Cidadeverde.com
Política

Ministro afirma que 'ninguém quer financiar Parque no PI'

Imprimir

O ministro interino da Cultura, o sociólogo baiano Juca Ferreira, em entrevista ao jornal Estadão afirmou ontem que tem dificuldade de buscar financiamento para o Parque Nacional da Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, interior do Estado.

A explicação do ministro é que as empresas querem retorno e um parque no interior do Estado, não é traz impacto midiático. Veja o que diz o ministro:

?Precisamos negociar com o governo e o Congresso, mas é uma proposta bastante coerente. Primeiro, porque ela tem o orçamento como o principal instrumento de financiamento à política pública de cultura. A renúncia fiscal não tem condições de cumprir esse papel, porque ela implica em uma negociação com a área privada, e a área privada tem o critério do retorno de imagem. Então, há áreas estratégicas, e eu citaria o Parque de São Raimundo Nonato, que traz os traços mais antigos da presença do homem no planeta, e que ninguém quer financiar porque está lá no interior do Piauí. É cientificamente exemplar, mas as empresas, ao se associarem ao mecanismo de renúncia da Lei Rouanet, eles querem retorno, e retorno está onde estão os consumidores em potencial", afirmou.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai empossar na próxima quinta-feira, como seu novo ministro da Cultura. Secretário-executivo do MinC desde a posse de Gilberto Gil, em 2003, Ferreira será empossado às 15 horas em dois atos: primeiro, será nomeado pelo presidente, e a seguir haverá a cerimônia de transmissão do cargo.

Baiano de Salvador, João Luiz da Silva Ferreira, o Juca Ferreira, foi militante estudantil e ficou 9 anos exilado durante o regime militar, vivendo no Chile, Suécia e França, onde formou-se em Sociologia. Voltou ao País com a anistisa e passou a trabalhar com política e cultura na Bahia. Ali, desenvolveu o projeto de arte-educação Axé, para adolescentes em situação de risco.

Membro do Partido Verde, o mesmo de Gil, Juca Ferreira foi secretário de Meio Ambiente da prefeitura de Salvador e também assessor especial da Fundação Cultural do Estado da Bahia. Foi duas vezes eleito vereador de Salvador (1992 e 2000). Defende reformas na Lei Rouanet e a adoção de um fundo de incentivo direto para a cultura.

Da Redação (com informações do jornal Estadão)
[email protected]

Tags:
Imprimir