Cidadeverde.com
Entretenimento

Ex-mulher chora: "Waldick só foi ruim para ele mesmo"

Imprimir
Foto: Wagner Santos

Ex-esposa do cantor e compositor Waldick Soriano, morto na manhã desta quinta-feira (4) vítima de câncer de próstata, a professora de dança Marinês Medrado lamentou e chorou pela morte do companheiro de 17 anos. Os dois viveram juntos desde 1990, em Timon/MA, município da Grande Teresina. Trabalhando em eventos do Governo do Estado em Simplício Mendes, 416 quilômetros ao sul de Teresina, ela retorna hoje à noite na tentativa de embarcar para o sepultamento no Rio de Janeiro, previsto para amanhã.

Marinês disse ao Cidadeverde.com que vem acompanhando a angústia de Waldick há dias, sempre em contato com a família dele no Rio de Janeiro por telefone. "É triste a gente falar de um momento como esse. A Valda (ex-mulher) me ligou informando que ele faleceu às 5h30min. Se eu soubesse que a situação era mais grave pediria para não ter vindo", disse a professora de dança, aos prantos, em entrevista por telefone. Ela afirma que sua família é contra sua decisão de ir ao enterro, mas vai tentar assim mesmo.



O corpo de Waldick Soriano está sendo velado na Câmara  Municipal do Rio de Janeiro. "Ele já vinha sofrendo muito, todo mundo estava sabendo. É muito triste, era uma pessoa boa para todo mundo, só foi ruim para ele mesmo", declarou Marinês, lembrando da teimosia do cantor para se tratar. "Em julho de 1994 ele foi ao hospital e o médico disse que ele tinha que fazer essa cirurgia de próstata. Ele ficou de voltar em outubro, e nunca voltou. Quando voltou, já não tinha mais jeito", relatou, ainda a chorar.

Marinês acompanhou as três cirurgias e o último show do artista em Teresina, em dezembro de 2007, na churrascaria Gramado. De cadeira de rodas, com as pernas inchadas, Waldick já mostrava que a saúde não lhe ajudava. Mesmo assim, ele encantava. "Ele é um mito. Cantou muitas obras lindas, músicas românticas, apesar de ser tachado de brega. É uma lenda vida, vai permanecer vivo", afirmou a professora, que participou do documentário dirigido pela atriz Patrícia Pilar e relembrou as músicas que, segundo Marinês, ele compôs para ela: Voltei, A saudade que você deixou, e Depois de você mais ninguém.


Patrícia Pilar e Waldick, que teve a vida por ela registrada

"Ele fazia músicas brincando. Vou ficar com as músicas que ele fez pra mim. Ele é aquilo que cantou nas músicas", contou Marinês, que conheceu Waldick em 1990. O relacionamento só terminou no ano passado. "Ele disse que nunca tinha se separado, mas eu mesma disse que era somente amiga dele. Fiz tudo que eu podia fazer de longe. Fui mulher, e fui amiga depois", completou Marinês Medrado, que trabalhou na TV Cidade Verde no júri especial durante a transmissão do Carnaval de Teresina.

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com
Tags:
Imprimir