Cidadeverde.com
Entretenimento

Ângela Rô Rô faz show 50kg mais magra e sempre polêmica

Imprimir

Ângela Rô Rô voltou a Teresina. A bebida ela deixou, assim como 50 quilos de peso. A polêmica, essa é difícil deixar Ângela. Na noite desta terça-feira (19), durante apresentação no Projeto Seis e Meia, no Theatro 4 de Setembro, ela soltou algumas daquelas declarações que fazem dela Ângela Rô Rô. E agradou. Elogiou artistas piauienses e falou de coisas pessoais com o público ao longo do show, com um copo d'água entre cada música.

 

Água que ela disse ser "o aperitivo da moda". Ela falou que teve a felicidade e a sorte de mudar para melhor ao deixar o álcool. Talvez por sua vida ter virado um mar de rosas, ela jogou várias dessas flores para a platéia. Revelou até que está compromissada com uma pessoa no Rio de Janeiro e mostrou a aliança "Dorival Caymmi", batizada assim porque jamais a tirou desde que assumiu o relacionamento, tal qual o compositor baiano falecido semana passada durante toda a sua vida. "Não há idade para amar, mas senti na maioridade que as coisas ficaram melhores", contou.

"Eu vim ao mundo para quebrar tabus", disse a cantora, que se qualificou aos fãs?: não presta, não vale o suor que ela sua. Coisa que eles não devem concordar, muito menos depois dela interpretar ?Ne me quite pas?, famosa na voz de Edith Piaf e Maysa. Canção que a fez lembrar uma pessoa mais jovem que ela, e que acompanhou Ângela durante show no Piauí no final dos anos 90. Pessoa que gostava muito da Rô Rô e de Jacques Brel, compositor do sucesso francês.

 
Quem acompanhou Ângela Rô Rô cantando "Fogueira", numa homenagem a sua ídola Maria Betânia, nem deve se lembrar do lado polêmico da cantora, externado logo no início do show. "Eu não vim passar a luz, mas eu existo", reclamou com o iluminador, antes de perguntar se o teatro tinha um microfone sem fio para uma apresentação especial.
 
Mas em duas coisas ela tem razão. O Piauí é uma terra de talentos, e tem nomes como Torquato Neto e Luizão Paiva que devem ser homenageados sempre. E por ter nomes como esses, o projeto Seis e Meia não poderia deixar o Estado.
 
 
Péricles Mendel (flash do Theatro 4 de Setembro)
Fábio Lima (da Redação)
[email protected]
Tags:
Imprimir