as famílias possam superar esse momento.  “Eu fiquei muito nervoso e minha pressão subiu. Mas depois pensei na graça que Deus me deu de está vivo. Tenho é agradecer”’ diz seu Francisco. Ele afirma que até voltar para casa, o radinho de pilha vai ser o companheiro para enfrentar o momento de angústia. “Deus vai nos proteger”, adiantou.


Lídia Brito (direto de José de Freitas)
redacao@cidadeverde.com