Cidadeverde.com
Geral

Servidor da Eletrobras diz que fiação de energia tem gambiarra

Imprimir
O presidente do Sindicato dos Urbanitários, Francisco Marques, que também é técnico da Eletrobras, afirmou hoje (03), em entrevista ao Jornal do Piauí, que a fiação de energia nas proximidades da escola onde o menino Hernesto Emanoel estudava tem gambiarras. Francisco Marques assistiu à reportagem produzida pelo jornalista Tiago Melo e constatou que todos os cabos mostrados possuem "gambiarras", já que são emendas sem a proteção de "luvas", que dão mais segurança ao reparo. 

Evelin Santos/Cidadeverde.com

"Pelo conhecimento técnico que temos, a emenda deve ser um procedimento de emergência. Depois, um técnico tem que voltar e fazer o restabelecimento. A emenda não é fácil de soltar. Ela fica mais segura do que se tivesse normal, mas tem que ver a qualidade da emenda. Essa emenda deveria ter uma luva revestindo, do jeito que está é gambiarra. A empresa tem que exigir das prestadoras de serviço que use a luva e depois faça a substituição do cabeamento", explicou francisco marques em entrevista ao Jornal do Piauí.


Os cabos flagrados com "gambiarras" ficam em frente a escola onde estudava Hernesto, onde também, há mais de 15 dias, se encontra caído um cabo de telefonia. O cabo caiu em cima de uma cobertura na porta de saída do estabelecimento.


Também participou da entrevista, o advogado Lúcio Tadeu, que representa a família do menino. Lúcio Tadeu comentou o problema ocorrido na manhã de hoje com funcionários da empresa. "Peço que tenham a sensibilidade de deixar a família em paz. Chegam duas viaturas descaracterizadas. A família tem assistência jurídica. Se a polícia chamar para depor eles tem o direito de ir acompanhados de advogado, imagina interrogar dentro de residência. Isso não. O inquérito é que deve apurar. Estamos encaminhando também dois dedos da criança que foram achados por populares. Não vamos admitir qualquer tipo de pressão ou constrangimento. Eles não precisam de mais nada para estarem infelizes. Já tem o suficiente", disse.

Veja a cobertura completa


Leilane Nunes
Imprimir