Cidadeverde.com
Últimas

Fã viaja 700 km para dar adeus a Wilker

Imprimir
A primeira fã a chegar no velório neste domingo foi a arquiteta Ana Buarque. Vizinha ao teatro, ela disse que ficou emocionada quando soube da notícia. "Eu o admirava muito pelo talento e voz. Como moro ao lado e vi que ontem havia fila, então desci para prestar minha homenagem assim que acordei", contou Ana Buarque.


A dona de casa Rosana Aparecida da Silva, de 53 anos, e a filha contaram que viajaram 700 quilômetros para acompanhar o velório de Wilker. Elas moram em São Roque, no interior de São Paulo.

Familiares, amigos e fãs de José Wilker se despedem do ator e diretor desde o noite de sábado (5). O corpo está sendo velado no Teatro Ipanema, na Zona Sul do Rio. O artista morreu aos 67 anos em decorrência de um infarto. A cerimônia, que foi aberta ao público às 23h40, só termina às 15h deste domingo (6). Em seguida, às18h, ele será cremado no Memorial do Carmo, no Caju, Zona Portuária, em evento fechado.


A namorada do ator, Cláudia Montenegro, retornou ao local por volta das 7h15. O ator Marcos Oliveira, que interpreta o personagem Beiçola, na "Grande Família", compareceu ao teatro pouco tempo depois carregando uma rosa branca. Ele disse que era um grande admirador de Wilker.


"Eu não tinha relação de amizade com ele. Sou um admirador e nunca tive o prazer de contracenar com ele. Sempre admirei muito seu trabalho. Era inspirador tudo que ele fez na relação de ator, de comportamento e relacionamento. Então, vim fazer a última homenagem, pois acho que ele merece mais que isso", disse Oliveira.

Genézio de Barros afirmou estar chocado com a morte do amigo José Wilker. “Acabamos de fazer ‘Amor à vida’ e fizemos ‘Gabriela’ também. Pra mim foi um choque. O Zé era um cara incrível, brincalhão, mal humorado, engraçado, era um menino! Me assustou a morte dele, pois temos a mesma idade", disse Barros.


O ator Felipe Camargo falou que Wilker era o ‘Jack Nicholson’ brasileiro. "Ele Sempre foi uma referência pra mim. Referência muito forte. Era o nosso Jack Nicholson. Falei com ele há três semanas e estava do mesmo jeito de sempre, ele estava ótimo. Fica o legado dele. Do jeito que ele gostava de trabalhar, já deve está tendo ideias aonde estiver!”, disse Felipe Camargo.

"Ele foi cedo demais. Em pleno voo. Mas, não poderia ser diferente, não poderia ser uma morte anunciada. A morte foi tão surpreendente quanto a forma em que ele viveu. Estreamos juntos na TV, em ‘Bandeira 2’. Comemorei meus 18 anos com ele. Foi uma amizade intensa. O Wilker não parava de pensar e quis ser o protagonista da vida dele. Criava muito e não se contentava em ser somente autor", afirmou Stepan Nercessian.

A atriz Beth Faria esteve no velório e contou que esteve com Wilker há poucos dias. "Era um  irmão, amigo, companheiro de trabalho. Tinha um humor delicioso. Fizemos muitos trabalhos juntos na TV e no cinema. Falei com ele semana passada e ele disse que estava de dieta nova, se cuidando, caminhando com a namorada, estava se sentindo saudável. Não entendo como isso aconteceu", lamentou Beth Faria.

Milton Gonçalves, amigo de Wilker há 50 anos, disse que ele era uma pessoa muito verdadeira.

“Ele era tido como rude, às vezes, mas na verdade, ele era verdadeiro numa sociedade de mentira. Minha amizade com o Wilker durou mais de 50 anos. Só posso falar bem e não é porque morreu não. Às vezes era irritado, mas devemos compreender as pessoas. Ele contribuiu de forma muito positiva para a arte".

Beth Goulart estava muito emocionada quando chegou ao velório do ator. “Wilker era um homem que representava a arte brasileira para o mundo. Ele tinha muitas frentes de trabalho. É muito difícil estar aqui, mas a Mariana [filha de Wilker] me enviou um e-mail tão lindo quando perdi meu pai, que eu tinha que estar aqui para dar um abraço nela”, contou a atriz.

Rafael Infante trabalhou com José Wilker na peça “Remember” e falou com carinho do ator. “Ele tinha noção do jeito de falar, a sutileza da comédia. Ele tinha respeito por cada palavra. Era um gênio. O Roque Santeiro foi muito marcante com aquele deboche. Ele deixa a seriedade de encarar a profissão para todos nós atores”, afirmou Infante.

"Perdemos um colega, um amigo, um homem elegante, um homem culto de quem a gente se orgulhava. Ele cumpriu a missão dele lindamente. Dizem que a missão de um homem é profissão dele. Ele cumpriu a dele e teve a partida eleita pelos deuses. Ele partiu tranquilo", falou Arlete Sales.

Gracindo Júnior definiu Wilker como um "orgulho" para os profissionais da área. "É a perda de um grande amigo. Era da minha geração de atores, um mestre. Ele deixou uma história bonita. Pessoa assim é um orgulho que eu tenho pela minha profissão e que todos atores devem se orgulhar", afirmou Gracindo Júnior.

Muitos colegas de profissão já passaram pelo local desde sábado. Entre eles, os atores Tony Ramos, Renata Sorrah, Ary Fontoura, Giulia Gam, Marieta Severo, Eriberto Leão, Vera Holtz, Natália do Vale, Susana Vieira, Malu Mader, Glória Pires e Marcelo Serrado.

Fonte: G1
Imprimir