Cidadeverde.com
Esporte

Após brilhar, judô brasileiro abre segundo dia com decepções

Imprimir
O segundo dia de competições do judô acabou da pior forma para os brasileiros, ainda nas lutas preliminares. Os dois representantes do país neste domingo, Leandro Cunha e Érika Miranda, não conseguiram mais do que um yuko, a pontuação mínima, e perderam logo na estreia. O resultado é uma decepção, ainda mais depois das duas medalhas conquistadas no sábado por Felipe Kitadai e Sarah Menezes.


O primeiro a ir atrás do terceiro pódio foi Leandro Cunha, quinto do mundo, que perdeu para um rival sem resultados de expressão, ao cair por um yuko para o polonês Pawel Zagrodnik. Logo na sequência foi a vez de Érika Miranda ser eliminada no golden score para a sul-coreana Ko Kim, que derrotou a brasileira pela primeira vez em três lutas. No caso do revés de Érika, nem os apelos da técnica Rosicléia Campos surtiram efeito.

"Não consegui impor meu judô. Ele entrou para me anular e conseguiu fazer isso, acabou praticando o anti-judô, mas às vezes o árbitro não percebe. Só que os méritos são dele, ele foi melhor", lamentou Cunha após deixar o tatame. 

Cunha não conseguiu acertar a pegada contra o rival europeu e já foi punido logo no início da luta. Quando tentou aplicar uma técnica, foi surpreendido e jogado por Zagrodnik, que conseguiu um yuko a cerca de dois minutos do fim do combate - e poderia ser pior pois os árbitros tinham dado um wazari, mas depois revisaram a marcação.

No fim, o resultado acaba sendo decepcionante até porque o polonês já tinha derrotado por Cunha em outras oportunidades e não lhe assustava, conforme analisou o técnico Luiz Shinohara ao IG antes do início das Olimpíadas. Com a mudança de regras de Pequim para Londres, o brasileiro não tem sequer chance de voltar à repescagem e saiu da Inglaterra com um resultado aquém do esperado.

"Às vezes o fato de lutar as Olimpíadas pode pesar, pois é um campeonato diferente. Mas não foi o meu caso. Entrei como se fosse uma competição normal. É uma pena. Agora vou pensar em mais quatro anos de trabalho", comentou Cunha, que estará com 32 anos nos Jogos do Rio, em 2016.

Quinto colocado no ranking mundial, o atleta trazia bons resultados em competições internacionais para a disputa. A chance de medalha aumentou mesmo antes de Cunha subir ao tatama, já que o russo Musa Mogushkov - número 1 do mundo foi eliminado.

Érika Miranda

Minutos depois do revés do companheiro, Érika Miranda foi para o tatame para tentar confirmar o favoritismo contra a sul-coreana Ko Kim, mas não mostrou superioridade.

Quando o duelo começou, as duas judocas mostraram bastante agressividade na pegada até a coreana encaixar um uchi-mata e conquistar o yuko. Foi ai que a brasileira mostrou sinais de irritação e começou a partir para cima enquanto ouvia os berros da técnica Rosicléia Campos: “Investe tudo! é a luta da sua vida!”.

Na raça, a brasileira se mostrou muito mais ativa e forçou duas punições para a adversária, levando o confronto para Golden Score. Mas quando parecia que Erika Miranda iria se recuperar, a coreana encaixou um estrangulamento e forçou a desistência da brasileira.


Fonte: IG
Imprimir