Cidadeverde.com
Geral

Notícia da Manhã mostra ensaio do Sambão; escola homenageia Júlio Romão

Imprimir
  • samba_8a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_7a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_6a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_5a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_4a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_2a.jpg Marcelo Lopes
  • samba_1a.jpg Marcelo Lopes

O Notícia da Manhã, desta sexta(15), mostrou o ensaio da escola de samba Sambão, que esse ano tem como enredo “Júlio Romão e a consciência da negritude de um piauiense do século”, uma homenagem ao escritor e jornalista piauiense, falecido em 2013, aos 96 anos.

O repórter Marcelo Fontenele esteve na quadra da escola e entrevistou o presidente da agremiação, Manoel Messias, os intérpretes do samba, Tonhão e Silvia Marrom, estreantes na escola, e a baiana Antônia Ferreira, que desfila pelo Sambão desde a sua fundação, em 1973.

Na reportagem, a viúva de Júlio Romão, dona Zélia Maria, também foi ouvida. Ela disse estar muito feliz com a homenagem, pois desta forma a obra do marido será lembrada e acrescentou que ele gostava de carnaval.

JÚLIO ROMÃO

O escritor, poeta e jornalista piauiense Júlio Romão é considerado o maior líder negro do nosso Estado. Nasceu em Teresina no ano de 1917 e seu nome foi dado em homenagem a padre Cícero Romão. Na capital piauiense fundou o Jornal Artífice em 1936, iniciando sua carreira de comunicador.

Bacharel em Letras, História e Geografia pela Faculdade de Filosofia do RJ, deixou Teresina ainda jovem. Daqui foi de carona em um trem para São Luís(MA) e de lá viajou para o Rio de Janeiro de forma clandestina no porão de um navio. 

A viagem durou oito dias e nesse período se alimentava de rapadura e farinha. Foi o primeiro piauiense a ter diploma de jornalista no RJ e um dos fundadores do IBGE.

Publicou mais de 40 obras e recebeu inúmeros prêmios, inclusive o Prêmio Cláudio de Souza da Academia Brasileira de Letras.

No Rio de Janeiro conviveu com Monteiro Lobato, Carlos Drummond de Andrade e Graciliano Ramos, entre outros grandes nomes da nossa literatura. Escreveu em jornais alternativos e sua primeira publicação de destaque foi em 1942 na revista Vamos Ler, quando escreveu sobre Aleijadinho.

Também estudou as línguas indígenas e toda sua obra resgata a cultura brasileira, tanto a negra como a indígena.

Veja na reportagem o ensaio do Sambão!

Marcelo Lopes

[email protected]

Imprimir