Cidadeverde.com
Esporte

Felipe Melo admite áudio, mas se arrepende e explica atrito com Cuca

Imprimir

Depois de dias de muito tumultos e dúvidas dentro de fora no Palmeiras por causa do afastamento de Felipe Melo, a polêmica e misteriosa história ganhou um capítulo importante na noite dessa segunda-feira. 

Um áudio de uma conversa do jogador vazou na internet, invadiu as redes sociais e acabou ‘obrigando’ Felipe Melo a se explicar em público, já que suas declarações de que não trabalharia mais com Cuca e de que estaria estudando ofertas de pelo menos seis clubes brasileiros caíram como uma ‘bomba’.

“Aqui (no Palmeiras) não tem jeito, aqui já era. Com esse cara eu não trabalho, entendeu? Esse cara é covarde, mau-caráter, mentiroso, falou uma coisa e fica ligando para imprensa para falar um monte de coisa. Quando eu falar eu vou rasgar ele no meio, mas, enfim, agora vamos ver. 

Confesso que tem vários clubes interessados. Vários. Corinthians, Inter, São Paulo, Grêmio, Atlético-MG, Flamengo. Todo mundo está interessado. O negócio foi ontem, agora vai começar a clarear as coisas. O presidente lá quer falar comigo, do Palmeiras. Vamos ver se a gente faz alguma coisa. Mas com esse cara eu não fico. 

Não tem que fazer nada, não. Porque a torcida veio contra, então, eles estão doidinhos, né? Vamos ver. O Flamengo, parece que estamos conversando aí. Então, se o Flamengo quiser, esse é o momento. Nunca esteve tão fácil”, disse Felipe Melo a um destinatário ainda desconhecido.

Em entrevista ao programa Linha de Passe, da ESPN, o ex-atleta da Seleção Brasileira assumiu a autoria da mensagem, mas fez questão de se desmentir e tentou justificar o motivo pelo qual disse tudo aquilo.

“Eu escutei o áudio. O áudio é meu. Não lembro com quem eu falei. Na verdade, ontem (domingo) foi o dia do aniversário da minha esposa. Por mais que tenhamos esse problema, ontem comemoramos o aniversário da minha esposa, tinha muita gente aqui (em casa), eu queria esquecer um pouco dos problemas, é normal, você acaba trazendo problemas para casa também. 

Tomei algumas champagnes, não lembro para quem eu falei. Tive ofertas de dois clubes turcos, nenhum deles era o Galatasaray, e as duas foram prontamente recusados. No Brasil não tive oferta de nenhum clube”, disse, antes de completar.

“Eu, até agora, tinha deixado para falar, porque eu queria voltar ao Palmeiras. Por respeito ao grupo, ao Palmeiras, não daria entrevista. Mas, vazou esse áudio, eu tinha que dar explicação. É desconsiderar esse áudio, era um momento de festa. Nem lembro o que eu falei”, contou Felipe Melo, ciente de que essa terça deve ser o dia em que seu futuro será definido.

“Eu quero fazer história no Palmeiras, tenho três anos de contrato. O único clube que fiquei mais de quatro anos foi o Galatasaray. Eu queria fazer uma história bonita aqui. Vou me apresentar amanhã (terça), vou treinar, o grupo vai viajar, mas estou à disposição, sou empregado do Palmeiras, vou treinar e, se tiver alguma conversa, vou ouvir e ver o que acontece”.

Como fez apenas seis jogos pelo clube alviverde no Campeonato Brasileiro, Felipe Melo não estourou o limite de sete partidas e, por isso, pode defender outra equipe que esteja disputando a competição ainda nessa temporada. Nenhuma possibilidade, nesse caso, foi descartada pelo atleta durante a entrevista.

“Para ser bem sincero, minha esposa, há dez minutos atrás, me disse: ‘olha, se não for ficar no Palmeiras, vamos embora (do Brasil). É complicado falar alguma coisa, eu tenho pensado no Palmeiras, não tenho pensado em outro clube. Se concluir que realmente não vou ficar, óbvio que vou pensar. Não chegou nenhuma oferta, interesse. Vou conversar, porque eu tenho de trabalhar”, afirmou.

Estranhamento com Cuca

Felipe Melo não negou que tenha tido um atrito com Cuca logo após a eliminação do Palmeiras na Copa do Brasil, para o Cruzeiro, há uma semana. Sem titubear, o volante reconheceu que passou do ponto, mas entendeu que o assunto pudesse ser superado.

“Errei naquele dia, falei alguma coisa do Cuca, dois dias depois nós nos reunimos, tivemos uma conversa com o presidente, todo o grupo, treinador… Aquele dia pedi desculpas, nunca tinha passado por isso na minha carreira, é muito nova essa situação. 

Confesso que fiquei muito abalado com essa eliminação para o Cruzeiro, e realmente errei, assumi o erro perante ao grupo, à diretoria, e fui muito claro, olhando nos olhos do Cuca. Naquele exato momento ele me desculpou, apertou minha mão e disse que não trabalharia mais comigo, isso na frente dos jogadores”, revelou.


Fonte: Yahoo

Imprimir