Cidadeverde.com
Política

No PI, presidente do PSC diz que partido vai lutar para Temer terminar mandato

Imprimir

Foto: Hérlon Moraes

O presidente nacional do PSC, pastor Everaldo, deixou claro nesta sexta-feira (28) que seu partido vai trabalhar para que o presidente Michel Temer (PMDB) termine o mandato. Em Teresina para participar de um encontro regional da sigla, ele acredita que mexer na presidência agora afetaria ainda mais a economia do país.

“O PSC vai fazer tudo que for possível para o presidente Michel Temer terminar o mandato. Estamos preocupados com estes soluços e traumas. Temos hoje mais de 14 milhões de desempregados. São pais de família que não tem como irem ao supermercado e fazer comprar para levar pra casa. Então, mas um sobressalto vai atrapalhar mais ainda esta recuperação. Acreditamos naquilo que for possível e quem tiver errado, que preste conta na justiça”, disse durante entrevista ao Jornal do Piauí, da TV Cidade Verde.

Para Everaldo, a baixa popularidade de Temer, apenas 5% de aceitação, não é motivo para tirar o presidente. “Acreditamos que é muito difícil a situação brasileira. Nunca se viu coisa igual. Precisamos estancar a sangria dos aspectos econômicos e do desemprego. Em junho, no Rio, 2.200 lojas foram fechadas. Temos que lutar e se mexer na presidência é mais uma turbulência e dificulta ainda mais”, declarou.

Ainda de acordo com o pastor, o PSC deve lançar em outubro um nome à presidência da República, que não será o deputado Jair Bolsonaro. “O deputado Jair Bolsonaro disse em mais de 60 entrevistas que não vai ficar no PSC, mas eu afirmo para a população do Piauí e do Brasil que, em 2018, o PSC terá candidatura própria”, garante.

O presidente disse que o PSC recebeu Bolsonaro de “coração aberto e com tapete verde”, mas que não conta mais com o parlamentar para 2018.

“Nós o recebemos de coração aberto e como sempre digo: com tapete verde estendido, mas como ele disse que vai sair, não contamos mais com ele. Temos um nome escolhido e em outubro anunciaremos. Nosso partido é claro naquilo que defendemos: defendemos a família, a vida, o Estado mínimo necessário, liberdade econômica. É uma posição da bancada do PSC com a executiva”, finalizou.

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir