Cidadeverde.com
Entretenimento

Virgem do leilão, Catarina diz que foi enganada e explorada por diretor

Imprimir
Depois de leiloar sua virgindade por cerca de R$ 1,7 milhão e ter recusado o comprador, Catarina Migliorini continua “intacta”. Apesar disso, a moça diz se sentir vítima do diretor Justin Sisely, que gravou com ela o “Virgins Wanted” - documentário que exibiu as etapas de comercialização da primeira vez da moça.


"Sinto que fui vítima. Eu fui enganada por Justin Sisely. Acredito que ele está tentando me prejudicar”, afirmou a gaúcha ao "Huffington Post".

O profissional responsável pela produção - que também registrou a venda da virgindade do russo Alexander Stepanov - acusou a brasileira de romper o contrato e não honrar o compromisso sexual.

Catarina, em contrapartida, deixou claro que não há uma cláusula nos papéis que a obriguem a perder a virgindade. “Justin me fez acreditar que era um documentário sério sobre virgens e disse que poderia ou não haver um leilão no fim."

Fora isso, a jovem ainda acusa o documentarista de não ter pago as despesas de viagem à Austrália e o dinheiro prometido pela participação no projeto, independentemente do leilão.

A primeira vez de Catarina foi comprada por um milionário japonês, de 53 anos, identificado como Natsu. Porém, quando a brasileira foi encontrar o vencedor do leilão em um restaurante em Sidney, desistiu de entregar a ele a virgindade. Segundo ela, a descrição do japonês não batia com a que Sisely havia passado.

De acordo com Justin Sisely, a jovem deveria entregar o "prêmio" ao vencedor em um voo que partiria da Austrália ou da Indonésia para os Estados Unidos. O homem que arrematou a garota no leilão teria que utilizar camisinha e não poderia realizar qualquer fetiche. O ato também não seria filmado.


Fonte: MSN
Imprimir